Edésio Adorno

Direita e esquerda derrubaram no STF prisão em 2º instância

Por 08/11/2019, 07h:27 - Atualizado: 08/11/2019, 07h:32

Dayanne Dallicani

Colunista Ed�sio Adorno

Os valentes da direita que rosnam bravata nos grupos de Whatsapp estão inconformados com a decisão de cinco ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que acataram o pedido dos partidos políticos PCdoB e Patriota (antigo PEN), além da OAB, e reconheceram a constitucionalidade do artigo 283 do CPP, que prevê, entre as condições para a prisão, o trânsito em julgado da sentença condenatória.

Eis o que diz o questionado artigo 283, do CPP:

“Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária ou prisão preventiva”. O texto deste dispositivo apenas repete o que consta no art. 5º, inciso LVII, da CF/88, que assegura de forma muito clara que “ninguém é considerado culpado antes de sentença condenatória transitada em julgado”.

O preso mais ilustre e famoso do Brasil – Luis Inácio Lula da Silva -, que foi o troféu olímpico da operação Lava Jato, deve ser beneficiado com o novo entendimento da Suprema Corte

Os togados Marco Aurélio, Rosa Weber, Gilmar Mendes, Celso de Mello, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli, que são considerados "garantistas", não se curvaram ao clamor das ruas (?), não se deixaram intimidar com as fakes news disseminadas aos borbotões nas redes sociais. Reconheceram a compatibilidade, harmonia do artigo 283 do CPP com o princípio da presunção de inocência consagrado na CF/88. A reação da esgotosfera não poderia ser diferente: mais ataque ao STF e a honra de seus integrantes – apenas dos que ainda conservam esse atributo pessoal.

O resultado do polêmico julgamento, que enterrou a possibilidade de prisão após condenação em 2º instância, é vinculante. Ou seja, vale para Raimundo e todo mundo. Quem estiver preso por ordem de algum desembargador de TRF, de tribunal estadual de justiça ou mesmo do Superior Tribunal de Justiça (STJ), já pode pleitear o Alvará de Soltura e se preparar para curtir a mais plena liberdade até o trânsito em julgado da condenação, que nada mais é, senão o esgotamento de todas as vias e possibilidades recursais.

O preso mais ilustre e famoso do Brasil – Luis Inácio Lula da Silva -, que foi o troféu olímpico da operação Lava Jato, deve ser beneficiado com o novo entendimento da Suprema Corte de Justiça. Junto com Lula, outro baluarte da grande delinquência que deve ganhar as ruas é o petista Zé Dirceu.

Para um país que tem no crime organizado - narcotráfico e contrabando de armas - um dos principais pilares de sua base econômica, segundo revela o jornalista José Arbex Jr, (Narcotráfico – Um Jogo de Poder nas Américas, editora Moderna, 1.993), um ladrão a mais em liberdade não vai fazer grande diferença. Já existem tantos por aí camuflados de empresários ou disfarçados de agentes públicos.

O resultado do julgamento, sem entrar no mérito da decisão, expõe ao ridículo o Congresso Nacional. O lobby que deputados e senadores fizeram junto ao presidente do STF, ministro Dias Toffoli, para tentar convencer o togado a votar de acordo com suas convicções, foi patético, vergonhoso.

O texto do artigo 283 do CPP foi legiferado (produzido) pelos próprios congressistas. Logo, quem deve alterá-lo ou suprimi-lo do ordenamento jurídico são os senhores deputados e senadores. Nunca, jamais, o STF, que não é casa legislativa.

Quem defende prisão após condenação em 1º, 2º ou 3º instância, que cobre de seu deputado federal ou senador. Eles são legisladores. O papel do STF se resume em aferir a adequação de uma lei ordinária a Constituição Federal. O artigo 283 do CPP, segundo decidiu o STF, provocado pela esquerda e direita (Patriota e PCdoB), é de constitucionalidade reconhecida e pronto.

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Postar um novo comentário

Vereador fora da prisão e sem sessão

janio calistro 400   Desde quando deixou a prisão, no último dia 20, o vereador de Várzea Grande, Jânio Calistro (foto), não participa de sessão ordinária. Foram realizadas duas, uma em 30 de março, com presença física dos parlamentares, e outra na última terça, 7 de...

Ex-vereador por 5 vezes tenta retornar

wilson kishi 400   Após uma década sem encarar uma disputa eleitoral, Wilson Kishi (foto), que já exerceu cinco mandatos de vereador por Cáceres, somando quase 20 anos ininterruptos de assento no legislativo, decidiu se submeter ao teste das urnas de outubro. Vai tentar cadeira de vereador. Se filiou ao PSB, que tem a...

SD e chapa competitiva pra vereador

aluizio lima 400   Comandado no Estado por Zé do Pátio, prefeito de Rondonópolis, o Solidariedade ganhou novos filiados em Cuiabá e já tem uma lista de 32 pré-candidatos a vereador, numa expectativa de conquistar até quatro cadeiras. Além dos recém-filiados, vereadores Vinicius Hugueney...

MDB diz apostar em Thiago em Roo

thiago silva 400 curtinha   Dirigentes do MDB contestam o registro em nota no Curtinhas, assegurando que a oposição está forte em Rondonópolis e que deve unificar os grupos políticos e derrotar o projeto de reeleição do prefeito Zé do Pátio. Pesquisas internas estão deixando...

Pátio, adversários fracos e reeleição

ze do patio 400 curtinha   O prefeito de Rondonópolis Zé do Pátio (foto), por mais populista, demagogo e com uma gestão avaliada pela maioria como desastrosa, caminha a passos largos para conquista de mais um mandato. Tende a vencer pela lógica do menos pior. Seus virtuais adversários são...

Pode recebe 2 já derrotados em BG

sandro saggin curtinha 400   O Podemos conseguiu juntar em Barra do Garças o grupo de dois já derrotados à prefeitura, Daltinho, que também foi deputado e em 2018 teve votação pífia na tentativa de reeleição, e Sandro Saggin (foto), um "eterno" candidato. Entregue ao ostracismo,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.