Edésio Adorno

Efeito Covid-19: Uber black da PF vai "transportar" prefeitos

Por 12/06/2020, 08h:06 - Atualizado: 12/06/2020, 08h:12

Dayanne Dallicani

Colunista Ed�sio Adorno

A avalanche de informações que borbulha nos meios de comunicação sobre o trágico avanço da Covid-19 parece ter anestesiado a consciência das pessoas. Covas abertas, corpos empilhados, hospitais superlotados, falta de equipamentos de proteção individual para profissionais da saúde, gente a beira da morte sem acesso a leitos de UTI ou de um respirador mecânico, o desespero de parentes e a disparada dos números funestos de óbitos, nada disso parece alterar o comportamento macabro das pessoas.

Estribados na retórica de combate ao novo coronavírus, prefeitos receberam verdadeiras fábulas pecuniárias do governo federal. Muitos desses gestores estariam usando essa montanha de dinheiro para fazer compras superfaturadas, desnecessárias e para agradar aliados políticos.

Cordões humanos invadem shoppings, lojas, praças, abarrotam ruas e causam o frenesi próprio de uma vida normal que não mais existe. Nas grandes cidades, até o trânsito entrou em parafuso. Congestionamentos quilométricos são registrados diariamente em metrópoles como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Recife, onde o desprezo as normas de prevenção a propagação da Covid-19 são olimpicamente desprezadas. Essa cena se repete em Cuiabá, Várzea Grande, Tangará da Serra e, em praticamente todos os municípios de Mato Grosso.

O custo social dessa indisciplina generalizada será o adensamento de cemitérios e a elevação da temperatura dos fornos de crematórios. O enfrentamento a pandemia do novo coronavírus deixou de ser cientifica, virou guerra política e serviu para o pipocar de uma batalha campal de narrativas ideológicas de consequências funestas. Notícias falsas – as famosas fake news – acendem e mantém acalorados debates nas redes sociais. A insanidade intelectual nunca esteve tão em voga como nesse sombrio momento pandêmico.

Os defensores do libera tudo, como gado que segue inocente rumo ao frigorifico, caminham inconscientes em direção as catacumbas. Antes, porém, arrebanham desavisados seguidores. A frente dessa horda insana, falsos e demoníacos líderes políticos populistas minimizam os efeitos da doença e estimulam seus devotos a cometer suicídio coletivo, como fizera, no fatídico novembro de 1978, o reverendo "Jim" Jones, líder da seita Templo dos Povos. Narra a história que Jones ordenou que sua comunidade fizesse fila para beber um refresco em pó tratado com uma mistura de cianeto de potássio e calmantes, disposto em baldes industriais. Resultado da insanidade: 918 mortos, entre homens, mulheres e crianças.

No Brasil, boa parte dos 41 mil mortos pela Covid-19 não bebeu nenhum refresco ofertado pelo falso salvador da pátria, mas seguiram suas orientações e exemplos. Foram fazer companhia as vítimas de Jim" Jones.

Para desanuviar um pouco o clima de tensão – afinal, hoje é sexta - vai aí uma constatação, não da ciência, mas da polícia: o novo coronavírus não é apenas sinônimo de sofrimento, de dor aguda no peito, de infecção inflamatória dos pulmões e de mortes. A Covid-19, assim como o crime organizado, o narcotráfico e o contrabando de armas, tem seu lado alvissareiro.

Estribados na retórica de combate ao novo coronavírus, prefeitos receberam verdadeiras fábulas pecuniárias do governo federal. Muitos desses gestores estariam usando essa montanha de dinheiro para fazer compras superfaturadas, desnecessárias e para agradar aliados políticos. Um tarimbado agente da Polícia Federal confidenciou a este escrevinhador que a roubalheira estaria rolando livre, leve e solta em muitas prefeituras de Mato Grosso e do Brasil e deixou um aviso: “o uber black da PF já foi chamado. Prefeito, favor informar sua localização!"

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Valmir Piracema | Sexta-Feira, 12 de Junho de 2020, 20h48
    0
    0

    Maravilhoso artigo Edésio, a forma como você escreve torna prazerosa a leitura e de quebra ainda deixa o leitor informado. Parabéns!

PTB perdeu uns, mas ganhou outros

emanuelzinho 400   Em Várzea Grande, enquanto alguns militantes do PTB, puxados pelo secretário jaymista Silvio Fidelis foram para os braços do candidato a prefeito Kalil Baracat (MDB), que tem Hazama (DEM) de vice, militantes de outras legendas decidiram abraçar a candidatura do petebista Emanuelzinho (foto). São...

PT de Cuiabá passivo; ROO, autêntico

kleber amorim 400 curtinha   O PT de Rondonópolis se organizou melhor, mobilizou a militância, se tornando mais autêntico do que o núcleo petista de Cuiabá. Para se ter ideia, o partido, numa posição de coragem e levando preocupação ao prefeito Zé do Pátio, que tinha...

DEM é "suprapartidário" em Cuiabá

wilson santos, 400 curtinha   Para uns, o DEM de Cuiabá se tornou "suprapartidário". Para outros, um partido de aluguel. Além de não ter cabeça de chapa para prefeito, o partido do governador Mauro e dos irmãos Júlio e Jayme Campos enfrenta uma situação inusitada de concorrentes...

Diretório do Podemos-VG dissolvido

mara podemos curtinha 400   A direção estadual do Podemos, sob o deputado José Medeiros, destituiu o diretório municipal de Várzea Grande e anulou o encaminhamento para apoio a Kalil Baracat a prefeito. Agora sob comando provisório da professora Wilcimara Carnelós, a Mara (foto), que está na...

Silvio provoca debandada no PTB-VG

silvio fidelis 400 curtinha   Silvio Fidélis (foto), afilhado político de Chico Galindo e que se tornou fiel escudeiro da prefeita várzea-grande Lucimar Campos, de cuja gestão é secretário de Educação, provocou debandada geral no PTB local. Inconformado com a decisão de Emanuelzinho de...

PTB tem 25 e deve eleger 2 à Câmara

misael galvao 400 curtinha   O PTB lançou 25 nomes a vereador em Cuiabá. E a tendência é de eleger entre um e dois. As maiores apostas são os seus próprios vereadores: Misael Galvão (foto) e Adevair Cabral, respectivamente, presidente e primeiro-secretário da Mesa Diretora da Câmara....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.