Edésio Adorno

O que fazer com o sangue das vítimas da Covid-19?

Por 29/05/2020, 07h:44 - Atualizado: 29/05/2020, 07h:51

Dayanne Dallicani

Colunista Ed�sio Adorno

Os tempos mudaram, os homens se tornaram frios, insensíveis e indiferentes ao drama humano. O sentimento de solidariedade ao próximo foi jogado para o escanteio, se é que algum dia existiu. Conquistar o poder político ou nele permanecer, em desprezo a saúde, a vida ou a sobrevivência dos desafortunados, é tudo para quase todos que emergiram das urnas sob a promessa de que moveriam céus e terra para assegurar assistência médica e condições dignas de vida a população. Pura balela.

O sangue das 26.788 pessoas mortas pela Covid-19 daria para encher quase três caminhões-tanque – daqueles usados para transportar combustível. Mais um exemplo tétrico: os mais de 133 mil litros de sangue das vítimas da doença (...) seria o suficiente para lavar a praça dos Três Poderes e ainda sobraria sangue para espargir na fuça caprina e insolente dos vigaristas que insistem em subestimar a letalidade do maldito vírus da morte

No momento em que rabisco este texto, o Brasil contabiliza 26.788 mortes provocadas pela Covid-19 e 441.315 casos confirmados da doença em todo o país. Em Mato Grosso, Várzea Grande registra 10 mortes para 203 casos confirmados; Cuiabá, com 655 casos de contágio, apenas 8 pessoas perderam a batalha contra a doença causada pelo novo coronavírus. No interior do Estado, a situação é de aparente controle, com exceção de Barra do Garças, onde o número de infectados está em ascensão.

Recordo que lá atrás, em 24 de abril, quando a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos, por conta e risco, se curvou a pressão de empresários e de políticos negacionistas, sem amparo de estudos e na melhor forma de contrariar as normas de prevenção a propagação do coronavírus, determinou a reabertura do comércio, inclusive de shopping. Na época, emissários graduados de Lucimar ligaram para o prefeito de Cuiabá e tentaram convencê-lo a também escancarar as portas do comércio. Emanuel Pinheiro resistiu por mais alguns dias. A diferença pode estar na quantidade de cadáveres.

O sangue das 26.788 pessoas mortas pela Covid-19 daria para encher quase três caminhões-tanque – daqueles usados para transportar combustível. Mais um exemplo tétrico: os mais de 133 mil litros de sangue das vítimas da doença e, em alguns casos, da omissão das autoridades, da falta de leitos de UTIs, de respiradores e de meios para se chegar aos hospitais mais equipados, seria o suficiente para lavar a praça dos Três Poderes e ainda sobraria sangue para espargir na fuça caprina e insolente dos vigaristas que insistem em subestimar a letalidade do maldito vírus da morte.

Imagino que nenhum prefeito, governador ou o presidente da República serão responsabilizados civil ou criminalmente pela mortandade de homens, mulheres, jovens, crianças e idosos, causadas formalmente pela Covid-19, mas substantivamente, em muitos casos, pela omissão, covardia e crueldade de desalmados gestores públicos.

É possível que na órbita material ninguém seja punido, exceto alguns malandros por roubalheira na aquisição de equipamentos para combate a pandemia do coronavírus. Já no plano espiritual a história pode e deve ser bem diferente. Muitos nem devem passar pelo purgatório, vão direto para o inferno, porque são essencialmente servos do capiroto.

No momento mais dramático e angustiante da vida nacional, em que o coronavírus avança célere pelos quatro cantos do País, choca saber que saber que as barreiras de defesa da população estão fragilizadas. O Ministério da Saúde está acéfalo, sem comando e sem um titular para coordenar as ações de enfrentamento dessa terrível doença que avassala o País e segue matando indiscriminadamente.

Alheio a essa triste realidade, o presidente Jair Bolsonaro mal conclui uma confusão para iniciar outra e assim manter o País a beira do abismo da ruptura institucional. Não bastasse a insegurança sanitária, precisamos nos precaver contra o coronavírus e contra as doideiras de Bolsonaro. O fio de esperança que nos resta reside na ação firme de prefeitos e de governadores. Nesse momento de agrura social, avalio que seria prudente que Bolsonaro celebrasse com ele mesmo um acordo de armistício. Menos bravata, menos ameaça as instituições e mais cuidado com a saúde da população. Um bom começo seria nomear um titular para o MS e outra medida interessante seria conceder a si mesmo e a seus filhos um período de quarentena. Fica a dica.

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Edmar Roberto Prandini | Sexta-Feira, 29 de Maio de 2020, 17h23
    0
    0

    Afinal, depois de escrever tanto, o que você propôs? Nada! Se você não tem nenhuma proposta, nem boas nem ruins, não se oponha a quem as tem. Quer conhecer minhas sugestões? As publiquei no Linkedin, abertas, para todos conhecerem. Todas factíveis. Apesar de que quem nunca fez coisa alguma achar que são mirabolantes. Leia-as: https://bit.ly/36OC8aD

  • GILMAR DE PAULA | Sexta-Feira, 29 de Maio de 2020, 16h45
    0
    0

    A conta da desgraça toda deve ser encaminhada para o chinês comedor de morcego pagar.

  • Zvilmar | Sexta-Feira, 29 de Maio de 2020, 12h02
    0
    0

    Uai...nao entendi...ha poucos dias o Edesio detonava o Fabio de Tangara por impor medidas rigidas contra o Covid...to sem entender.

Luta pra isentar parte dos aposentados

eduardo botelho 400 curtinha   Primeiro-secretário da Assembleia, Eduardo Botelho (foto) disse que foi criada espécie de força-tarefa dos deputados para fechar um acordo com o governo, de modo a ajudar aposentados e pensionistas e portadores de doenças raras para isenção do pagamento da alíquota da...

Investimentos em segurança pública

alexandre bustamante 400   Alexandre Bustamante (foto), secretário estadual de Segurança Pública, é enfático ao afirmar que o Estado tem investido em equipamentos e infraestrutura para combater a criminalidade. Segundo ele, a maior prova disso são os projetos que integram o programa MT Mais. Ao todo, devem...

Folha antecipada em Várzea Grande

kalil baracat 400 curtinha   Com o privilégio de ter assumido a prefeitura em janeiro com superávit de R$ 74 milhões da antecessora Lucimar Campos, o prefeito várzea-grandense Kalil Baracat (foto) quitou a folha de fevereiro na última quinta (25), três dias antes da virada do mês. São cerca de...

Grupo de risco em casa até 31 de maio

Em novo decreto, dentro das medidas emergenciais e temporárias de prevenção ao Covid-19, o prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro determinou que servidores municipais que integram o chamado grupo de risco não devem trabalhar presencialmente nas secretarias e/ou órgãos da administração. São considerados desse grupo servidores acima de 60 anos, imunodeprimidos e/ou portadores de doenças crônicas e servidoras grávidas e...

Beco do Candeeiro só abrirá em abril

Carlina 400   A secretária municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Carlina Jacob (foto), em visita ao Grupo Rdnews, revelou que a revitalização do Beco do  Candeeiro, que foi concluída em janeiro, será entregue à população em abril, nas comemorações dos 302 anos de...

Águas, expansão e investimentos

william figueiredo 400 aguas cuiaba curtinha   O diretor-geral da Águas Cuiabá, executivo William Figuereido (foto), disse, em visita à sede do Rdnews, quando aproveitou para conceder entrevista à tv web Rdtv, que a concessionária já distribui água para toda Cuiabá e que, em quase quatro anos...