Edésio Adorno

Silvio Fávero e um dilema: fundo partidário ou Bolsonaro?

Por 15/11/2019, 00h:00 - Atualizado: 14/11/2019, 21h:31

Dayanne Dallicani

Colunista Ed�sio Adorno

Um jogo de carta marcada e um discurso esfarrapado para tentar justificar a trapaça. Será que os deputados Nelson Barbudo e Silvio Fávero vão conseguir engrupir a direita e os eleitores do presidente Jair Bolsonaro com lorotas? O discurso de que não precisa sair do PSL para apoiar o capitão é papo furado, conversa para boi dormir. Se todos que foram eleitos na garupa do capitão, pensar assim, o projeto de criação do partido Aliança pelo Brasil morre no nascedouro.

Pinço da entrevista que Fávero concedeu, quinta (14) ao repórter Paulo Coelho, do Hiper Notícias, os elementos fundantes desse artigo. Questionado se estaria disposto a migrar para o futuro partido do presidente Bolsonaro, o deputado respondeu: “vamos sentar e conversar primeiro. Baseado nisso, independentemente de estar no PSL ou não, nós seguiremos apoiando o Bolsonaro”.

Fávero tem uma explicação para manter a aliança com o cacique do PSL, deputado Luciano Bivar: “o compromisso firmado com os atuais filiados ao PSL, que seriam uns 150 pré-candidatos a prefeitos e a vereadores no pleito de 2020. Esse pessoal acreditou no PSL”, afirmou o deputado.

A quem Fávero pensa que engana com essa narrativa sem pé e sem cabeça? Acho que nem ele próprio acredita nessa besteira. Quem se filiou ao PSL, de olho nos pleitos de 2020 e 2022, o fez atraído pela mística de Jair Bolsonaro. “Não sou PSL e não serei Aliança pelo Brasil, sou soldado do capitão”, essa frase que circula nas redes sociais basta para desconstruir a pueril argumentação de Fávero.

Se Bolsonaro vai para o Aliança pelo Brasil é com ele que seus soldados seguirão. E você, Fávero?

Edésio Adorno

Incoerente e contraditório, Fávero faz jus ao epiteto de político flex, tamanha sua flexibilidade ideológica. “Não é preciso estar no partido do presidente para dizer que sou contra ou a favor. De repente, a gente pode pegar um DEM ou MDB”. Pode mesmo, deputado? Por que não fez essa afirmação durante a campana eleitoral? Ah, eu sei. Era preciso se fazer passar como sendo de direita para engalfinhar os votos do bolsonarismo.

O detalhe que o deputado Silvio Fávero não sabe é que a direita, a esquerda, a imprensa, os filósofos de grupos de Whatsapp e até os atletas de biriba sabem que ele e Barbudo celebraram um pacto, uma aliança providencial. Ou seria previdente? O combinado é simples: Nelson Barbudo vai para o Aliança pelo Brasil e se mantém próximo do presidente Jair Bolsonaro; Fávero fica no PSL e assume a gestão da grana do fundo partidário – algo em torno de R$ 1,2 mi anual. Pelo avençado, seu chefe de gabinete, Carlos Daltro, herda o PSL de Cuiabá.

Fávero, por ser Fávero, se comporta como Fávero e acredita que seus dotes de ilusionista de tolo são o suficientes para hipnotizar o bolsonarismo e seduzir a direita que repudia os métodos e práticas da velha política. Ele disse essa baboseira: “estou carregando o partido nas costas. Toda reunião que é feita aqui, o dinheiro sai do meu bolso”.

Será mesmo? O ato de filiação ao PSL, realizado em 17 de agosto, em um hotel de Cuiabá, custou R$ 75 mil. O diretório nacional do partido repassou a grana direto para a conta bancária de um empresário, que até o mês de maio, fazia parte da assessoria parlamentar de Fávero.

A direita autêntica, verde amarela, que defende uma escala de valores éticos, morais, filosóficos e teológicos; que acredita na supremacia da família tradicional, da pátria e de Deus; que acredita no liberalismo econômico, intelectual e cultural; que enxerga na iniciativa privada a realização da liberdade individual e coletiva, essa direita segue fiel e marcha com o capitão Jair Bolsonaro.

É possível que o presidente Bolsonaro tenha aliados de ocasião e eventuais apoio de outros partidos políticos. Os bolsonaristas, no entanto, jamais farão como o apostolo Pedro, que seguiu a Jesus de longe e acabou por traí-lo antes que o galo cantasse três vezes. Se Bolsonaro vai para o Aliança pelo Brasil é com ele que seus soldados seguirão. E você, Fávero?

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira. E-mail: edesioadorno@gmail.com​

Postar um novo comentário

Contrato para tocar eventos do TCE

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Guilherme Maluf, fechou um contrato anual com a Infortouch Agência e Comunicação, Eventos e Produtos Alimentícios, aproveitando ata de registro de preços  do Tribunal de Justiça de MT, com adesão-carona num processo de 2019. A empresa vai faturar R$ 376,9 mil para atender demandas do TCE em toda logística de eventos, envolvendo as etapas de planejamento,...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.