Eduardo Mahon

E daí?

Por 09/05/2020, 00h:03 - Atualizado: 08/05/2020, 20h:19

Dayanne Dallicani

Colunista Eduardo Mahon

O impacto do coronavírus na Itália chocou o mundo. Os brasileiros quiseram entender. Surgiram os achismos epidemiológicos: 1) a população é mais longeva; 2) as cidades têm maior densidade demográfica; 3) o turismo é intenso. Foram 30 mil mortes. Os teóricos das redes sociais acreditaram que jamais teríamos um número parecido. Negacionistas de todas as seitas apostaram em 6.000 mortes no Brasil. Passaremos de 10 mil até sábado. Por quê? Temos um clima quente, temos a cloroquina, temos um grande território, somos mais jovens...

Fico me perguntando quando o país vai se solidarizar de verdade. Com 20 mil mortos? Com 30 mil? Com 50 mil? Na verdade, tudo isso faz com que o óbvio se imponha. A solidariedade brasileira sempre foi um mito. Um mito essa boa vontade, um mito esse calor humano, um mito esse acolhimento brasileiro. Nunca foi verdade. O brasileiro não se preocupa com iniciativas solidárias. Nem os ricos se somam, nem a classe média. Aliás, os brasileiros não gostam de programas de solidariedade. Atacam-nos incessantemente, seja no governo, seja na iniciativa privada.

Muito ao contrário do que se imagina, o “homem cordial”, descrito por Sérgio Buarque de Hollanda, não se tratava do brasileiro solidário, de um tipo amoroso. Não é nada disso. O que “Raízes do Brasil” traz é um estudo do brasileiro que decide pelo fígado, que se deixa levar pelas emoções e não pela razão. Essa forma de existir nunca foi sinônimo de solidariedade. Ser emotivo não é ser solidário. Aliás, ser emotivo em geral conduz à agressividade.

A falta de empatia de uma significativa parcela da sociedade brasileira já se refletia na misoginia, na homofobia, no bullying, no racismo, enfim, já temos recordes internacionais de agressividade. Nunca lamentamos o ônibus lotado, a falta de saneamento básico, o nível das escolas públicas. O pobre nunca teve voz e quem tem jamais quis se colocar no lugar da pobreza para criar alternativas de combate à desigualdade. Esse nunca foi um “assunto agradável”.

A atual barbarização com o qual se trata as mortes por coronavírus é mais uma amostra dessa truculência histórica

Eduardo Mahon

A atual barbarização com o qual se trata as mortes por coronavírus é mais uma amostra dessa truculência histórica. Nunca fomos ensinados a pensar no outro. Costumamos naturalizar a miséria humana. E quem denuncia? Este será atacado. É muito provável que desqualifiquem esse artigo porque “sou rico”. Então, não posso falar. É o problema do “local de fala” às avessas. Ninguém pode pedir solidariedade que não seja o próprio miserável. Ocorre que o miserável não tem esse espaço.

Continuamos ouvindo muitas vozes perguntando “e daí?”. As pessoas morrem. Sempre morreram. Continuarão morrendo. O desprezo pela morte por coronavírus é o mesmo que havia contra moradores de rua, os dependentes químicos, a prostituição infantil, a violência doméstica. Quantos morrem de dengue? De cólera? De tifo? De sarampo? Se não formos nós, o que isso importa? Não é problema nosso. É assunto para o governo, pensamos assim.

Somos profundamente egoístas. Curiosamente não vamos melhorar. Ao contrário. Tudo indica que a truculência se normalizará na opinião pública. Se há alguns anos surgiu o orgulho pela própria ignorância, há hoje orgulho de exibir o desprezo e a brutalidade. Estamos doentes. A falta de empatia vai se agravar rapidamente e criar tipos psicopatas. Milhares de pessoas vão cuspir na cara do outro e dizer: foda-se. E daí?

Eduardo Mahon é advogado, escritor e escreve exclusivamente neste espaço todo sábado. E-mail: edu.mahon@terra.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (5)

  • Paulo Bomfim | Sábado, 09 de Maio de 2020, 19h04
    3
    1

    Para a perfeição absoluta faltou a observação de que as chamadas elites brasileiras é escravocrata. Jamais aceita a igualdade social.

  • Covid no Biroliro | Sábado, 09 de Maio de 2020, 18h59
    3
    0

    Transmitiu um pensamento que deveria ser óbvio para todos. Apenas isso e nada mais. Mas como estamos vivendo tempos de estupidez, muitos tacham essa ideia de comunista.

  • Moreira | Sábado, 09 de Maio de 2020, 15h12
    3
    8

    Só um animal pra escrever umas besteiras dessas, baseadas em recortes de jornais tendenciosos. Cale-se, Eduardo Sabão.

  • Domingos Tabajara | Sábado, 09 de Maio de 2020, 05h51
    4
    2

    Mandou bem Mahon, abs.

  • FRANK SABIÁ | Sábado, 09 de Maio de 2020, 00h43
    4
    2

    Que Texto, meus Amigos ! Tinha que ser um Imortal pra Escrever isso. Também penso assim, mas como o Texto diz, nem todos podem se expressar em certos espaços. Me Representou

Salgadinhos sim; caminhão pipa, não

humberto bolinha 400 curtinha   Em Guiratinga, o prefeito Humberto Domingos, o Bolinha (foto), resolveu homologar na última segunda, 1º de junho, processo licitatório para contratar uma empresa com vistas a fornecer salgadinhos nas 11 secretarias municipais. Vão ser gastos com salgados R$ 21,7 mil. No mesmo dia, Bolinha...

Nepotismo e demissão na gestão Pátio

leandro junqueira 400   Acuado pela notificação recomendatória do Ministério Público Estadual, o prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio, não teve outra saída senão exonerar a servidora Renata Castilho Moreno do cargo comissionado de gerente do Departamento de Engenharia e...

Candidatíssima à vereadora em Cuiabá

gisele almeida 400 curtinha   A apresentadora de TV, Gisele Almeida (foto), vai mesmo encarar o teste das urnas como candidata à vereadora em Cuiabá. Irmã do ex-vereador, ex-deputado e hoje conselheiro afastado do TCE, Sérgio Ricardo, ela não perde tempo nas articulações. Recentemente, recebeu no...

Quebra-cabeça para definir a chapa

eduardo botelho 400 curtinha   Eduardo Botelho (foto) está postergando ao máximo a definição dos nomes de sua chapa ao comando da Mesa Diretora. A eleição já acontece no dia 10, na próxima semana. Como 12 dos 24 deputados brigam por espaço, o presidente da Assembleia sabe que, ao final,...

Secretário terá de explicar contrato

alex vieira 400 curtinha   O secretário de Educação de Cuiabá, Alex Vieira (foto), tem dois dias para apresentar defesa ao TCE sobre uma representação da empresa F. M Paragas, propriedade de Fernando Marcelo, que apontou supostas irregularidades na contratação, por dispensa de...

Presidente da OAB e péssimo exemplo

leonardo campos 400 curtinha   Continua repercutindo muito mal, inclusive em âmbito nacional, o escândalo em que se envolveu Leonardo Campos, o Léo Capataz (foto), que acabou se afastando da presidência da OAB-MT. Deu um péssimo exemplo à sociedade. Ele foi parar na Delegacia, na semana passada, sob...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.