Eduardo Mahon

PUTA

Por 18/04/2020, 10h:05 - Atualizado: 18/04/2020, 10h:10

Dayanne Dallicani

Colunista Eduardo Mahon

 

Não sou de reclamar, mas tem dias que fico de saco cheio, sabe? Uma noite dessas, eu estava na Farme de Amoedo, tentando um programa e passou um cara numa Mercedes novinha, abaixou o vidro com insulfilme e gritou – puta! Chato isso. Deve ser veado. Só pode! O que fiz pra provocar o sujeito? Nem me ofendeu, claro. Eu já estou acostumada: puta velha, putaça, putérrima, tanto faz.

Qual o problema? Puta até recolhe imposto, se aposenta, tudo o que uma dona de casa, por exemplo, não faz

O que me incomodou foi o tom. O tom é que faz toda a diferença. Dizer “puta” assim, de qualquer jeito, é o que a gente mais diz, né? Puta merda, puta que pariu, puta crise, puta calor, puta jogo, enfim, no geral “puta” é positivo hoje em dia. Puta ressalta, sublinha, engrandece. Puta dramatiza, em resumo. Daí que tenho orgulho de fazer a vida há cinquenta anos. É isso mesmo, cinquenta anos de putaria. Qual o problema? Puta até recolhe imposto, se aposenta, tudo o que uma dona de casa, por exemplo, não faz.

Tem sindicato, tem associação, tem até grife exclusiva. A profissão evoluiu muito. Aqui na bolsa, eu carrego um spray de pimenta, um consolo, documentos pessoais e uma máquina de cartão de crédito. Quando comecei, nunca imaginava que chegaria nesse ponto. Agora tudo é no cartão. Mais fácil, muito mais. Boquete? 50,00 no cartão. Passo tão rápido que o cliente nem vê. Papai e mamãe? 150,00. Com beijo, são 200,00.

Digita a senha, autoriza e pronto: pimba! Antes que você me pergunte, não faço anal. Não faço, nem com black, nem com ouro, nem mesmo com cartão platinum! Fico puta quando insistem. Mas homem sempre quer, né? Quase nada mudou. Antigamente, no entanto, o pessoal era mais elegante. Aqueles homens de terno branco de linho-120, sapato de cromo alemão, chapéu panamá na cabeça, me xingavam com classe: rameira!, meretriz!, rapariga!, era quase um elogio.

A primeira vez que escutei “concubina” fui até procurar no dicionário. Na década de 80, o nível começou a cair. Os caras passaram a me chamar de piranha. Piranha, vejam só! Eu que nunca mordi ninguém. Tomo o maior cuidado. Até hoje não vejo razão pra me comparar com uma espécie de peixe lá da puta que pariu. Bem, deve ser isso. Em todo o caso, o que dizem agora é puta mesmo. Como se puta fosse menos importante. Não é! Temos a profissão mais antiga de todas. Mais antiga que muito advogado filho da puta por aí.

A primeira vez que escutei “concubina” fui até procurar no dicionário. Na década de 80, o nível começou a cair

Pudera. Desde que o mundo é mundo, o homem vive sozinho, né? Puta não serve só pra trepar, pode tirar o cavalo da chuva. Quem pensa assim, está redondamente enganado. A profissional, a verdadeira profissional, é um bote salva-vidas, uma válvula de escape, uma rota de fuga. Se eu tô falando sério? No duro! Sem querer me gabar, acho mesmo que a puta é a única poesia que ainda sobrevive nessa cidade vazia em que a gente vive.

Puta é coisa que não sai de moda, somos extremamente modernas. Amor de consumo, amor instantâneo, amor como moeda, né não? Eu comecei a pensar nisso depois que fiz o curso de sociologia. Não acredita? Mas fiz. Na Uerj, por que o espanto? Fico emputecida com preconceito! Até passei num concurso para perita forense. Mas não deu pra assumir. Faça as contas: 2.800,00 para trabalhar de sol a sol, oito horas por dia, aguentando mau-humor e cantada de juiz babão. Eu aqui, na Farme de Amoedo, tiro uns 250,00 por noite, em média. Isso porque tô velha, meu bem. Se eu fosse novinha, ia pra 600,00 a 1.000,00. Numa noite, tá bem?!

O meu lance agora é aposentadoria. Dou entrada no INSS e vou pro sindicato. Quero representar a classe. Cinquenta anos de praia não é mole. Quem sabe, depois, eu entre pra política?! Por que não? Eu daria uma puta vereadora. Quem sabe, até deputada. Deputadíssima! Tá olhando o que? Conheço o meio, já atendi muito! Lá, pelo menos, vão me pedir desculpas se me chamarem do que eu sempre fui: puta. Deve ser por causa do tal decoro que nunca soube direito o que é.

Eduardo Mahon é advogado, escritor e escreve exclusivamente neste espaço todo sábado. E-mail: edu.mahon@terra.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Covid no Biroliro | Sábado, 18 de Abril de 2020, 18h54
    2
    0

    Legal!!! Mas o texto é do Eduardo Mahon mesmo? Se for não parece óbvio. Mas gostei.

Breunig destaca aprovação de contas

adriano breunig curtinha 400   O professor Adriano Breunig (foto), ex-adjunto e ex-secretário de Estado de Ciência e Tecnologia no Governo Silval e hoje diretor de Políticas de Desenvolvimento Institucional do IFMT, contesta o registro em Curtinha, apontando-o como candidato reserva e "vulnerável" à...

Borgato não sairá mais de secretaria

nilton borgato 400 curtinha   Nilton Borgato (foto), ex-prefeito de Glória D'Oeste e filiado ao PSD, não sairá mais do comando da secretaria estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação. Dias atrás, ele chegou a ser avisado pelo governador que seria substituído e que iria para o Escritório...

Dorner vai tentar prefeitura de novo

roberto dorner 400 curtinha   Em Sinop, o empresário e ex-deputado federal por alguns meses Roberto Dorner (foto), que deixou o PSD e aderiu ao Republicanos, está disposto a encarar de novo a disputa a prefeito. Em 2016, ele perdeu para Rosana Martinelli (PR) por uma diferença de 3.388 votos. É possível que ambos...

Um líder sob insatisfação dos colegas

dilmar dal bosco curtinha 400   O líder do governo na Assembleia, Dilmar Dal Bosco (foto), tem enfrentado crítica velada e insatisfação dos colegas, principalmente dos deputados da base. Reclamam que o interlocutor do governador Mauro não move uma palha em defesa da liberação das emendas e, nas...

Jogada do prefeito Francis em Cáceres

paulo donizete 400 curtinha caceres   A sete meses de concluir o mandato, o prefeito cacerense Francis Maris (PSDB) lançou uma jogada estratégica para ver se "cola". Apoia publicamente para prefeito o seu diretor da autarquia Águas do Pantanal, Paulo Donizete (foto), do mesmo partido, inclusive participou da reunião...

Luta por mais leitos de UTI em Sinop

rosana martinelli 400 curtinha   A prefeita de Sinop, cidade pólo do Nortão, Rosana Martinelli (PR), demonstra preocupação com os poucos leitos de UTI do Hospital Regional no município. A unidade atende moradores de mais de 30 municípios da região e só dispõe de 10. Rosana diz esperar...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.