Eduardo Mahon

Quem não gosta de samba?

Por 14/03/2020, 10h:04 - Atualizado: 14/03/2020, 10h:17

Dayanne Dallicani

Colunista Eduardo Mahon

Carnaval é substantivo, mas no Brasil também é verbo e advérbio. Carnavalizamos a nossa vida e achamos muito natural. Essa euforia, essa graça, esse displicente estado de espírito governa o nosso modo de ser. Isso não é mau. É apenas diferente. Alguns povos – sobretudo os europeus, nos invejam. Como são felizes! – espantam-se com a difícil conjunção entre pobreza e alegria. Tudo está liberado, tudo é permitido: “não existe pecado do lado debaixo do Equador”. Se não temos churrasqueira, usamos tijolos; se não temos antenas, usamos palha de aço na televisão; se não temos shampoo, lavamo-nos com sabão de coco. E está tudo certo. Aliás, somos acostumados a, quando perguntados – como vai você? – respondermos automaticamente – tudo ótimo! Portanto, quem não nos conhece direito, acha que o brasileiro vive imerso em felicidade, inclusive o gari carioca que varre sambando a pista imunda do Sambódromo. Sérgio Buarque de Holanda chamava essa característica de “cordialidade” e foi, por anos, mal interpretado. Dizia-se que o brasileiro era afável, pacífico, flexível. Nada disso. O estudioso referia-se ao coração como centro da existência brasileira: agimos por impulso e não por reflexão. Somos um povo cordial, apaixonado, carnavalesco.

Somos roubados diariamente, mas incapazes de vaiar o ladrão no restaurante. Isso vai contra a etiqueta da alegria: o importante é ser feliz, cada um na sua, ninguém incomodando ninguém e todo mundo se salvando como pode.

Eduardo Mahon

O problema de carnavalizar a vida é vestir uma fantasia e não saber discernir a realidade em que nos encontramos. Se o trabalho desagrada, há o chope de sexta-feira; se a escola não ajuda, há a semana do saco cheio; se o hospital não funciona, há sempre quem venda remédio sem receita. O importante é ser feliz – repetimos como um mantra. E somos felizes, a despeito de tudo: de um dos piores sistemas educacionais do mundo, de índices inaceitáveis de mortalidade infantil, de violência urbana e no campo. Essa nossa cordialidade torna “chato” todos os assuntos que são essenciais: o gravíssimo preconceito racial e sexista que está instalado como uma bactéria resistente, a desigualdade obscena de renda, as mamatas de uma casta que se formou no serviço público, enfim, um conjunto de temas que não combinam com a nossa fantasia. Evitamos assuntos difíceis: “se eu for pensar muito na vida, morro cedo, amor”. Discutir os nossos próprios problemas é a quarta-feira de cinzas do brasileiro, uma ressaca, uma má disposição. Enquanto não há transporte público decente, as ruas estão lotadas de cordões de animados foliões; enquanto o paciente agoniza na maca, tudo pode esperar o carnaval passar. Temos uma maquete para a realidade: para o patrimônio histórico que despenca na rua, para os museus que ardem no fogo, para o hospital que tem os corredores lotados, para as escolas de lata que assam as crianças, para as estradas sem asfalto que nos matam em acidentes. São os nossos adereços. Sem eles, não é Brasil. Na fantasia permanente do estado de carnavalização brasileira, a política é tratada com humor. Era de se esperar. Somos roubados diariamente, mas incapazes de vaiar o ladrão no restaurante. Isso vai contra a etiqueta da alegria: o importante é ser feliz, cada um na sua, ninguém incomodando ninguém e todo mundo se salvando como pode. Afinal de contas, o sacrifício compensa: uma vida miserável no barracão é redimida por quatro dias gloriosos de carnaval. É tudo de graça: a festa, a rua, lantejoula e serpentina, só não pula quem não quer, só não entra no cordão quem é chato. Aí está a cordialidade nacional: “quem não gosta de samba, bom sujeito não é, é ruim da cabeça ou doente do pé”. E dá-lhe fantasia, dá-lhe adereço, dá-lhe maquiagem: quanto mais pobre na vida, mais rica é a fantasia. O favelado deve usar cetim e tafetá, muitas penas de pavão e sorrir. Precisamos sorrir. É obrigatório sorrir: “finjo-me alegre pro meu pranto ninguém ver, feliz aquele que sabe sofrer”. A nossa escola de samba pode ser punida se todos nós não cantarmos juntos o mesmo samba-enredo e mostrarmos animação na passarela. O nosso choro, reparem bem no close das câmeras, é sempre um choro de felicidade.

Eduardo Mahon é advogado, escritor e escreve exclusivamente neste espaço todo sábado. E-mail: edu.mahon@terra.com.br

Postar um novo comentário

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

PL quer suspender dívidas das cidades

max russi curtinha 400   Ex-prefeito de Jaciara, o deputado Max Russi (PSB) apresentou projeto que visa suspender os pagamentos das dívidas dos municípios com o Estado, durante o período de calamidade pública que foi decretado pelo governo por causa da pandemia do coronavírus. Max ressalta que MT não deve...

Articulação pra tentar voltar ao Procon

gisela simona 400 curtinha   Com adiamento e ainda sem nova data para a eleição suplementar ao Senado, Gisela Simona (Pros), que se afastou do Executivo para concorrer ao pleito, quer retornar ao cargo de secretária-adjunta de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon), vinculado à secretaria...

Senadora, ataques e defesa de Galvan

selma arruda 400 curtinha   Selma Arruda, senadora cassada por crimes eleitorais, um deles caixa 2, escreveu artigo entitulado "MP x Aprosoja. Afinal, quem tem razão", especialmente para defender o aliado político Antonio Galvan, presidente da Aprosoja. Ao concordar com plantio de soja dentro de período proibido pela...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.