A insegurança pública

Elga_artigo_sexta

Elga Figueiredo

No último domingo fui almoçar na nossa cidade vizinha Várzea Grande e, no retorno a Cuiabá, dentre os vários desvios, observei uma placa de sinalização que informava um caminho bem diferente do correto para retorno a nossa capital. No meu caso (cuiabana de chapa e cruz), conheço bem o caminho, mas pensei nos vários cidadãos cuiabanos e pessoas de fora que ignoram o caminho e que, com facilidade, se perdem nesses desvios de ruas sem iluminação e sinalização. Isso me fez lembrar o “viral” que alertava sobre a onda de assaltos e estupros nos desvios na volta do Aeroporto Marechal Rondon. 

 

A nossa capital já figura há vários anos entre as mais violentas do mundo, e vem ganhando posições a cada ano. Isso é lamentável! Dessa forma achei pertinente advertir o cidadão do dever de segurança do Estado, no sentido de criar uma força comum e, assim, contribuirmos para mudança dessa realidade. A insegurança pública na nossa cidade é noticiada diariamente na mídia, sendo a ausência do poder público um dos fatores que mais contribuem para esse contexto. Contudo, é de bom alvitre pontuar que havendo deficiência (omissão) na prestação do serviço de segurança pública, haverá a responsabilização do Estado pelos danos causados aos particulares.

Denota-se, portanto, que se o cidadão for vítima de assalto, por exemplo, numa rua sem iluminação pública, sem policiamento, tem todo o direito de acionar o Estado. Lembrando que este ainda será obrigado a reparar danos pessoais, como lesões temporárias ou permanentes acarretadas por um tiro, em caso de assalto à mão armada, e até a perda da vida.

O poder público tem o dever de garantir a segurança da população. A segurança pública é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, sendo essencial para o desenvolvimento da sociedade, conforme artigo 144, caput, da Constituição Federal. Em consonância com o artigo 5º do mesmo diploma constitucional, a segurança pública é considerada como direito fundamental assegurada aos brasileiros (natos ou naturalizados) e estrangeiros residentes do país.

Pontua-se que não é o caso de se exigir do Estado que para segurança da população haja um policial cuidando de cada cidadão, a exemplo do comentário de um leitor deixado no artigo em que enfatizei a questão da “cobrança da CIP”, que para cobrar a CIP não precisa que cada cidadão tenha um poste na frente de casa. Mas é dever do Estado prover a segurança de forma adequada e eficaz, agindo mais preventivamente, do que repressivamente, na medida em que se sabe que os investimentos em prevenção são muito mais eficazes e permitem resultados mais sólidos do que os da repressão.

Por fim, a elaboração de planos voltados para a implementação de ações de prevenção à violência e criminalidade, como o aumento de fatores de proteção, exemplo a iluminação pública, posto que embora sejam praticados crimes em plena luz do dia, os crimes de natureza violenta ocorrem mais à noite, bem como manter o efetivo policial razoável e proporcional à extensão territorial do município; à população nele encontrada, e na periculosidade da região, podem nos trazer a esperança de que dias melhores virão.

 

Elga Figueiredo é empresária e advogada, especialista em direito do consumidor e escreve exclusivamente neste Blog toda sexta-feira - e-mail: elgafigueiredo@hotmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Renner | Segunda-Feira, 15 de Setembro de 2014, 20h08
    2
    2

    Agora aconteceu um assalto debaixo de um poste ! Com luz ! À noite !

  • ednaldo jose pereira | Sexta-Feira, 04 de Abril de 2014, 10h18
    3
    1

    como saber se fui cmpenplado no sorteio de minha casa minha vida de abreu e lima

Uma candidatura jovem na chapa

otaviano pivetta 400 curtinha   Otaviano Pivetta (foto) assegurou neste domingo que não definiu ainda os dois suplentes de sua futura chapa ao Senado. Sobre Sachetti, observou que trata-se de um parceiro e amigo e que está pronto para ajudar no projeto, sem fazer imposição para assumir suplência, assim como o...

Rei da soja incentiva Fávaro ao Senado

erai maggi 400 curtinha   O ex-vice-governador Carlos Fávaro não mantém o silêncio à toa. Embora tenha sido o terceiro mais votado em 2018 - por pouco não fica com a vaga ocupada hoje pelo senador Jayme Campos -, Fávaro está enfrentando uma série de dificuldades para se viabilizar de...

Professor terá desempenho avaliado

marioneide 400 curtinha   Professores da rede pública estadual agora vão passar por avaliação de desempenho tanto para fins de progressão funcional quanto para atender a uma série de novas exigências. A secretária de Educação, professora Marioneide Kliemaschewsk (foto), já...

O pinóquio de antes, o aliado de hoje

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), hoje deputado pelo quarto mandato, está levando porrete de todo lado pela decisão de entrar na base do Governo Mauro Mendes, seu então adversário político dos últimos 15 anos. Ambos, que se enfrentaram nas urnas duas vezes, uma a prefeito e outra para...

França, convite do Pode e suspense

roberto franca 400 curtinha   Roberto França (foto), que exerceu vários mandatos eletivos, entre eles de vereador e de prefeito de Cuiabá, ficou empolgado com o convite para se filiar ao Podemos, inclusive com abertura para concorrer novamente ao Palácio Alencastro. Para evitar conflitos, antes de fazê-lo, o...

Neurilan critica Pivetta e faz campanha

otaviano pivetta 400 curtinha   Em discurso em Tangará da Serra, num evento promovido pela AMM que serviu de palanque eleitoral, Neurilan Fraga disparou críticas ao vice-governador Pivetta (foto), que também pretende concorrer ao Senado. Disse que Pivetta não aceita nem discutir o valor repassado hoje aos...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Sobre a senadora Selma Arruda, que teve mandato cassado por caixa 2 e abuso de poder econômico, você acha que ela foi...

ingênua

corrupta

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.