Da obrigação pessoal das tarifas de energia

Elga_artigo_sexta

Elga Figueiredo

É comum a concessionária de energia elétrica do Estado se negar a fazer a alteração da titularidade da unidade consumidora, e consequente ligação da energia elétrica no imóvel, em razão da existência de débitos pendentes. Tal conduta é ilegal! A relação contratual é entre a concessionária e o consumidor e não com o imóvel. Portanto, se o consumidor comprovar que a data de entrada no imóvel é posterior às faturas pendentes, a concessionária deve realizar a alteração e fornecer o serviço de energia elétrica ao usuário.

Conforme acima destacado, os débitos pretéritos pendentes nas unidades consumidoras são imputáveis a quem os consumiu, qual seja, ao proprietário, locatário, ou, até mesmo o antigo titular da unidade consumidora (obrigação pessoal), e não ao atual proprietário ou locatário do imóvel (obrigação de caráter real).

Tratando-se de tarifa devida de período pretérito, não pode o atual proprietário do imóvel ou locatário arcar com despesas a que não deu causa. O fornecimento de energia elétrica não tem relação direta com o bem, mas com o usuário. Partindo-se dessa premissa, passa-se a demonstrar que os débitos de energia elétrica tem caráter pessoal e não real (nesse último caso acompanharia o bem).

As empresas que exploram serviço público costumam impor obrigação de pagamento das tarifas pretéritas ao novo usuário do imóvel, sob alegação de que ainda que essa seja a regra geral nesse tema, existem obrigações, que apesar de serem de natureza pessoal em sua essência, recebem a denominação de reais em função das necessidades sociais proeminentes, ou seja, para permitir a efetiva cobrança desses débitos do atual proprietário do imóvel (com o objetivo de eliminar a inadimplência desenfreada antes incentivada pelas lacunas normativas). 

Como ocorre com a hipoteca, penhor, anticrese, por exemplo (artigo 1.225, Código Civil). Em tais obrigações, sempre há a presença de um bem que envolve o cumprimento das obrigações atinentes ao negócio jurídico (ou ato jurídico). Tais obrigações (atípicas) recebem as denominações de “ônus reais”, “obrigações propter rem” e “obrigações reais”.

Contudo, ao contrário da prática utilizada pelas concessionárias, as tarifas de energia elétrica possuem caráter pessoal, de modo que o fornecimento de energia elétrica resulta de contrato de adesão, cuja obrigação é de natureza pessoal, o que não constitui ônus real que deva necessariamente acompanhar o imóvel (obrigação propter rem).

A jurisprudência atual e prevalecente se inclina no sentido de considerar a tarifa de fornecimento de energia elétrica como direito pessoal. Desse modo tratando-se de tarifa devida de período pretérito, é ilegal impor ao atual proprietário do imóvel arcar com despesas que não deu causa, bem como negar o fornecimento de energia elétrica ao mesmo. O fornecimento de energia elétrica não tem relação direta com o bem, mas com o usuário. 

Conclui-se, portanto, que a obrigação de pagar fornecimento de energia elétrica deve recair sobre aquele que efetivamente consumiu tal serviço. Todavia, se a empresa continuar se negando a efetivar a troca da titularidade, bem como a fornecer a energia elétrica, forçando o pagamento dos débitos pendentes na unidade, ingresse com ação judicial.

Elga Figueiredo é empresária e advogada, especialista em direito do consumidor e apresenta o quadro Momento do Consumidor na rádio Mega FM em Cuiabá, e escreve exclusivamenteneste Blog toda sexta-feira - e-mail: elgafigueiredo@hotmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Ricardo | Sexta-Feira, 24 de Janeiro de 2014, 07h39
    3
    0

    Belo Artigo Dra. Elga. Gostaria de saber se para as concessionárias de água essa regra se aplica também, parabéns...

PT-Cuiabá sugere disputa ao Senado

bob pt 400 curtinha   Em resolução do diretório de Cuiabá, aprovada nesta quinta após discussões ampliadas, o PT municipal, presidido por Bob Almeida (foto), decidiu recomendar à Executiva Estadual o projeto de candidatura própria ao Senado. O documento dispara críticas tanto ao Governo...

Prefeituras agora pagam 27% de TIP

neurilan fraga 400 curtinha   A reforma tributária do governo estadual, aprovada pelos deputados, incluiu 27% de taxa de iluminação pública. Antes eram isentos. Com a cobrança do tributo, a conta de energia das prefeituras vai às alturas. A fatura de Cuiabá vencida em 28 de dezembro, por exemplo, foi...

Vereadores, Tapurah, reajuste e férias

odair tapurah vereador curtinha 400   Em Tapurah, no Nortão, com menos de 15 mil habitantes, seus nove vereadores iniciam o 2020 com salário reajustado em 4,48%, seguindo a tabela do INPC. Mesmo ainda em férias, eles vão receber já na folha de janeiro R$ 5,8 mil cada. No caso do presidente Odair César Nunes...

Vereador, reunião e apoio a músicos

diego guimaraes curtinha 400   Músicos e representantes da Prefeitura de Cuiabá sentaram à mesa nesta quinta, na Câmara Municipal, para tentar resolver impasse sobre horário de funcionamento e volume do som nos estabelecimentos e também estudar ajustes na lei do Disk-Silêncio. O presidente da...

Antes, durante e depois de Bolsonaro

wilson kero-kero 400 curtinha   O vereador pela Capital, Wilson Kero-Kero (foto), que era do SD e se filiou ao PSL em 2015, muito antes da chegada do hoje presidente Bolsonaro, vai aproveitar a janela de março e pular para o Podemos. Isso não quer dizer que ele deixará de defender o governo do capitão. Assegura que...

Entrevistando uma aliada vitimizada

dito lucas 400 curtinha   Selma Arruda aceitou gravar entrevista para o programa Roda de Conversa, apresentado por Dito Lucas (foto) e que estreia hoje à noite, na TV Gazeta de Cuiabá, desde que fosse em sua casa, em Chapada dos Guimarães. E assim foi feito. A senadora cassada ficou bem à vontade para falar o que quis....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O governador Mauro Mendes acaba de encerrar o 1º dos quatro anos de mandato. Na sua opinião, como está indo a administração?

ótima

boa

regular

ruim

péssima

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.