Negativação e protestos por dívidas

Elga_colunista

Elga Figueiredo

No exercício da minha profissão, me deparo frequentemente com reclamações de consumidores vítimas de inserção do seu nome em órgãos restritivos de crédito por dívidas que nunca tomaram conhecimento. Geralmente, tal dívida só é descoberta na hora de efetuar compra a prazo, ou solicitar empréstimos e financiamentos. Assim, em busca da origem de tal dívida, descobrem que são débitos oriundos de títulos creditícios que, na maioria dos casos, já estão prescritos, e foram objetos de venda a outras empresas que atuam no ramo de compra de tais “títulos podres” como são chamados. 

O que ocorre na realidade, nesses casos, é a chamada venda de dívida ou cessão de crédito, sendo tal atividade legal (prevista em lei). Entrementes, para realização de tal atividade devem ser cumpridas as formalidades legais exigidas em lei, como, contrato específico para a venda da dívida, onde conste quem é o devedor, qual é a dívida, valor, data de vencimento. E ainda, é exigido pela lei que o devedor deve ser notificado da cessão de crédito, e se declarar ciente desta. 

Se o devedor não foi notificado da cessão (venda da dívida) ou mesmo que tenha recebido notificação e não assinou a declaração da ciência da mesma, segundo entendimento de grande parte da Justiça, ela não tem validade contra ele e não pode gerar nenhum efeito, inclusive cadastros de restrição ao crédito, como SPC e SERASA.

No que se refere ao envio do nome do consumidor aos órgãos restritivos e crédito, há que ressaltar que a venda ou cessão da dívida para outra empresa não renova o prazo de 5 anos que só conta uma vez da data em que a dívida venceu. O contrário, a negativação do nome do consumidor é ilegal, já que é oriunda de dívida prescrita. 

Outra prática muito utilizada por empresas de cobrança (principalmente fundos de investimentos) consiste na compra de títulos prescritos, em grande maioria “cheques” por valores baixíssimos, e transformam tais títulos já prescritos em “letra de câmbio”, protestando o título por falta de pagamento. O que é totalmente arbitrário e ilegal. 

De regra, empresas que se utilizam de tais práticas são empresas fantasmas, de difícil localização, inviabilizando qualquer tentativa de ressarcimento pelo ilícito. Nessa senda, cabe alertar o consumidor quanto à solidariedade dos órgãos restritivos de crédito SPC/SERASA, bem como dos cartórios, na medida em que o Superior Tribunal de Justiça firmou o entendimento da responsabilidade solidária entre os bancos de dados de proteção ao crédito e fornecedor (fonte da informação) por registros ilícitos. 

O SPC/SERASA presta um serviço ao seu associado, mas atua também diante daquele cujo nome é registrado em seus arquivos, portanto, deve zelar pela veracidade do que anota; se não o faz, corre risco inerente à sua atividade e, em caso de erro, deve indenizar o dano que decorre dessa falha. Do mesmo modo os cartórios, pelas irregularidades nas lavraturas dos protestos, como: vício formaldo título, falta de assinatura do devedor, dados incorretos do devedor e da praça de pagamento, entre outros. 

Portanto, no caso de ter o nome negativado por dívidas vendidas para outra empresa ou fundo de investimento, ou por protestos indevidos, não efetuem o pagamento. Muitos consumidores decidem pagar para ter seu nome revitalizado com rapidez, contudo, é por este motivo que tais empresas continuam com esta prática. O negócio é lucrativo! Procure a Justiça para contestar a restrição bem como para exigir indenização por danos morais.

Elga Figueiredo é empresária e advogada, especialista em direito do consumidor e escreve exclusivamente neste Blog toda sexta-feira - e-mail: elgafigueiredo@hotmail.com

Postar um novo comentário

Fazendo politicagem sobre Covid-19

rubia fernanda 400 curtinha   A tenente-coronel Rúbia Fernanda, pré-candidata ao Senado pelo Patriota, não só ignora medidas protetivas em relação à Covid-19, como isolamento social, mantendo agenda de visitas e reuniões, como passou a fazer politicagem com coisa séria. Numa...

Punição a 2 ex-presidentes da Câmara

haroldo curtinha 400   Apesar de ter julgado regulares as contas de gestão de 2016 da Câmara de Cuiabá, ano em que teve dois presidentes, o já falecido Júlio Pinheiro, entre janeiro e junho e, depois, Haroldo Kuzai (foto), de 20 de junho a 31 de dezembro, o conselheiro interino João Batista Camargo, em...

Guiratinga, frota sucateada e a farra

sinval vilela 400 curtinha   O vereador Sinval Vilela (foto), do DEM, disse que em Guiratinga, administrada por Humberto Domingos, o Bolinha, está havendo farra com dinheiro público. E lista descasos e atos de incompetência do prefeito. Conta que a prefeitura possui um caminhão pipa, mas está encostado no...

Verba a quem não tem litígio à União

emanuel pinheiro 400 curtinha   Apesar do governo estadual anunciar que está recebendo os R$ 359 milhões da União, essa verba oriunda do chamado Orçamento da Guerra (Emenda Constitucional 106) para ajuda no combate ao coronavírus só será liberada a partir do próximo dia 9 e para quem, seja...

Salgadinhos sim; caminhão pipa, não

humberto bolinha 400 curtinha   Em Guiratinga, o prefeito Humberto Domingos, o Bolinha (foto), resolveu homologar na última segunda, 1º de junho, processo licitatório para contratar uma empresa com vistas a fornecer salgadinhos nas 11 secretarias municipais. Vão ser gastos com salgados R$ 21,7 mil. No mesmo dia, Bolinha...

Nepotismo e demissão na gestão Pátio

leandro junqueira 400   Acuado pela notificação recomendatória do Ministério Público Estadual, o prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio, não teve outra saída senão exonerar a servidora Renata Castilho Moreno do cargo comissionado de gerente do Departamento de Engenharia e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.