Henrique Maluf

A música brasileira e a censura no regime militar

Por 13/08/2019, 08h:22 - Atualizado: 13/08/2019, 08h:28

Dayanne Dallicani

Colunista Henrique Maluf

No ano de 1964 os militares, com o apoio dos Estados Unidos, derrubaram o governo de João Goulart e tomaram o poder, estava estabelecida a ditadura. Milhares de pessoas foram agredidas, torturadas e assassinadas, outras simplesmente desapareceram. E toda essa barbárie, sob o pretexto da redemocratização do país, livrando-o de comunistas e outros seres pensantes como artistas e intelectuais. A ditadura durou 20 anos.

Músicos, atores, cineastas, poetas, artistas plásticos, esses eram os principais alvos da censura no Brasil, artistas de uma forma geral eram vistos como deturpadores da ordem, da moral e dos bons costumes

Músicos, atores, cineastas, poetas, artistas plásticos, esses eram os principais alvos da censura no Brasil, artistas de uma forma geral eram vistos como deturpadores da ordem, da moral e dos bons costumes.

Discurso esse que dava as vestimentas de inimigos da pátria não só aos artistas, mas também a professores, jornalistas, escritores ou qualquer atuação que pudesse gerar algum tipo de reflexão do que estava acontecendo no Brasil com os horrores da ditadura militar. Os números da censura foram grandes, neles estavam o cinema, o teatro, as telenovelas, as músicas, a cultura de uma forma geral, um momento delicado e importante da nossa história, qual não devemos nem podemos esquecer.

Mas quero aqui é falar sobre algumas músicas censuradas, foram mais de 4.500 letras. Alguns artistas se tornaram figuras marcadas pelos censores, podemos citar Chico Buarque, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Geraldo Vandré, Raul Seixas, e esses realmente faziam canções engajadas e com teor de protesto, geralmente contestavam o triste período que enfrentavam, a arte cumpria seu papel: gerar reflexão.

Porem inúmeros outros cantores passaram pela tesoura da Divisão de Censura e Diversões Públicas (DCDP), alguns casos chegam a ser inacreditáveis, como por exemplo a música “Como eu quero”, de Paula Toller e Leoni, na parte em que a personagem diz “tire essa bermuda”, acreditem, isso foi visto como um ataque aos padrões morais e dos bons costumes impostos pelo governos.

Outro caso, que particularmente, além da censura, vejo como preconceito, foram com algumas músicas do sambista Adoniram Barbosa, que usava de uma linguagem caipira e interiorana. A censura quis obriga-lo a adequar suas canções as regras da gramática, colocando-as em linguagem culta e formal, um total desrespeito a liberdade poética do artista, Adoniram disse que preferia esperar pra gravar suas músicas quando a burrice tiver passado, e assim fez.

Além do entretenimento, a arte tem um papel muito importante, que é o de criar reflexões nas pessoas, e sua liberdade, sobre pretexto algum deve ser ameaçada

Os artistas usavam de metáforas e figuras de linguagem para driblar a censura e deixaram para a posteridade seu pesar. Algumas canções viraram verdadeiros hinos de luta e resistência contra o período ditatorial nos anos 60, canções como “Cálice” de Chico e Gil, com a metáfora com o verbo “calar”, disseram ao mundo que a liberdade de expressão estava caçada no Brasil. Outra canção forte na época foi “Pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré, onde enfatizava as injustiças, a presença do exército nas ruas e convocava as pessoas para se unirem na luta contra a ditadura. Geraldo foi preso, torturado e exilado.

Outra canção icônica foi “O bêbado e a equilibrista” de João Bosco e Aldir Blanc, isso já em 1979, que fala sobre o exilio. Uma bela canção que apresenta um retrato do Brasil no final do período ditatorial, com o lamento de mães pela falta de seus filhos, os “Carlitos” tentando sobreviver, de forma oprimida, porem sempre bem humorado e a equilibrista, representando nossa esperança, se equilibrando e sobrevivendo, um hino.

Inúmeras outras canções confrontaram o regime militar. “Panis et Circenses” (de Caetano e Gil), “Apesar de você” (Chico Buarque), “Cartomante” (Ivan Lins), “Ouro de Tolo” (Raul Seixas), “Como nossos pais” (Belchior), “Tiro ao Álvaro” (Adoniram Barbosa), dentre outras, que até hoje reverberam essa triste e infeliz página de nossa história.

Além do entretenimento, a arte tem um papel muito importante, que é o de criar reflexões nas pessoas, e sua liberdade, sobre pretexto algum deve ser ameaçada. Finalizo com o Artigo 5°, inciso IX da Constituição Federal que diz: “É livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.”

Henrique Maluf é músico, produtor cultural e pesquisador em Cuiabá. Escreve nesta coluna com exclusividade às terças-feiras. E-mail: herojama@gmail.com

Postar um novo comentário

Licitação irregular em Alto Araguaia

gustavo de melo 400 curtinha   O conselheiro-subtituto do TCE, Luiz Carlos Pereira, determinou que o prefeito de Alto Araguaia, Gustavo de Melo (foto), suspenda de imediato, devido a apontamento de irregularidades, uma licitação para contratar por R$ 2,9 milhões uma empresa com vistas a executar obras de asfaltamento tipo TSD...

Mutirão fiscal prorrogado na Capital

Emanuel Pinheiro curtinha   Levando em consideração o grande número de contribuintes interessados em negociar dívidas com o município, o prefeito Emanuel Pinheiro (foto) decidiu prorrogar o Mutirão de Conciliação Fiscal até 30 de agosto. Os atendimentos foram retomados na terça...

6 deputados podem tentar prefeitura

silvio favero curtinha   Pelo menos seis deputados estaduais ensaiam candidatura à prefeitura. Eles nada têm a perder, pois a legislação não exige renúncia do mandato no Legislativo para disputar vaga no Executivo.  Sílvio Fávero (foto) deve concorrer em Lucas do Rio Verde, numa...

Munhoz agora é adjunto na Sinfra

 Mauricio Munhoz-curtinha-400   O governador Mauro Mendes nomeou o economista e escritor Maurício Munhoz (foto) como secretário adjunto de Gestão e Planejamento da Sinfra, pasta comandada por Marcelo Padeiro. Filiado ao PSD, é representante da Fundação Espaço Democrático em MT, que...

Contribuição com óculos às crianças

virginia mendes 400   Após lançamento de campanhas sociais, como o Aconchego, com distribuição de 100 mil cobertores a famílias em situação de extrema vulnerabilidade, de festas para angariar fundos e ajudar entidades, e do empenho pela reabertura do Hospital Estadual Santa Casa, a primeira-dama do...

Sob efeito das urnas e tiro pela culatra

valtenir pereira 400   Valtenir Pereira (foto), indiciado pela PF por envolvimento em desvio de recursos da União, não conseguiu se reeleger no ano passado. Ficou na primeira-suplência. E culpou o que chamou de traição do prefeito cuiabano Emanuel Pinheiro por este ter lançado o filho Emanuelzinho, que se...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.