Dançar ou relaxar? Qual rasqueado você prefere?

Por 26/03/2019, 07h:20 - Atualizado: 26/03/2019, 10h:22

 
henrique maluf colunista espa�o fixo

Henrique Maluf

O rasqueado Cuiabano carrega as glórias de ser o representante da cultura mato-grossense, leva sua alegria, suas coloridas chitas, seu balanço contagiante, seus poemas de ode à nossa terra pra diversos cantos. Um verdadeiro difusor da Cuiabania.

Mas cá entre nós, será que lá em Alta Floresta, Sinop, Rondonópolis ou qualquer outra cidade que não seja da baixada cuiabana, há esse sentimento de representatividade regional que o rasqueado nos causa aqui na Capital?

Obviamente que não né, nosso Estado é grandioso, tanto territorialmente, quanto culturalmente. Sulistas, paulistas, nordestinos, pessoas de toda parte do Brasil e do mundo por essas terras firmaram suas vidas.

Mas cá entre nós, será que lá em Alta Floresta, Sinop, Rondonópolis ou qualquer outra cidade que não seja da baixada cuiabana, há esse sentimento de representatividade regional que o rasqueado nos causa aqui na Capital?

Mas sabia que existe outro tipo de rasqueado em Mato Grosso? É o rasqueado de Fronteira, esse que é entonado de uma forma bem diferente. Vamos entender as diferenças entre eles.

O gênero foi criado entre os anos 1930 e 1940, quando músicos do interior paulista, como Mário Zan, Raul Torres e Nhô Pai se aventuraram em expedições na fronteira com o Paraguai. O objetivo deles era buscar na música tradicional paraguaia uma nova roupagem para a música sertaneja que imperava no Brasil.

E acharam, pois as polcas paraguaias, guarânias e chamamés, entraram com muita força em nosso país, versões em português de canções como Noches del Paraguai, Recuerdos de Ypacaraí e Índia fizeram o maior sucesso, e logo compuseram os primeiros rasqueados brasileiros, a famosa Chalana, Siriema, Três Lagoas, Cidades de Mato Grosso.

Na sua difusão, o rasqueado navegou pelo ainda não dividido Mato Grosso, o Rio Paraguai foi sua principal via, e, em suas margens, os pantaneiros que ouviam essa novidade, então começam a tocar nas sanfonas e violões um rasqueado mais compassado, com melodias lentas e geralmente em tons menores, isso devido ao caráter harmônico desses instrumentos. Corumbá, Coxim, Cáceres e Diamantino foram as cidades onde mais se desenvolveu o rasqueado de fronteira.

Na sua difusão, o rasqueado navegou pelo ainda não dividido Mato Grosso

Com o fim da Guerra do Paraguai, os presos de guerra que estavam em Cuiabá começam a se misturar com a população local, trazendo a influência da música platina que ao se encontrar com o Cururu resulta numa levada mais rápida, com melodias curtas e velozes. No início era apenas instrumental, executado com instrumentos de sopro, pois diferente do pantanal, Cuiabá respirava ares cosmopolita, com vários músicos que chegaram por aqui na corrido do ouro.

Alguns autores dizem que o rasqueado nada mais é que a forma brasileira de tocar os ritmos platinos/paraguaios, e é realmente inegável as semelhanças, assim como são grandes as diferenças entre o rasqueado Cuiabano e o rasqueado de Fronteira.

Se despertou sua curiosidade, dá um pulo no YouTube e pesquise rasqueado de fronteira, ouça um ou dois, e depois ouça o cuiabano, um da vontade de dançar e o outro de relaxar. O que você prefere? Eu, os dois!

Henrique Maluf é músico, produtor cultural e pesquisador em Cuiabá. Escreve nesta coluna com exclusividade às terças-feiras. E-mail: herojama@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Guapo | Terça-Feira, 26 de Março de 2019, 09h37
    4
    0

    Valeu! Meu grande amigo e colega, tá mandando bem é isso mesmo, vou te mandar um outro trabalho que vai complementar essa sua pesquisa, abraços!

Licença da PRF para disputar eleição

Arthur Nogueira_400_curtinha   As eleições municipais e ao Senado continuam inflacionando o número de pré-candidatos. O ex-superintendente da PRF, Arthur Nogueira (foto), anunciou que se afastou das atividades policiais para colocar o seu nome à disposição da Rede para concorrer a vaga da senadora...

Possível recuo de Fábio pra prefeito

fabio garcia 400 curtinha   O ex-deputado federal, primeiro-suplente do senador Jayme e presidente estadual do DEM, Fábio Garcia (foto), faz mistério sobre encarar ou não a corrida pela Prefeitura de Cuiabá. Empurrou a decisão para a próxima semana, sem precisar data e horário. O dirigente do...

Fórum aponta traição de 3 deputados

joao batista 400 curtinha   Fórum Sindical está na bronca com os deputados que aprovaram a reforma da Previdência, mas voltam seus canhões com mais força contra 3 deles: João Batista (ex-presidente do Sindispen), Delegado Claudinei e Faissal Calil. Em nota, o Fórum dispara que se elegeram com os votos...

Vereadora cacerense vira opção à vice

valdeniria 400 curtinha caceres   Em Cáceres, a vereadora de cinco mandatos Valdeniria Dutra Ferreira (foto), do PSC, está sendo cortejada pelos principais pré-candidatos a prefeito. Todos querem-na de vice da chapa. Até Paulo Donizete, que entrou na disputa majoritária apoiado pelo prefeito Francis Maris, passou...

Selma deve mesmo deixar o Podemos

selma arruda 400 curtinha   Para evitar um novo pedido de expulsão do Podemos, Selma Arruda dá sinais de que deixará o partido nos próximos dias. A ex-senadora, que preside o Podemos de Cuiabá, foi "convidada" a deixar a sigla após demonstrar resistência em apoiar a pré-candidatura do deputado...

Arco de alianças define vice de Eliene

eliene liberato 400 curtinha   A professora e vice-prefeita de Cáceres, Eliene Liberato (foto), pré-candidata do PSB à sucessão municipal, disse que a definição do nome para vice de sua chapa só sairá na pré-convenção. Até lá, o amplo arco de alianças...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.