Henrique Maluf

Lei do silêncio x música ao vivo: classe musical se une

Por 14/01/2020, 08h:24 - Atualizado: 14/01/2020, 08h:29

Dayanne Dallicani

Colunista Henrique Maluf

Começo esse artigo usando da poética do contundente filósofo alemão Friedrich Nietzsche, quando simplesmente ele diz: “Sem música, a vida seria um erro... não faria sentido”. Em meio a sua complexa obra de critica a religião, a moral, a cultura, filosofia e ciência, Nietzsche pincela que a música é a maior expressão do homem.

 Não imagino um mundo onde não haja música

Eu, particularmente, não imagino um mundo onde não haja música, onde a arte, em qualquer uma de suas formas, não exista. A expressão, a comunicação humana está intrinsicamente ligada às artes, à música, à pintura. Nietzsche está certo, seria um erro.

Ontem (segunda feira) houve uma reunião na câmara municipal dos vereadores de Cuiabá, onde nomes como o Maestro Fabrício Carvalho, Johnny Everson, Vera Capilé, Deize Águena, dentre muitos outros, apresentaram para o vereador Diego Guimarães e o presidente da Câmara Municipal Misael Galvão, um recorrente e triste episódio que atinge músicos, bares e restaurantes que têm música ao vivo em Cuiabá.

A Lei do Silêncio. A lei que a muitos anos vem dificultando a vida de muitos trabalhadores. Vamos entender o que está acontecendo.

Na última quarta-feira estive num bar nas proximidades da praça da mandioca, vi que haviam alguns amigos tocando jazz e corri lá pra assistir um pouco e dar uma relaxada, só observando que não é comum assistir a um show de jazz em Cuiabá.

Praticamente junto comigo chegou a fiscalização da Secretaria Municipal de Ordem Pública, haviam dois fiscais, acompanhados por quatro viaturas da polícia militar com cerca de 15 policias que estavam ali para garantir a segurança dos fiscais. Estavam atendendo uma denúncia feita no Disque-Silêncio de Cuiabá.

Já era quase meia noite, sim, tarde, principalmente por ser meio de semana, esse não é o principal problema. Os fiscais autuaram o estabelecimento ordenando que fossem encerradas as atividades musicais e comerciais. E logo anunciaram que os instrumentos e equipamentos dos músicos seriam apreendidos como prova do crime. A partir desse momento houve uma comoção por parte das pessoas que estavam ali, e solidariamente saíam em defesa dos músicos.

O principal questionamento foi o porquê da apreensão desses equipamentos

O principal questionamento foi o porquê da apreensão desses equipamentos. Antes de mais nada, afirmo que não houve excesso por parte dos fiscais e nem dos policiais, estavam apenas cumprindo a Lei. Os músicos e amigos que estavam por ali argumentaram de todas formas, e isso foi providencial, pois os fiscais apreenderam “apenas” os amplificadores de guitarra e baixo e não levaram os instrumentos.

Algumas pessoas que estavam ali filmaram toda a ação, inclusive eu. No dia seguinte fiz uma postagem nas minhas redes sociais explicando o que havia ocorrido. Várias pessoas vieram falar comigo, inclusive a página da prefeitura. Nesse momento começamos a articular um possível dialogo e uma ação artística que chamasse a atenção da prefeitura. Porém algumas pessoas já estavam articulando essa reunião e discutindo possíveis ações. Num grupo de WhatsApp houve uma grande articulação, na qual foram elencadas as principais pautas a serem debatidas.

Uma grande união de músicos, cantores, produtores culturais, donos de bares e restaurantes, a Abrasel (Associação de Bares e Restaurantes de MT), a OMB (Ordem dos Músicos do Brasil), outros vereadores e alguns deputados já se mostraram solidários a causa da classe artística. Ao longo dos últimos anos posso citar inúmeras situações, como a apreensão dos instrumentos musicais da banda de rock Heróis de Brinquedo e o equipamento do extinto Clube de Esquina Bar, recentemente o proprietário do Bar do Edgare, do Bar do Boa foram detidos, estabelecimentos como o Malcom Pub, Bar do Bigode, Tampa Conveniência, Cão Latino Bar, Mundaréo, Empório 87, Rota 8, dentre muitos outros, e vale ressaltar que até igrejas passam por esses problemas.

Lembrando também que nesse caso em específico foi lavrada uma multa de mais de R$ 600,00 ao músico responsável pela banda, além de ter sido enquadrado num artigo que tipifica como embaraço, em outras palavras, o músico tinha dificultado e tentado impedir a ação dos fiscais, eu estava lá, isso não ocorreu.

A maior reivindicação à Câmara Municipal é a atualização da Lei n° 3819 de 15 de janeiro de 1999, a Lei do Silencio, decretada na época pelo então prefeito Roberto França – já faz um bom tempo –, as principais pautas dentro dessa possível revisão seriam a atualização do decibelímetro (equipamento que mede a altura do som), a lei determina que o máximo seja de 60dB (decibéis) em áreas comercias, o que está totalmente defasado, a leitura em voz alta desse artigo já ultrapassa o permitido.

Outro ponto seria a flexibilização dos horários para que aconteçam os shows em bares que não tenham tratamento acústico, o limite é de até 22h, estamos pautando que sejam até às 23h horas em dias úteis e até às 00h nos finais de semana. Foi colocado também a não apreensão de instrumentos e quaisquer equipamentos dos músicos que estejam trabalhando, numa possível ocorrência, toda responsabilidade deve ser do proprietário do estabelecimento.

Nós fomos muito bem recebidos pelos vereadores Diego Guimarães e Misael Galvão, que se mostraram sensibilizados pela causa, já foi convocada uma nova reunião, nessa com as presenças dos Secretários de Cultura, Francisco Vuolo e o Adjunto, Justino Astrevo e o Secretário de Ordem Pública, Leovaldo Sales.

A pior sensação da minha vida foi pular de cima de um palco com meu instrumento em mãos e me esconder por medo de que meu violão fosse apreendido, me senti um criminoso

Nesse primeiro e importante encontro, ambas partes (Prefeitura e classe musical) concordam que há a necessidade de atualização da Lei, mas que também deve-se haver muita cautela ao tratá-la, pois o silêncio é importante para o sossego e bem estar público. Ninguém quer um bar ao lado de um hospital, ou escola, ou perturbar incessantemente um vizinho.

O que a classe musical mais quer é estar em harmonia com a sociedade cuiabana, entende e ressalva a necessidade da manutenção da Lei do Silencio e frisa que sua atualização se faz necessária. Uma sociedade com arte é uma sociedade sadia, com menos doentes, a arte previne, cura, colabora no crescimento e plenitude do ser.

A pior sensação da minha vida foi pular de cima de um palco com meu instrumento em mãos e me esconder por medo de que meu violão fosse apreendido, me senti um criminoso, um bandido, uma amarga e inesquecível experiência. Pra finalizar volto com Nistzsche: “E aqueles que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música”.

Henrique Maluf é músico, produtor cultural e pesquisador em Cuiabá. Escreve nesta coluna com exclusividade às terças-feiras. E-mail: herojama@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Daniel S. | Terça-Feira, 14 de Janeiro de 2020, 14h48
    0
    1

    Parabéns pela participação nestas reuniões, liderança e divulgação das tratativas, Maluf. Com a união de todos, esta lei há de ser reformada e episódios como os citados não voltarão a acontecer. Conte conosco nessa luta!

  • marcia | Terça-Feira, 14 de Janeiro de 2020, 11h14
    4
    1

    ninguem quer proibir que se toque musica mas precisa ser em ambientes fechados e acusticamente tratados respeitando quem mora proximo.

Fritado no PDT e buscando o Aliança

antonio galvan 400 curtinha   Fritado no PDT, o presidente da Aprosoja, Antonio Galvan (foto), pretende agora procurar espaço em um partido considerado de direita. E está se movimentando para assumir em MT o comando do Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado pelo presidente Bolsonaro. O sojicultor se mostra,...

Lúdio e incógnita sobre quem apoiar

ludio cabral 400 curtinha   Em 2010, com PT rachado, o hoje deputado estadual Lúdio Cabral (foto) não apoiou Carlos Abicalil, do seu partido, para o Senado. Preferiu virar cabo eleitoral de Pedro Taques, que se elegeu. Agora, para este pleito suplementar ao Senado marcado para 26 de abril, para preencher a vacância devido...

Cotado à cadeira de desembargador

francisco faiad 400 curtinha   É forte o movimento nos bastidores entre os juristas, dentro e fora da OAB/MT, pela indicação do nome de Francisco Faiad (foto) pela classe Quinto Constitucional à cadeira de desembargador. Bem articulado e com bom conceito no meio jurídico, Faiad foi presidente da OAB/MT por dois...

Pivetta promete permanecer no PDT

allan kardec 400 curtinha   O empresário Otaviano Pivetta, que se tornou o mais badalado nesta fase de pré-campanha ao Senado por causa da grande logística em torno do seu nome, se encontra numa saia-justa. Para líderes do Podemos com os quais passou a ter afinidade política, como os senadores Álvaro Dias e...

Ao Senado, 2 partidos e apoio para EP

elizeu nascimento 400 curtinha   Elizeu Nascimento (foto), terceiro-sargento PM licenciado, não é nada bobo. Ex-vereador pela Capital e no mandato de deputado estadual, Elizeu hoje controla o DC-MT e ainda levou aliados de confiança para o PSL-MT, partido que ainda está ligado ao presidente Bolsonaro e que só de...

Digital de Selma no apoio para Pivetta

olga lustosa curtinha 400   Mesmo com laços antigos de amizade com Otaviano Pivetta, Olga Lustosa, que está se desligando do cargo de assessora do gabinete da senadora cassada Selma Arruda em Brasília, causou aquele climão dentro do Podemos quando apareceu no encontro do PDT, neste sábado. O ato marcou o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.