“Encaminhamentoterapia”

jackelyne_artigo_domingo

Jackelyne Pontes

Está na lei: “Todos os brasileiros e brasileiras, desde o nascimento, têm direito aos serviços de saúde gratuitos. Os serviços prestados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) são destinados a todos os cidadãos e são financiados com recursos arrecadados por meio de impostos e contribuições pagos pela população." Portanto, eu, você, o meu vizinho, o motorista de ônibus, os trabalhadores da saúde, os gestores, enfim, toda a população brasileira, é usuária do SUS. Ao contrário do serviço privado, na rede pública os serviços são gratuitos, sem restrições ou carências, sem discriminação de classe social, raça, gênero. Ele é universal e, para fazer uso dos serviços, não é perguntado se você tem carteira assinada, ou se você contribui ou não com a Previdência.

Digo isso para externar a minha preocupação com as filas imensas que sempre se formam a procura de atendimento, seja ele médico ou odontológico. Sabemos que a demanda sempre foi maior que a capacidade de atendimento por inúmeras razões entre elas o provimento de profissionais. Sobram pacientes, faltam profissionais. Há casos em que o usuário é obrigado a passar a madrugada em frente a unidade de saúde para conseguir a vaga para o paciente. Este é exposto assim às intempéries da natureza e à violência urbana. Chega a ser desumano. O acesso e o acolhimento deve ser repensado, reformulado, dando assim oportunidades a todos.

O SUS deve ser protegido e cultivado, pois é um tesouro de valor inestimável. Deve-se nesse sentido levar a sério o fluxo das demandas reprimidas e espontâneas que se apresentam diariamente. Se todos tem direito a esse atendimento então que o acesso seja igual para todos. Enquanto uns penam em internináveis filas outros se valem da “encaminhamentoterapia”, isso é injusto. O gestor não pode por exemplo simplesmente fazer um telefonema para a unidade e determinar que um usuário seja atendido imediatamente, mesmo que a agenda de consultas programadas já esteja lotada, a não ser que seja um caso de urgência, aí o profissional tem a obrigação de prestar assistência. E vejam, não estou condenando os encaminhamentos, ao contrário, o SUS conta com uma rede de referência e contra referência que trabalha com esse sistema. Recebemos encaminhamentos de assistentes sociais, de médicos, de cirurgiões-dentistas e outros profissionais que prestam serviço à rede pública.

Os trabalhadores das equipes de saúde devem ter em mente que todos os usuários, sem distinção, devem receber a sua atenção, e que há situações de peculiaridades, mas estas não devem ser pautadas na política, e sim no quadro saúde/doença do indivíduo. Cabe a este profissional  aliviar a dor, o sofrimento, melhorar a vida, evitar ou reduzir danos, criar vínculos positivos e diminuir o isolamento do cidadão, e não ser o “empregado” do seu gestor que “determina” que este ou aquele indivíduo seja atendido imediatamente, até porque o seu patrão, no melhor significado da palavra, é a população. 

O acolhimento e o acesso são práticas presentes em todas as relações de cuidado, nos encontros reais entre trabalhadores de saúde e usuários, e não deve ser usado como instrumento da antiga troca de favores com cunho político. 

Jackelyne Pontes é cirurgiã-dentista, filiada ao Sinodonto-MT (Sindicato dos Odontologistas do Estado de Mato Grosso) e escreve exclusivamente para este blog todo domingo - jackelynepontes@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Juliane | Domingo, 23 de Março de 2014, 10h02
    2
    0

    Infelizmente muitos gestores e pessoas não tem noção dos princípios e doutrinas do SUS, a Universalidade, Equidade e Integralidade, todos nós temos direito a atenção à saúde, assegurando nas ações e serviços em todos os níveis sem ter que usar outros meios.

Salgadinhos sim; caminhão pipa, não

humberto bolinha 400 curtinha   Em Guiratinga, o prefeito Humberto Domingos, o Bolinha (foto), resolveu homologar na última segunda, 1º de junho, processo licitatório para contratar uma empresa com vistas a fornecer salgadinhos nas 11 secretarias municipais. Vão ser gastos com salgados R$ 21,7 mil. No mesmo dia, Bolinha...

Nepotismo e demissão na gestão Pátio

leandro junqueira 400   Acuado pela notificação recomendatória do Ministério Público Estadual, o prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio, não teve outra saída senão exonerar a servidora Renata Castilho Moreno do cargo comissionado de gerente do Departamento de Engenharia e...

Candidatíssima à vereadora em Cuiabá

gisele almeida 400 curtinha   A apresentadora de TV, Gisele Almeida (foto), vai mesmo encarar o teste das urnas como candidata à vereadora em Cuiabá. Irmã do ex-vereador, ex-deputado e hoje conselheiro afastado do TCE, Sérgio Ricardo, ela não perde tempo nas articulações. Recentemente, recebeu no...

Quebra-cabeça para definir a chapa

eduardo botelho 400 curtinha   Eduardo Botelho (foto) está postergando ao máximo a definição dos nomes de sua chapa ao comando da Mesa Diretora. A eleição já acontece no dia 10, na próxima semana. Como 12 dos 24 deputados brigam por espaço, o presidente da Assembleia sabe que, ao final,...

Secretário terá de explicar contrato

alex vieira 400 curtinha   O secretário de Educação de Cuiabá, Alex Vieira (foto), tem dois dias para apresentar defesa ao TCE sobre uma representação da empresa F. M Paragas, propriedade de Fernando Marcelo, que apontou supostas irregularidades na contratação, por dispensa de...

Presidente da OAB e péssimo exemplo

leonardo campos 400 curtinha   Continua repercutindo muito mal, inclusive em âmbito nacional, o escândalo em que se envolveu Leonardo Campos, o Léo Capataz (foto), que acabou se afastando da presidência da OAB-MT. Deu um péssimo exemplo à sociedade. Ele foi parar na Delegacia, na semana passada, sob...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.