Ser professor: um desabafo

 

jackelyne_artigo_domingo.jpg

Jackelyne Pontes

Lembro-me como se fosse hoje de todas as minhas fases da vida escolar. O “prezinho” das descobertas, o primeiro grau cheio de amigos, o segundo grau de crescimento pessoal, a universidade que me fez responsável, as pós-graduações que me trouxeram um aprofundamento nos temas relevantes de minha profissão e atualmente o mestrado que tem me ensinado a ter paciência, a observar com mais cuidado e, consequentemente, a ser mais crítica e, principalmente, a superar-me.

 

   Pois bem, em nenhuma dessas fases não pude e nem me permiti por um minuto sequer me portar de maneira inadequada em sala de aula. O professor, que na minha época era o “senhor ou senhora Fulana de tal” e não era “Tia, nem “Ei” e muito menos “Psiu”, era tido como autoridade máxima em sala de aula. Era admirado, era ouvido, era questionado, era desafiado, porém, sempre guardando o devido. Sou da época que as bandeiras eram hasteadas, que os hinos eram cantados com orgulho em alto e bom som, que as festas cívicas eram disputadíssimas com os desfiles, as apresentações nos pátios da escola e principalmente com o exercício do civismo.

 

   Tenho orgulho de contar a todos que certa vez em um evento solene, onde o tal CD com o hino nacional não funcionou, fui chamada para cantar o Hino Nacional, e cantei. Claro que desafinei, claro que tremi, mas a letra saiu correta e nem eu e muito menos as pessoas no recinto fizemos feio. Nesse dia agradeci imensamente a minha professora de OSPB (Organização Social e Política Brasileira), matéria hoje extinta dos currículos escolares.

 

   Hoje a coisa é completamente diferente. À frente de uma sala de aula o professor tem que ser animador de plateia, palhaço, mímico, tudo para entreter o seu ouvinte que está munido de laptops, smartphones e mais uma gama de parafernálias eletrônicas. Isso quando não chega tarde, sai cedo, e ainda questiona quando o professor fará a chamada. Falta formação, falta base, falta educação, falta saber o valor que o ensino tem em nossas vidas.

 

   O sentimento é de frustração quando um aluno, com um certo grau de instrução, levanta a mão para questionar o que significa “conceitue”, “exceto” ou “ilustre”, isso para não falar de exemplos piores. A banalização do ensino é algo preocupante. A tríade educação, saúde e segurança fica comprometida se o cidadão não tem uma formação como se deve. Vejo alunos letárgicos, desinteressados, e pior ainda, despreparados para receber conteúdos mais elaborados, com um nível de complexidade mais elevado.

 

   Não acho que a escola deve regredir, ao contrário, torço pela evolução escolar. Torço pela qualidade e pela formação de cidadãos conscientes. Não condeno o uso da tecnologia, mas que dentro de sala ela seja usada em favor do conhecimento, que ela traga facilidade de assimilação de conteúdos. Essa minha nostalgia é saudável e tem em si uma vontade de fazer o melhor, de ser um instrumento facilitador do saber, de despertar no aluno a vontade e a curiosidade inerente dos vencedores. Precisamos respeitar o espaço sagrado que é a sala de aula, precisamos fazer com que o professor tenha o seu valor reconhecido e, por fim, precisamos sensibilizar os alunos para o fato de que só a educação pode nos levar a galgar degraus cada vez mais altos.

 

   Jackelyne Pontes é cirurgiã-dentista, filiada ao Sinodonto-MT (Sindicato dos Odontologistas do Estado de Mato Grosso) e escreve exclusivamente para este blog todo domingo - jackelynepontes@gmail.com

Postar um novo comentário

Dorner vai tentar prefeitura de novo

roberto dorner 400 curtinha   Em Sinop, o empresário e ex-deputado federal por alguns meses Roberto Dorner (foto), que deixou o PSD e aderiu ao Republicanos, está disposto a encarar de novo a disputa a prefeito. Em 2016, ele perdeu para Rosana Martinelli (PR) por uma diferença de 3.388 votos. É possível que ambos...

Um líder sob insatisfação dos colegas

dilmar dal bosco curtinha 400   O líder do governo na Assembleia, Dilmar Dal Bosco (foto), tem enfrentado crítica velada e insatisfação dos colegas, principalmente dos deputados da base. Reclamam que o interlocutor do governador Mauro não move uma palha em defesa da liberação das emendas e, nas...

Jogada do prefeito Francis em Cáceres

paulo donizete 400 curtinha caceres   A sete meses de concluir o mandato, o prefeito cacerense Francis Maris (PSDB) lançou uma jogada estratégica para ver se "cola". Apoia publicamente para prefeito o seu diretor da autarquia Águas do Pantanal, Paulo Donizete (foto), do mesmo partido, inclusive participou da reunião...

Luta por mais leitos de UTI em Sinop

rosana martinelli 400 curtinha   A prefeita de Sinop, cidade pólo do Nortão, Rosana Martinelli (PR), demonstra preocupação com os poucos leitos de UTI do Hospital Regional no município. A unidade atende moradores de mais de 30 municípios da região e só dispõe de 10. Rosana diz esperar...

Priminho Riva deve disputar em Juara

priminho riva 400 curtinha   Dezesseis anos depois de comandar Juara por dois mandatos (1997 a 2004), Priminho Riva (foto) está de volta. Filiado ao PR, ele deve concorrer a prefeito. Político bastante popular e carismático, tende a enfrentar um páreo duro com dois nomes considerados fortes, o do ex-vice e que se tornou...

Contas de prefeita são reprovadas

thelma 400 curtinha   As contas de 2018 da prefeita chapadense Thelma de Oliveira (foto), do segundo ano de mandato, foram reprovadas pelo TCE-MT. Agora, cabe à Câmara Municipal aprová-las ou rejeitá-las. Em seu parecer, o conselheiro interino João Batista apontou 15 irregularidades, sendo 11 delas sobre...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.