Tratamento odontológico cronometrado

Onde fica a humanização na saúde? E a qualidade dos serviços? O relógio deve ser considerado aliado e não impositor de regras

jackelyne_artigo_domingo

Jackelyne Pontes

Nas clínicas odontológicas públicas ou privadas, o exame clínico e o plano de tratamento são de responsabilidade do profissional cirurgião-dentista, munido de preparo técnico é ele quem vai fazer uma análise do paciente de uma maneira holística e traçar um roteiro detalhado de como serão executadas as ações de saúde, que podem ser restaurações, exodontias, profilaxias ou qualquer outro tipo de tratamento que o indivíduo necessite.

É no exame clínico que o diagnóstico é elaborado. Conhecemos o paciente a fundo, sabemos de sua histórica socioeconômica, seus hábitos alimentares e de higiene, seu grau de instrução e suas atitudes e comportamentos. Cada um desses detalhes influencia no sucesso ou fracasso do tratamento, no tipo de abordagem e principalmente no tempo que usaremos para finalizar e assim fazer com que as suas necessidades sejam supridas.

O diagnóstico é feito justamente para garantir o melhor tratamento para cada indivíduo. Demanda tempo saber do seu diário alimentar, seu histórico de doenças e intervenções cirúrgicas, tomadas radiográficas e ainda fazer um exame a fundo de seus elementos dentários. Em verdade, a realização de um bom plano de tratamento resulta em ganho de tempo, pois metodiza as ações, racionaliza as intervenções técnicas evitando improvisos  e diminui riscos.

A pergunta que não quer calar em nosso meio é: quanto tempo devemos usar para fazer a anamnese?  E ainda: quanto tempo deverá durar as consultas clínicas? A resposta é simples: o tempo utilizado deve ser aquele que o cirurgião-dentista, responsável pelo tratamento julgar necessário. Somos nós e mais ninguém que sabemos se determinado paciente deve ter reservado para si 30, 40 ou 60 minutos. A duração da consulta não deve ser programada de forma única para todos. Há pacientes em que o procedimento é de menor complexidade, e nestes utilizamos 30 minutos. Há pacientes que o procedimento é mais complexo e para este reservaremos mais tempo. Além disso devemos levar em consideração as intercorrências inerentes da nossa rotina. Qual foi o colega que não iniciou uma exodontia pensando que rapidamente poderia finalizá-la e esta acabou por durar o triplo do tempo?

O cirurgião-dentista não é uma máquina de produção e nem o paciente é um agente receptor passivo. Esse pensamento mecanicista do “senta levanta” imposto pelas clínicas, que em sua maioria são privadas/populares e públicas, não deve ser aceito. Onde fica a humanização na saúde? Será que quantidade é sinônimo de qualidade? Temos que nos apoderar de nosso conhecimento científico e fazer com que este seja mesclado com cuidado, o olho no olho, o ouvir qualificado e o toque sem pressa. O relógio deve ser um aliado e não um impositor de regras. A obrigatoriedade de atender a um determinado número de pacientes em um espaço de tempo diminuto é banalizar a odontologia, é valorizar relatórios ao invés do ser humano. Um grave erro.

O tempo de duração e o número total de consultas é inerente a cada paciente e não deve ser imposto, o cirurgião-dentista responsável é que deve estabelece-los. Fere inclusive o código de ética caso este fato aconteça. 

Jackelyne Pontes é cirurgiã-dentista, filiada ao Sinodonto-MT (Sindicato dos Odontologistas do Estado de Mato Grosso) e escreve exclusivamente para este blog todo domingo - jackelynepontes@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (3)

  • Dilemário Alencar | Domingo, 16 de Março de 2014, 22h51
    2
    0

    Parabéns Drª Jackelyne pelo artigo! Concordo com você quado diz que o tempo de duração e o número total de consultas é inerente a cada paciente, não devendo ser imposto ao cirurgião-dentista regras nesse aspecto, pois ele como profissional responsável é que deve estabelecê-las para bem atender o seu paciente.

  • jorge zamar | Domingo, 16 de Março de 2014, 12h26
    3
    0

    o artigo em questão, nos faz voltar um pouco na avaliação com mais cuidado. Oque fazemos , na maioria das vezes, apertados pelo tempo muito curto para os atendimentos, pode trazer consequencias muito drásticas para o paciente, mas também para o próprio profissional. Precisamos limitar o mercantilismo na profissão. Este sim , é o verdadeiro motivo pelo qual, muitos profissionais abrem mão de uma anamnese mais aplicada. Dar um enfoque maior ao próprio paciente, requer mais tempo, e isso é o mesmo que pedir para alguns, gastar mais tempo com um instrumento que para muitos é perda de tempo. Foco errado e pernicioso tanto para o paciente como para o profissional. Mais ética, menos mercantilismo, menos comércio na profissão. Parabéns doutora. Visão correta do assunto.

  • Maria Emília | Domingo, 16 de Março de 2014, 10h01
    6
    0

    Parabéns Drª Jackelyne Pontes!! Também acredito e prezo por uma Odontologia Humanizada e com qualidade!!! A própria Política Nacional de Humanização vai muito além de um discurso moral e nos remete efetivamente à uma Tecnologia de organização do trabalho (Práticas de gerir e Práticas de cuidar). Entretanto, para que essa organização aconteça, faz-se necessária a autonomia e o apoderamento dos gestores e cuidadores da atenção em saúde bucal. O problema vai muito além do relógio... ausência de perfil profissional? ou falta de comprometimento? Acredito que a palavra que mais se identifica nesse contexto é a indiferença! Um assunto tão contemporâneo no qual parece que as pessoas estão anestesiadas, parece que nada lhes diz respeito!! De repente se trabalha num cenário caótico que a gente trata com naturalidade e portanto aí está a indiferença!! Sempre acreditei que posso fazer diferente, é assim que penso, e é por isso que busco estratégias para mudar esse meu olhar indiferente... não devemos ser simplesmente um personagem a mais... Porém, contudo, todavia, acredito na prerrogativa de que a culpa da imposição do relógio também é do cirurgião-dentista, que não cumpre com seus deveres de fazer a odontologia com amor e dedicação... que faz do emprego um "bico" e que não consegue criar um vínculo com seu paciente... que simplesmente cuida do relógio para poder ir embora e nem sequer diz seu nome àquela pessoa que se entregou totalmente aos seus cuidados!!! Infelizmente muitos ainda agem desta maneira, e é por causa desses que o relógio torna-se impositor de regras. Abraços

Breunig destaca aprovação de contas

adriano breunig curtinha 400   O professor Adriano Breunig (foto), ex-adjunto e ex-secretário de Estado de Ciência e Tecnologia no Governo Silval e hoje diretor de Políticas de Desenvolvimento Institucional do IFMT, contesta o registro em Curtinha, apontando-o como candidato reserva e "vulnerável" à...

Borgato não sairá mais de secretaria

nilton borgato 400 curtinha   Nilton Borgato (foto), ex-prefeito de Glória D'Oeste e filiado ao PSD, não sairá mais do comando da secretaria estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação. Dias atrás, ele chegou a ser avisado pelo governador que seria substituído e que iria para o Escritório...

Dorner vai tentar prefeitura de novo

roberto dorner 400 curtinha   Em Sinop, o empresário e ex-deputado federal por alguns meses Roberto Dorner (foto), que deixou o PSD e aderiu ao Republicanos, está disposto a encarar de novo a disputa a prefeito. Em 2016, ele perdeu para Rosana Martinelli (PR) por uma diferença de 3.388 votos. É possível que ambos...

Um líder sob insatisfação dos colegas

dilmar dal bosco curtinha 400   O líder do governo na Assembleia, Dilmar Dal Bosco (foto), tem enfrentado crítica velada e insatisfação dos colegas, principalmente dos deputados da base. Reclamam que o interlocutor do governador Mauro não move uma palha em defesa da liberação das emendas e, nas...

Jogada do prefeito Francis em Cáceres

paulo donizete 400 curtinha caceres   A sete meses de concluir o mandato, o prefeito cacerense Francis Maris (PSDB) lançou uma jogada estratégica para ver se "cola". Apoia publicamente para prefeito o seu diretor da autarquia Águas do Pantanal, Paulo Donizete (foto), do mesmo partido, inclusive participou da reunião...

Luta por mais leitos de UTI em Sinop

rosana martinelli 400 curtinha   A prefeita de Sinop, cidade pólo do Nortão, Rosana Martinelli (PR), demonstra preocupação com os poucos leitos de UTI do Hospital Regional no município. A unidade atende moradores de mais de 30 municípios da região e só dispõe de 10. Rosana diz esperar...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.