Rose Domingues

No Réveillon, homem tenta matar esposa com facão

Por 29/12/2019, 08h:27 - Atualizado: 29/12/2019, 08h:36

Dayanne Dallicani

Colunista Rose Domingues

Ana era a moça mais linda de toda Santa Clara D’Oeste na década de 60. Como o próprio nome diz, ela era "graciosa" ou "cheia de graça". Em hebraico, Hannah, mais tarde do latim Anna. Este é provavelmente um dos nomes femininos mais difundidos no Ocidente, com três personagens bíblicas marcantes.

Onde está Deus nessas horas?

A primeira é a mãe do profeta Samuel, que no Velho Testamento engravidou em idade avançada. A segunda surge no Novo Testamento como a profetisa que reconhece o menino Jesus como Messias. E na Idade Média, o nome era comum em reverência à Santa Ana, considerada mãe da Virgem Maria e padroeira de carpinteiros, bons cavaleiros, rendeiras e avós.

Para evitar que “se perdesse” com uma paixão juvenil, Ana foi arrancada da sua cidadezinha no interior de São Paulo e trazida para um vilarejo em Mato Grosso. Os pais acreditavam que seria melhor assim, mas a grande ironia da vida é que a moça mais bela se casou com um homem de temperamento difícil e que tentou matá-la durante a lua de mel.

Cresci assombrada pela história de que o meu tio correu atrás dela com um facão pelo quintal da casa, no sítio, no mesmo dia em que celebraram matrimônio. Mamãe era criança e testemunhou a cena. “Mas ele é bom, trabalhador, apenas bebe demais”. Ou seja, homens bons podem maltratar e até matar suas esposas.

Dona Ana tem mais de 40 anos de casada e se conformou com o destino ao lado daquele marido que ainda hoje grita, xinga e faz ameaças. Mesmo velho, dizem que ele "continua ruim”. Apesar das circunstâncias, ganhou dele cinco filhos e dezenas de netos. Para além das marcas do tempo e sofrimento, ela continua a mais meiga e bonita de todas.

Este ano a filha mais nova dela, e que tem o mesmo nome, não virá passar o Réveillon na cidade, pois não quer dar mais motivos para o pai judiar da mãe. Aliás, as brigas na família são comuns neste período. “Venha a senhora para o sítio”, disse a prima. Quem tem parentes alcoólicos sabe que nessas festas é um tormento: eles bebem muito e se tornam mais violentos.

Ana, Neusa, Maria Alice e Aparecida. Todas elas sofreram violência doméstica. A mais velha nunca conseguiu se liberar, assumiu o casamento como uma missão. Neusa se liberou após a morte (por hidrocefalia). Alice e Aparecida se casaram e separaram algumas vezes e hoje vivem “sozinhas e felizes”. Esta é a saga de mulheres unidas pelos laços de sangue e do sofrimento.

O período deveria ser de alegria e planos para o próximo ano, mas enquanto você lê meu artigo, milhares de meninas e mulheres são mutiladas em seu corpo e sua dignidade das formas mais perversas no Brasil e no mundo. A grande maioria por quem deveria amá-las e respeitá-las. Me questiono sempre, o que fizeram para merecer? Onde está Deus nessas horas?

Rapidamente me transporto para os almoços de domingo na casa da vovó, em que me esgueirava entre o sofá e as almofadas da sala para poder ouvir melhor a conversa das irmãs que eram sempre sussurradas. Havia um choro silencioso. Foi assim que tive contato pela primeira vez com a palavra estupro, que entendi naquele momento que era o que o marido fazia quando “a mulher não queria cumprir suas obrigações”. 

Fecho os olhos e sigo no tempo. Agora tenho nove anos, estou no meu quarto, onde levanto subitamente no meio da noite com o barulho de um grito abafado. Era a minha mãe implorando para ele não bater mais. O coração dispara, fico em silêncio, aterrorizada, e desligo o ventilar para ouvir melhor.

Chorei abraçada com a minha irmãzinha até dormir, implorando a Deus: por favor, não leve também a nossa mamãe (o papai morreu ano passado - em 1986). Havia muitos bichinhos de pelúcia e bonecas no quarto, duas camas com baú atrás, colchas bonitas e uma cortina de ursinhos que ia do teto até o chão. Suor e lágrimas molhavam meus cabelos e dentro de mim uma promessa. “Quando crescer, eu mato ele”.

A viagem no tempo me leva agora para a véspera de Natal, início da década de 90, quando a minha mãe vai entregar presentes para a tia Ana que vivia em uma casa de tábua muito simples, numa rua de chão. Ela descarregou do porta-malas uma cesta com alimentos, roupas e brinquedos para os primos. “Não vou descer”.  E mamãe não ligou.

De repente aquele homem estava parado com uma mão na cintura e outra em um facão ao lado do carro. “Desce agora, Rosimeire, vem pedir a bênção”. Desci com medo, estendi a mão, mas mantive o olhar firme. “O senhor deseja mais alguma coisa, titio?”. Voltei para o carro, enquanto ele gargalhava, dizendo, é assim que se educa meninas petulantes.

Passei muitos anos julgando a minha tia porque nunca quis se separar dele. Hoje eu vejo diferente. Ela carrega o mais pesado dos fardos da família sem questionar. Mesmo que eu não quisesse, o amor e a violência emaranharam as nossas vidas e não há como fugir dessa realidade. Onde começa a dor de uma e termina a da outra? Como eu posso permanecer neste clã sem adoecer? 

Faz mais de dez anos que eu faço psicoterapia e não tenho a maioria das respostas

Faz mais de dez anos que eu faço psicoterapia e não tenho a maioria das respostas. Também não consegui me livrar das lembranças ruins e de todas as promessas infantis que eu fiz para mim mesma. Como diz o ditado, se fugir o bicho pega, se ficar o bicho come. Adotei a postura de “buscadora“, testando novas terapias, estudando e me questionando sobre quem sou como forma de diluir o sofrimento que depois observei, não é apenas meu. É coletivo.

O psiquiatra e psicoterapeuta Carl Jung dizia que: "Até você se tornar consciente, o inconsciente irá dirigir sua vida, e você vai chamá-lo de destino". Enquanto homens e mulheres não se questionarem intimamente sobre por que batem e apanham, estabelecendo uma reconciliação profunda entre feminino e masculino, não vamos conseguir interromper esse ciclo de violência. 

Então, no Réveillon, a cena se repetirá indefinidamente, de geração em geração, por filhos, pais, netos e bisnetos: bêbado, homem tenta matar a esposa com facão ou qualquer outra arma. Alguns conseguem, outros não. Algumas se salvam, outras não.

Rose Domingues Reis é jornalista graduada pela UFMT, especialista em Liderança e Coaching – MBA pela Unic, com formação em Psicologia Positiva pelo Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento (IPPC) de São Paulo e escreve exclusivamente neste espaço aos domingos. E-mail: rosidomingues@gmail.com

Postar um novo comentário

Governador está tenso e preocupado

mauro mendes 400 curtinha   O governador Mauro Mendes anda tenso e preocupado. Mesmo já tendo adotado uma série de medidas de prevenção, inclusive consideradas radicais, ele não dorme direito por causa das projeções nada otimistas de aumento nos próximos dias de casos de coronavírus em...

AL aprovará empréstimo de R$ 550 mi

A Assembleia aprovou, na convocação extraordinária desta sexta (27), dispensa de pauta para a mensagem do Executivo que pede autorização para contrair empréstimo de R$ 550 milhões junto à Caixa Econômica. O recurso será aplicado na construção de pontes de concreto em diversos municípios. Agora, a matéria entra na pauta e será aprovada pela maioria dos deputados na próxima segunda (30),...

Queda nas receitas e o salário regular

emanuel pinheiro 400 curtinha   Prefeitos de um modo geral vão conseguir pagar a folha do funcionalismo de março, na próxima semana, sem tantas dificuldades. Já para abril, a tendência é que passem apurados para manter os vencimentos em dia, por causa do reflexo negativo da pandemia do coronavírus,...

Galvan, afronta à legislação e multa

antonio galvan 400 curtinha   O presidente da Aprosoja-MT, Antônio Galvan (foto), que tentou, mas acabou desistindo da disputa ao Senado, está sempre envolvido em polêmicas, seja nas demandas do agronegócio, seja no cotidiano da política. A mais recente é que ele, juntamente com outros produtores, está...

Destaque nas ações anti-coronavírus

leonardo bortolini leo 400 curtinha   O prefeito de Primavera do Leste Leonardo Bortolin (foto) vem recebendo elogios e ganhou o noticiário nacional por medidas práticas, céleres e seguras no atendimento à população, em meio aos cuidados para prevenção ao coronavírus. Desde a semana...

Reabertura do TCE no próximo dia 13

guilherme maluf 400 curtinha   Numa portaria assinada nesta quinta, conjuntamente com a Procuradoria-Geral do Ministério Público de Contas, o presidente do TCE-MT Guilherme Maluf (foto) prolonga para 12 de abril o fechamento da sede, incluindo todas as unidades administrativas, seja de direção, seja de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.