Rose Domingues

O exercício físico salvou a minha vida

Por 17/11/2019, 06h:44 - Atualizado: 17/11/2019, 06h:56

Dayanne Dallicani

Colunista Rose Domingues

 

Em agosto de 2017, acordei com uma dor insistente no braço esquerdo. Para colocar a bolsa no ombro era difícil, dolorido. Aos poucos, a sensação se intensificou e já não conseguia movimentar o braço. Então, resolvi ir ao médico ortopedista, que após exames e uma entrevista trouxe o diagnóstico: estresse.  

“Como assim, doutor? Não é nada físico?”. O especialista repetiu pausadamente que estava tudo bem com o meu corpo e que todos os sintomas indicavam uma sobrecarga de trabalho aliada à tensão constante. “Você precisa repousar alguns dias para que os movimentos voltem, se não terá de ir à fisioterapia”. Aquela conversa me impactou muito, porque ele insistiu que eu precisava rever a minha rotina, poderia se tornar algo crônico.

Além disso, fiquei uma semana precisando de auxílio dos meus filhos para coisas simples, como pentear o cabelo, trocar de roupa e tomar banho. Você já ficou com a mobilidade reduzida? É horrível!  Naquele final de ano, isso tem dois anos, mesmo realizada no trabalho, eu sabia que não conseguiria manter o ritmo acelerado e teria que fazer uma escolha com mais qualidade de vida. Felizmente surgiu uma oportunidade para trocar de setor três meses depois. Relutante, chorosa, fiz o que achei melhor para a saúde e mudei.  

Logo que saí de uma rotina intensa para a outra menos estressante, o corpo relaxou e me senti desmoronando, física e emocionalmente. Não havia mais excesso de adrenalina, aos fins de semana havia plantão, passei a ter mais tempo livre e mais paz. Sabe o que é não ser perturbada o tempo todo no celular? Não ter prazos impossíveis para cumprir? 

Curiosamente, fiquei repetidas vezes resfriada, cansada e triste. Voltei ao médico para um check up. Precisava descobrir por que me sentia exausta, desmotivada, pois era um sacrifício levantar de manhã, por mim, ficaria deitada o dia todo dormindo, naquela tristeza sem fim. Novamente, após exames, veio o diagnóstico: excesso de estresse.  

Doutora Teresa frisou que os reflexos de uma rotina como a minha levavam meses para desaparecer (ou até anos) e que eu teria de fazer algum tipo de atividade física regular mais intensa (de preferência aeróbica), no mínimo três vezes por semana, para tentar reverter o quadro mais rapidamente. Apenas yoga não serviria.  

A minha situação era urgente porque meu nível de vitamina D estava baixíssimo. “O estresse crônico é altamente tóxico, já que os hormônios cortisol, adrenalina e noradrenalina, liberados nesse processo, reduzem o calibre dos vasos e potencializam o risco de hipertensão e arritmias cardíacas”. Não era grave, mas era delicado. 

Passei a fazer uso por seis meses de vitamina D e C, tive a recomendação de atividade física, caminhada e meditação ao ar livre, perto da natureza, a médica me orientou a ter hobbies também (voltei a tocar piano). Contra minha vontade, fiz um plano na academia em março, durante a promoção do mês da mulher. Procurei encaixar a musculação na minha rotina e comecei.  

Além de emagrecer 5 kg e perder 8% de gordura corporal, tenho mais disposição, energia, alegria, bom humor e qualidade do sono

Se foi fácil? Pelo contrário, os três primeiros meses de musculação foram extremamente complicados, meu corpo não ajudava, os resfriados e crises de rinite persistiram, me sentia com fraqueza, mal-estar, enfim, queria tudo, menos ir à academia. Mas me forcei a ir, até conversava comigo: “Vamos fazer só alguns exercícios, depois vamos embora”.

Como era tudo novo, me sentia irritada com a nova rotina, a exposição ao barulho, pessoas indo e vindo, tinha dores no corpo e esquecia frequentemente tênis e roupa de malhar. Inicialmente, conseguia ir apenas duas vezes na semana, depois mantive três vezes até que, quatro meses depois, algo incrível aconteceu: estava indo de segunda a sábado! 

É importante dizer que eu vivia nesse período um dia de cada vez, como nos alcoólicos anônimos, a cada diálogo interno surgiam vitórias e derrotas. O importante era não desistir após as derrotas e continuar treinando. Porque era como se houvesse um monstro gigante me paralisando! É fundamental dizer palavras de encorajamento a si mesmo, eu escrevia bilhetes pela casa e no trabalho: “Tudo bem você não conseguir ainda, semana que vem tentamos de novo”. Comemore as pequenas vitórias.  

Na academia, fiz questão de dizer para os professores sobre a minha dificuldade e à medida que eles “cuidavam de mim”, respeitando meus limites e indo bem devagar no treino, para eu não me machucar ou ficar muito dolorida no outro dia, eu queria fazer mais, até mudar de nível! Ainda vejo tudo isso como um processo de autoamor, autoconhecimento e autocura. Por isso, prefiro que seja devagar e sempre. 

É importante ter em mente que todos passamos por isso, então, não se permita desistir. Neste mês de novembro faz 1 ano e 7 meses que estou fazendo atividade física regular. Não posso dizer que não sinto cansaço, tristeza e desmotivação. Houve momentos que quis desistir. Mas os avanços são tão gigantes que não dá para parar.  

Na musculação mantive a rotina de treinos rápidos (até 40 minutos), com intensidade moderada de peso e alternância com exercícios aeróbicos (como pular corda, esteira, bicicleta). Já a natação, o que antes era um sacrifício nadar 1 hora, agora é fácil. Estou nadando entre 2 mil e 2,5 mil metros ininterruptamente! Essa é a atividade que mais gosto e a mais relaxante.  

Sou uma senhora de 41 anos transformada, brinco com as amigas quer posso dar meu testemunho sobre o ‘antes’ e o ‘depois’ de iniciar atividade física regular. Tenho mais disposição, energia, alegria, bom humor e qualidade do sono. Nunca mais precisei fazer uso de suplementação, faz tempo que não preciso de vitamina D ou C, hoje o enfoque é alimentação saudável.  

Sem extremos, reduzi açúcar, evito refrigerantes, bebida alcóolica, massas e frituras. Fiquei meses sem comer hambúrguer, por exemplo. Ao invés de ir no senso comum de quem quer emagrecer, eu não admito passar fome. Organizei aminha rotina para fazer todas as refeições de forma equilibrada: café da manhã, lanche no meio da manhã e da tarde, almoço (reduzi a quantidade de arroz) e no jantar gosto de um pratão de salada, com mandioca e carne, sanduiche natural ou omelete com salada.  

Resultado prático na balança e nas roupas: menos 6 kg e 8% de gordura corporal (o que é incrível), meu número que estava oscilando do 38 para o 40 (nas roupas) voltou para o 38 e até 36, ou seja, emagreci muito (mesmo não sendo o foco). O formato do meu corpo mudou, está mais torneado e a “pochete” no entorno da cintura quase sumiu (especialmente quando deixei de ingerir açúcar e refrigerante). 

Sei que existem mil desculpas para não começar. Outras mil para desistir, mas até quando vamos colocar a responsabilidade de ser feliz nas mãos de outras pessoas? Não existe outro momento melhor para ser feliz e se amar do que agora. Vamos juntos e sempre! Contem com meu apoio, porque fazer exercícios salvou a minha vida!

Rose Domingues Reis é jornalista graduada pela UFMT, especialista em Liderança e Coaching – MBA pela Unic, com formação em Psicologia Positiva pelo Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento (IPPC) de São Paulo e escreve exclusivamente neste espaço aos domingos. E-mail: rosidomingues@gmail.com

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Paulo Américo | Terça-Feira, 19 de Novembro de 2019, 23h00
    0
    0

    Obrigado Rose pelo exemplo!!! Acho q foi o q me faltava ler e ver para iniciar o qto antes na academia. Há 3 anos fui duagnisticado c crises hipertensivas. Fiz várias mudanças no estilo de vida e hone já não uso mais remédios há meses! Mas falta a tividade física. E isto estará na minha agenda amanhã!!!

Contrato para tocar eventos do TCE

O presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Guilherme Maluf, fechou um contrato anual com a Infortouch Agência e Comunicação, Eventos e Produtos Alimentícios, aproveitando ata de registro de preços  do Tribunal de Justiça de MT, com adesão-carona num processo de 2019. A empresa vai faturar R$ 376,9 mil para atender demandas do TCE em toda logística de eventos, envolvendo as etapas de planejamento,...

Ação de promotor e volta de restrições

Adalberto Ferreira   O promotor de Justiça Adalberto Ferreira garante que prefeito de Juscimeira Moisés dos Santos não havia editado nenhum decreto endurecendo as regras de restrições à pandemia do coronavírus antes do MPE propor ação na Justiça. Ao falar sobre nota publicada...

Oséas agora está nas mãos de Abílio

oseas machado 400 curtinha   Oséas Machado (foto) conseguiu derrubar Abílio Júnior, a quem denunciou por quebra de decoro parlamentar, e assumiu a cadeira deste na Câmara da Capital. Agora, o cassado se articula para dar o troco. O problema é que ambos estão no PSC. Oséas quer buscar a...

Decreto "anula" o MPE em Juscimeira

moises 400 juscimeira curtinha   Em Juscimeira, o promotor de Justiça Adalberto Ferreira recorreu à Justiça de forma desnecessária. Pleiteou e conseguiu uma liminar para suspender um decreto do prefeito Moisés dos Santos que, segundo a ação, havia reduzido as medidas de isolamento social, permitindo...

Kero-Kero quer levar Abílio para Pode

wilson kero kero 400 curtinha   Na contagam regressiva do prazo para o troca-troca partidário - vence em 3 de abril para quem pretende ser candidato em outubro deste ano -, o vereador Wilson Kero-Kero (foto), do PSL e um dos opositores à gestão Emanuel Pinheiro em Cuiabá, está fortalecendo o Podemos. E se...

ECSP explica confusão com Marcrean

marcrean 400 curtinha   A Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) emitiu nota sobre a suposta “carteirada” do vereador Marcrean Santos (foto) no HMC. Ele foi pivô de confusão e um vídeo viralizou nas redes sociais. Segundo a ECSP, o parlamentar foi até o local pedir informações...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.