Sirlei Theis

Não violência contra a mulher. Supere-se

Por 02/12/2019, 09h:55 - Atualizado: 02/12/2019, 10h:32

Dayanne Dallicani

Colunista Sirlei Theis

Na semana em que se comemorou o dia da “não violência contra a mulher”, eu tive o privilégio de ver o meu nome e o projeto supere-se, citados pelo Senador Wellington Fagundes, no plenário do Senado da República, num evento preparado especialmente para tratar do tema. O Senador ainda deu destaque ao fato de ter aprendido muito sobre a questão, na ocasião em que fomos candidatos ao Governo do Estado do Mato Grosso, em 2018, principalmente ao definirmos nosso plano de governo para esta área no Estado. O pronunciamento teve destaque no site do Senado e em outras mídias nacionais ao ressaltar a importância e necessidade de envolver o homem não só nos debates como também nas ações de combate a violência contra a mulher.

Este tema é complexo e tenso o que leva muitas pessoas a não se envolverem

Como militante da área quero aqui parabenizar o Senador Welington pelo posicionamento, uma vez que este tema é complexo e tenso o que leva muitas pessoas a não se envolverem, principalmente os homens. Infelizmente para muitos o envolvimento só chega quando uma mulher que faz parte do núcleo familiar sofre algum tipo de abuso.

Como ex-vitima de violência doméstica posso afirmar que ninguém está livre deste tipo de crime pois toda mulher é uma “vítima” em potencial, independentemente da classe social, grau de instrução ou idade. É um tipo de violência que pode atingir a todas da mesma forma, por isso o tema deveria ser de interesse de toda a sociedade, pois só assim, seria possível projetar um futuro diferente para as mulheres.

Neste processo de  combate a violência contra a mulher o homem é de suma importância para essa luta, principalmente porque na maioria dos casos “ele” é o “agressor”.

A mulher como “vitima” da violência, precisa da proteção e a garantia de um atendimento adequado em todas as esferas da administração pública, bem como a orientação para se proteger e evitar um relacionamento abusivo. As ações hoje existentes não estão obtendo o resultado almejado, sendo necessário muito mais.

Outro ponto a ser debatido é o machismo reproduzido de geração em geração por  homens e mulheres, se não mudarmos este comportamento produzindo uma verdadeira mudança social vamos avançar muito pouco ou quase nada no combate a violência contra a mulher. Alias não há como se falar em combate se homens e mulheres não pararem para reavaliar o seu comportamento enquanto seres humanos, até porque, o pensamento machista já toma conta de todo o núcleo familiar, o que acaba por colocar a figura do homem em posição superior a da mulher. Essa relação de superioridade e submissão vista como uma questão natural, dificulta para a mulher identificar que está em um relacionamento abusivo, principalmente nos casos onde a violência “física” ainda não se apresenta.

O preconceito que se vê em relação a violência contra a mulher é tão latente, que impede as pessoas de se envolverem com a causa. Nos eventos que tratam o tema dificilmente as “vítimas” e “agressores” participam. Geralmente apenas as pessoas que trabalham com o tema se envolvem com a questão.

Entendo, que o Poder Público, precisa sim fazer sua parte, investir intensamente em programas de combate a violência contra a mulher, melhorar a infraestrutura para o atendimento às vítimas em todo o País e também rever a legislação penal, prevendo penas mais severas para os agressores.

A grande mudança vai acontecer quando toda a sociedade entender que também é responsável pelo cenário que se apresenta, havendo a necessidade de uma mudança geral no padrão de comportamento

Porém, a grande mudança vai acontecer quando toda a sociedade entender que também é responsável pelo cenário que se apresenta, havendo a necessidade de uma mudança geral no padrão de comportamento, a começar pela própria mulher, que precisa se enxergar em seus relacionamentos como um ser humano de direitos e valores iguais ao do homem e nunca como uma pessoa submissa ou inferior.

Pensando nisso, o projeto Supere-se, foi desenvolvido para ir a todas as pessoas, homens e mulheres, em todos os seguimentos da sociedade, propondo uma auto reflexão e isso tem resultado em mudança de pensamento e comportamento. A receita é simples uma linguagem não agressiva e uma história de vida que tem inspirado pessoas.

O projeto Supere-se, será apresentado essa semana (04/12), em Brasília em um evento nacional, promovido pelo Movimento Ordem e Progresso – MOP, na Câmara federal, mais um importante passo nesta cruzada pessoal de mobilização social, trabalho este que convido você a conhecer e participar. Se eu consegui, você também pode, bem vinda ao mundo onde a superação é possível e viável. Desde o inicio esta foi minha escolha, apresentar um caminho seguro para toda mulher que decidir dar um basta e a todo homem que aceitar se tratar. Investir na recuperação da família, célula máter da sociedade deve ser um compromisso de todos nós.

Sirlei Theis é advogada, especialista em gestão pública, palestrante e treinadora comportamental e escreve com exclusividade para esta coluna às segundas. E-mail: sirleitheis@gmail.com. Instagram: @sirleitheis. Facebook: sirleitheisoficial

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Joel de Aquino | Segunda-Feira, 02 de Dezembro de 2019, 11h02
    1
    0

    Parabéns.....Tenho observado, através de depoimentos os benefícios que essas palestras tem proporcionado, por isso resolvi fazer com que fosse ministrada também em Colíder , no dia 20/12, e boa parte da população aguardam com uma certa ansiedade Mas uma vez PARABÉNS, que continue..!!! Pois os benefícios tem sido grande.

1º projeto beneficia a Grande Cáceres

leonardo 400 curtinha   O deputado Leonardo (foto) conseguiu aprovação de um projeto na Câmara Federal que amplia prazo sobre registro de imóveis na fronteira, beneficiando a região Oeste, especialmente Cáceres, que faz fronteira com a Bolívia. A matéria agora segue para o Senado. A...

Denúncia, psiquiatria e agora atestado

elizabeth 400 curtinha   Lotada como técnico-administrativo do RH do Hospital Metropolitano da Capital, Elizabete Maria de Almeida (foto), recorreu a um psiquiatra uma semana depois de registrar um BO e, sem apresentar provas, acusar o prefeito Emanuel de negociata, inclusive com dinheiro vivo para vereadores, com vistas a...

Título de Cidadã para senadora goiana

janaina riva 400 curtinha   A Assembleia fará sessão solene nestes últimos dias de 2019 para prestar homenagem a várias personalidades de diferentes segmentos e profissões. Uma das que serão condecoradas com o Título de Cidadã Mato-Grossense é a goiana Kátia Regina de Abreu,...

Francis sem os vereadores do partido

cesare 400 curtinha vereador caceres   A administração Francis Maris em Cáceres se tornou tão emblemática que perdeu apoio dos dois únicos vereadores do seu partido, o PSDB, na Câmara Municipal. Os tucanos Valdeniria Dutra e Claudio Henrique integram hoje o bloco de oposição ao prefeito,...

Gilberto prestigia sobrinho na Câmara

marcelo oliveira 400 curtinha   Depois de 11 meses sem pisar os pés na Câmara Municipal de Cuiabá, o vereador licenciado Gilberto Figueiredo, secretário estadual de Saúde e um dos pré-candidatos a prefeito do grupo do governador Mauro, apareceu neste sábado na sede do Legislativo, no ato que marcou a...

Suplente que terá 2 anos de mandato

adilton da levante 400 curtinha   Derrotado à reeleição em 2016, Adilson da Levante (foto) reassumiu cadeira de vereador pela Capital desde janeiro deste ano e deve prosseguir no cargo até o final do mandato, em dezembro de 2020. É que o titular Gilberto Figueiredo, que se elegeu pelo PSB e vai migrar para o DEM,...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.