Sirlei Theis

Pedágio na BR-163

Por 05/10/2020, 07h:58 - Atualizado: 05/10/2020, 09h:00

Arte/Dayanne Dallicani

Colunista Sirlei Theis

No último final de semana viajei para o norte do Estado de Mato Grosso dirigindo e, tive a oportunidade de ver não só o movimento das estradas, como também a situação em que se encontra a rodovia. Para ir e voltar gastei R$40,60 em pedágio. Diante da grande circulação de veículos, imaginei o quanto a concessionária que administra a rodovia arrecada em um dia, uma semana, em um mês ou ainda em um ano.

Nunca fui contra os pedágios até porque já viajei de carro muito para esse região em épocas que a rodovia era praticamente intransitável. A referência que sempre tive de estradas com cobrança de pedágios é das estradas do Estado de São Paulo. Estradas largas, duplicadas, triplicadas, asfaltos perfeitos, acostamentos decentes e sinalização impecável.

A situação da BR-163 realmente está muito melhor do que outrora, mas está longe de valer o valor que pagamos por trecho. Estradas com buracos, cheias de remendos, asfaltos deformados, sinalização deficiente e praticamente inexiste acostamentos. Fatos que contribuem em muito para a quantidades de acidentes fatais que ocorrem nas estradas.

Para quem não sabe, o pedágio é um direito de passagem que pagamos por meio de uma tarifa que permite o veículo passar de uma região para outra. O valor que pagamos serve para manutenção das vias. É uma forma encontrada para restituir a concessionária pelos custos de construção e manutenção das estradas.

É revoltante para nós brasileiros observarmos que em razão de aspectos ideológicos e pela falta de controle fiscal nos recursos públicos nunca recebemos os serviços com a qualidade que deveríamos receber

Sirlei Theis

A construção e manutenção das estradas é uma obrigação dos governos federais, estaduais e municipais, cada qual na esfera da sua competência, mas como bem lembramos, as rodovias em nosso Estado antes da privatização eram intransitáveis, principalmente pelo grande tráfego de veículos pesados com transporte de cargas.

O pedágio que pagamos além de permitir a passagem, também nos dá direitos de exigir que o serviço seja prestado com qualidade. Não podemos nos acomodar e achar que porque está melhor do que antes, já está bom.  Não podemos esquecer que pelo valor que pagamos pelo pedágio temos direitos à manutenção das estradas, além dos serviços de segurança ao motorista, como primeiros socorros, guincho e telefones espelhados pelo percurso da rodovia para ligações de emergência.

Matérias em diversos sites mostram que a arrecadação dos pedágios aumenta a cada ano e de acordo com uma matéria no Nexo Jornal, o Brasil é um dos países que mais concede estradas para a iniciativa privada. Logo, também deveria ser o País com as melhores estradas, o que está longe de ser verdade.

É revoltante para nós brasileiros observarmos que em razão de aspectos ideológicos e pela falta de controle fiscal nos recursos públicos nunca recebemos os serviços com a qualidade que deveríamos receber.

Presenciei nessa viagem acidentes e quase acidentes, que poderiam ter sido evitados se tivéssemos sinalização adequada e também existissem mais acostamentos. Até quando isso vai acontecer em nosso Brasil, até quando?

Sirlei Theis é advogada, especialista em gestão pública, palestrante e treinadora comportamental e escreve com exclusividade para esta coluna às segundas. E-mail: sirleitheis@gmail.com. Instagram: @sirleitheis. Facebook: sirleitheisoficial

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Citizenship | Segunda-Feira, 05 de Outubro de 2020, 14h50
    0
    1

    No caso da BR-163, a empresa Rota do Oeste, vencedora do leilão de concessão, sofreu a intercorrência de um imprevisto no seu Plano de Negócios, que bloqueou o acesso da empresa aos planos de financiamento bancário necessários para suportar os investimentos necessários para a execução das exigências de modernização previstas no contrato de concessão, firmado ainda sob o governo Dilma Rousseff. Refiro-me à Operação Lavajato, que em nome do combate à corrupção de dirigentes das empresas, dificultou sobremaneira a permanência das empresas no mercado, ainda que seja conhecida a capacidade técnica das mesmas para a execução de grandes projetos de engenharia. Em nome de um saudável e desejável enfrentamento à corrupção, viu-se, por exacerbação persecutória, o desmantelamento de empresas que produziam grande parte da infraestrutura nacional e de empregos. É necessário restaurar o acesso das empresas às linhas de crédito do BNDES e dos demais bancos e esculpir adequações contratuais, para que as empresas concessionárias possam voltar a desenvolver os planos aprovados.

Esposa de deputado na 2ª suplência

maria avalone 400   Não foi só o deputado estadual Wilson Santos que frustrou-se na tentativa de eleger membro da família à cadeira de vereador. O também parlamentar Carlos Avalone, presidente regional do PSDB, apostou todas as fichas na esposa Maria Avalone. Mas ela só chegou à...

Neurilan e apoio de Botelho à AMM

eduardo botelho 400 curtinha   Em busca de apoio de lideranças políticas para permanecer no comando da AMM por mais três anos, Neurilan Fraga foi pedir socorro para o presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (foto). Quer que o parlamentar seja o presidente de honra de sua chapa. Neurilan tem se articulado como pode e,...

Candidato irritado chama EP de traste

abilio junior 400 curtinha   Abílio Júnior (foto), candidato do Podemos ao Palácio Alencastro, tem se mostrado mais irritado depois do debate promovido pela Fecomércio, na quarta à noite, quando, em vários momentos, se viu questionado e desqualificado pelo prefeito e candidato à...

Prefeito reeleito sob investigações

ze do patio 400 curtinha   A situação jurídica do prefeito populista e desgastado Zé do Pátio (foto), que acaba de ser reeleito para o terceiro mandato em Rondonópolis, sendo o segundo consecutivo, não é das melhores. Contra sua gestão tem pipocado denúncias sobre...

Prefeitos revoltados com Neurilan

neurilan fraga 400 curtinha   Vários prefeitos, especialmente os recém-eleitos, se mostram revoltados com novas manobras promovidas no estatuto da AMM pelo seu "eterno" presidente Neurilan Fraga (foto), que tenta, de todas as formas, se auto-beneficiar na eleição que deveria ocorrer em janeiro, mas que foi antecipada...

Candidato a reitor e 2 apoios fortes

dimorvan rui 400   O candidato de oposição a reitor do IFMT, Deiver Teixeira, recebeu dois apoios importantes. As manifestações de adesão à candidatura vieram dos professores Ruy Oliveira e Dimorvan Brescancim. Ruy foi candidato a reitor nos últimos dois pleitos e é um pesquisador...