Vivaldo Lopes

Cenário econômico 2020

Por 02/01/2020, 07h:23 - Atualizado: 23/01/2020, 07h:24

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O ano de 2020 começa sob o signo do otimismo. Os indicadores econômicos sinalizam reaquecimento da atividade econômica após a longa recessão de 2014 a 2016 e os três últimos anos frustrantes (2017, 18 e 19). No início de cada um desses anos, todos os analistas do mercado apostaram em crescimentos acima de 2,7% e o PIB cresceu pouco acima de 1%. O ano que termina é visto muito mais pelos sinais de retomada do crescimento emitidos nos dois últimos trimestres do que pelo pífio crescimento previsto de 1,3%.

Indicadores econômicos sinalizam reaquecimento da atividade econômica após a longa recessão de 2014 a 2016 e os três últimos anos frustrantes (2017, 18 e 19)

Entendo ser mais provável para a economia do Brasil em 2020 o cenário básico de crescimento do PIB de 2,5%, com inflação próxima de 3,65%, taxa básica de juros de 4.5% e o câmbio flutuando próximo da relação US$ 1,00/R$ 4,20.

Puxado pelo aumento do consumo, turbinado pela liberação de recursos do FGTS e leve aumento do emprego, o último semestre forte de 2019 impulsionará os dois primeiros trimestres deste ano. Em minhas análises, assumo a hipótese de que o Banco Central vai manter a taxa básica de juros em 4,5% durante todo o ano de 2020, monitorando cautelosamente os efeitos da aceleração do consumo das famílias sobre a inflação.

A queda da taxa Selic  já proporciona efeitos positivos no mercado de crédito, com destaques para o crédito imobiliário e de consumo de bens duráveis. A taxa básica de juros baixa, combinada com inflação abaixo de 4%, também já promove um movimento de redirecionamento de recursos até então investidos em renda fixa com ganhos indexados à inflação para o mercado de ações e investimentos em novos negócios ou expansão de outros já existentes. Somente no último trimestre de 2019, o número de investidores individuais em ações da Bovespa (B3) saltou de pouco mais de 800 mil para quase dois milhões de investidores. Esse cenário deve motivar muitas empresas a captarem recursos no mercado de capitais por meio das ofertas públicas de ações, a forma mais barata que uma empresa dispõe para se capitalizar e expandir sua produção. O consumo das famílias e o investimento estão acelerados, reduzindo o nível de ociosidade das fábricas, proporcionando os primeiros sinais de recuperação industrial, com destaque para a indústria de transformação.

Falta ainda atrairmos de volta os investidores estrangeiros que estão muito céticos diante das incertezas jurídicas e institucionais causados pelas trapalhadas políticas de membros da administração federal que ora flertam com o retorno da ditadura, ora emitem sinais de que sustentabilidade e proteção ambiental não estão no radar de prioridades das lideranças do país. O investidor externo teme que tais fatos possam gerar restrições comerciais dos grandes mercados, diminuindo as exportações brasileiras o que pode frustrar suas expectativas de retorno financeiro. Por outro lado, o protagonismo assumido pelo renovado congresso nacional na aprovação da reforma previdenciária e na condução da reforma tributária ajuda a melhorar o ambiente de negócios no mercado interno e internacional.

Vejo o cenário internacional como a principal ameaça para o crescimento econômico do Brasil em 2020

A aprovação da reforma da previdência e outras reformas microeconômicas sinalizam que o time econômico do presidente Jair Bolsonaro conseguiu reduzir o risco fiscal e conter a trajetória crescente dos gastos públicos. As ações contracionistas do governo fizeram com que o capital privado assumisse o protagonismo do reaquecimento da atividade econômica.

Vejo o cenário internacional como a principal ameaça para o crescimento econômico do Brasil em 2020. As tensões entre Estados Unidos e China, as duas maiores economias do planeta, podem reduzir o desempenho econômico global, chegando até aqui. No entanto, nesta virada de ano, o próprio presidente americano anunciou que a fase 1 do acordo com a China será assinado em 15 de janeiro próximo.

Outro fator de risco é a ameaça de uma nova moratória da dívida Argentina. A medida extrema pode aumentar o nível de desconfiança das economias sul-americanas, além de travar as exportações do Brasil para aquele país que é o nosso terceiro maior parceiro no comércio externo.

Como diriam os velhos sábios da minha Alto Paraguai, no balanço de riscos, o novo ano surge no radar com mais sinais de céu de brigadeiro que de chuvas e trovoadas.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Podemos absorve a turma do barulho

O Podemos conseguiu juntar no seu diretório em Cuiabá a turma do barulho. Dela fazem parte dois com mandatos cassados, Abílio Júnior, que perdeu a cadeira de vereador por quebra de decoro, e a senadora Selma Arruda, cassada por caixa 2 e abuso de poder econômico, mas que ainda continua no cargo. Selma impôs condições para seguir no partido. Chegou a negociar ida para o PSC. E ganhou a presidência municipal do Pode, forçando o...

Secretário, furtos e a incompetência

rodrigo metello 400 curtinha   O secretário de Transporte e Trânsito de Rondonópolis, Rodrigo Metello (foto), filiado ao MDB e pré-candidato a vereador, corre risco de ser acionado na Justiça por centenas de pessoas que tiveram motocicletas apreendidas e que depois acabaram furtadas do Pátio Rondon. O local...

Vereador na base e críticas a Leonardo

leonardo 400 curtinha   Chico 2000, vereador pela Capital, assegura que não procede a informação de que o seu Partido Liberal irá romper com o prefeito Emanuel, não o apoiando à reeleição. Segundo ele, foi Leonardo Oliveira (foto), que participou na quarta de uma reunião do...

Embates sobre a cadeira da discórdia

selma arruda curtinha 400   A cadeira da senadora Selma Arruda (foto), que está cassada há um ano mas, mesmo assim, continua no cargo, vem dividindo opinião de vários líderes políticos, uns torcendo logo para a Mesa do Senado decretar a vacância para Carlos Fávaro assumir a vaga, outros...

PL avisa Chico que não apoiará EP

chico 2000 curtinha   O vereador Chico 2000 (foto), único do PL na Câmara de Cuiabá e governista de carteirinha, se mostrou  desconfortável politicamente quando foi informado nesta quinta que a legenda liberal não vai apoiar a reeleição do prefeito Emanuel, do MDB. O partido é comandado no...

Bolsonarista esperançoso no Patriota

roberto franca curtinha   Roberto França (foto) decidiu fazer uma aposta arriscada com vistas às urnas de outubro. Aos 71 anos, metade deles ocupando cargos eletivos, como de vereador, deputado estadual e federal e prefeito de Cuiabá, ele trocou um partido nanico por outro, do PV para o Patriota. A esperança do...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.