Vivaldo Lopes

Cenário econômico 2020

Por 02/01/2020, 07h:23 - Atualizado: 23/01/2020, 07h:24

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O ano de 2020 começa sob o signo do otimismo. Os indicadores econômicos sinalizam reaquecimento da atividade econômica após a longa recessão de 2014 a 2016 e os três últimos anos frustrantes (2017, 18 e 19). No início de cada um desses anos, todos os analistas do mercado apostaram em crescimentos acima de 2,7% e o PIB cresceu pouco acima de 1%. O ano que termina é visto muito mais pelos sinais de retomada do crescimento emitidos nos dois últimos trimestres do que pelo pífio crescimento previsto de 1,3%.

Indicadores econômicos sinalizam reaquecimento da atividade econômica após a longa recessão de 2014 a 2016 e os três últimos anos frustrantes (2017, 18 e 19)

Entendo ser mais provável para a economia do Brasil em 2020 o cenário básico de crescimento do PIB de 2,5%, com inflação próxima de 3,65%, taxa básica de juros de 4.5% e o câmbio flutuando próximo da relação US$ 1,00/R$ 4,20.

Puxado pelo aumento do consumo, turbinado pela liberação de recursos do FGTS e leve aumento do emprego, o último semestre forte de 2019 impulsionará os dois primeiros trimestres deste ano. Em minhas análises, assumo a hipótese de que o Banco Central vai manter a taxa básica de juros em 4,5% durante todo o ano de 2020, monitorando cautelosamente os efeitos da aceleração do consumo das famílias sobre a inflação.

A queda da taxa Selic  já proporciona efeitos positivos no mercado de crédito, com destaques para o crédito imobiliário e de consumo de bens duráveis. A taxa básica de juros baixa, combinada com inflação abaixo de 4%, também já promove um movimento de redirecionamento de recursos até então investidos em renda fixa com ganhos indexados à inflação para o mercado de ações e investimentos em novos negócios ou expansão de outros já existentes. Somente no último trimestre de 2019, o número de investidores individuais em ações da Bovespa (B3) saltou de pouco mais de 800 mil para quase dois milhões de investidores. Esse cenário deve motivar muitas empresas a captarem recursos no mercado de capitais por meio das ofertas públicas de ações, a forma mais barata que uma empresa dispõe para se capitalizar e expandir sua produção. O consumo das famílias e o investimento estão acelerados, reduzindo o nível de ociosidade das fábricas, proporcionando os primeiros sinais de recuperação industrial, com destaque para a indústria de transformação.

Falta ainda atrairmos de volta os investidores estrangeiros que estão muito céticos diante das incertezas jurídicas e institucionais causados pelas trapalhadas políticas de membros da administração federal que ora flertam com o retorno da ditadura, ora emitem sinais de que sustentabilidade e proteção ambiental não estão no radar de prioridades das lideranças do país. O investidor externo teme que tais fatos possam gerar restrições comerciais dos grandes mercados, diminuindo as exportações brasileiras o que pode frustrar suas expectativas de retorno financeiro. Por outro lado, o protagonismo assumido pelo renovado congresso nacional na aprovação da reforma previdenciária e na condução da reforma tributária ajuda a melhorar o ambiente de negócios no mercado interno e internacional.

Vejo o cenário internacional como a principal ameaça para o crescimento econômico do Brasil em 2020

A aprovação da reforma da previdência e outras reformas microeconômicas sinalizam que o time econômico do presidente Jair Bolsonaro conseguiu reduzir o risco fiscal e conter a trajetória crescente dos gastos públicos. As ações contracionistas do governo fizeram com que o capital privado assumisse o protagonismo do reaquecimento da atividade econômica.

Vejo o cenário internacional como a principal ameaça para o crescimento econômico do Brasil em 2020. As tensões entre Estados Unidos e China, as duas maiores economias do planeta, podem reduzir o desempenho econômico global, chegando até aqui. No entanto, nesta virada de ano, o próprio presidente americano anunciou que a fase 1 do acordo com a China será assinado em 15 de janeiro próximo.

Outro fator de risco é a ameaça de uma nova moratória da dívida Argentina. A medida extrema pode aumentar o nível de desconfiança das economias sul-americanas, além de travar as exportações do Brasil para aquele país que é o nosso terceiro maior parceiro no comércio externo.

Como diriam os velhos sábios da minha Alto Paraguai, no balanço de riscos, o novo ano surge no radar com mais sinais de céu de brigadeiro que de chuvas e trovoadas.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

Sob recall e apoiamento de Bolsonaro

roberto franca 400 curtinha   Mesmo isolado e sem grupo político da época em que foi prefeito por duas vezes, Roberto França (foto), filiado ao nanico Patriota, não desiste da pré-candidatura em Cuiabá. E há um motivo forte que o deixa empolgado. Seu nome vem se consolidando como o segundo nas...

Prejuízos para Acorizal de R$ 753 mil

clodoaldo monteiro 400 curtinha acorizal   O conselheiro interino Moisés Maciel concedeu medida cautelar proposta pela secretaria de Controle Externo de Contratações Públicas do TCE, suspendendo de imediato um termo de parceria, em vigor desde 2017, entre a prefeitura de Acorizal e a Oscip Iso Brasil. Foi descoberto...

"Eu não devo um centavo para Júlio"

sergio rezende 680   O empresário e ex-vereador de Chapada dos Guimarães, Sergio Rezende (foto), que foi "enquadrado" pelo cacique político do DEM, Júlio Campos, reagiu, mas sem as críticas duas de antes contra o ex-governador. Irritado pelos ataques feitos por Rezende em um grupo de WhatsApp, Julio gravou um...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.