Vivaldo Lopes

A recuperação econômica

Por 22/10/2020, 08h:01 - Atualizado: 22/10/2020, 08h:05

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

Formou-se um quase consenso no meio governamental, empresarial, analistas do mercado financeiro, economistas e consultorias financeiras que a retomada da atividade econômica do país se dará, de forma lenta, em 2021, após a inesperada interrupção de 2020. As divergências surgem a partir da discussão sobre como financiar a recuperação. Alguns admitem ser aceitável que, diante da atual situação fragilizada da economia, o governo deve gastar mais dinheiro para promover a recuperação e assegurar o futuro.  Alegam que os gastos para alavancar a recuperação serão compensados com o PIB voltando a crescer, aumentando o consumo, a produção, lucros, empregos e arrecadação de tributos. Outra linha de pensamento assegura que o estado atuou bem na fase mais aguda da crise econômica, ofertando crédito para as empresas, flexibilização tributária e trabalhista, renda emergencial aos desempregados e socialmente fragilizados pela pandemia. Deve, daqui em diante, atuar para promover as reformas estruturais, como a administrativa, emergencial, tributária, novo pacto federativo, privatizações, novos marcos regulatórios, reduzir gastos operacionais, manter a inflação sob controle, juros baixos. Nesse novo ambiente de negócios pós pandemia o capital privado terá protagonismo na recuperação da economia, exigindo-se menos gastos governamentais.

Após a freada brusca e a profunda queda do PIB nos meses de março, abril e maio, a economia brasileira voltou a crescer timidamente em junho, sinalizando reaquecimento nos dois últimos trimestre do ano. Um dos motores desse reaquecimento foi o alto impacto do programa de auxílio emergencial que injetou mais de R$ 264 bilhões, beneficiando mais de 68 milhões de pessoas, segundo relatórios divulgados pelo Ministério da Economia. Além das medidas elencadas acima, o tesouro nacional aprovou programa de socorro financeiro aos estados e municípios que contemplou aporte financeiro para enfrentarem crise de caixa com a queda de arrecadação e suspensão do pagamento das parcelas das dívidas destes com o próprio tesouro federal e bancos públicos. Esse enorme esforço fiscal vai custar mais de R$ 800 bilhões ao país, aumentando a dívida pública.

Se a administração federal tiver força e habilidade política para aprovar as reformas, dará a sua grande contribuição para a economia deslanchar

Vivaldo Lopes

Vejo como fundamental a participação do capital privado na retomada do crescimento econômico, sem, entretanto, prescindir da participação do estado. As argumentações econômicas são de que o Brasil teve que aumentar seu endividamento para enfrentar a crise sanitária que virou crise econômica. Atingiu 95% do PIB, patamar acima do aceitável pelo mercado mundial de crédito para países emergentes. Se a administração federal tiver força e habilidade política para aprovar as reformas, dará a sua grande contribuição para a economia deslanchar e o investimento privado prosperar, especialmente em áreas como infraestrutura, inovação tecnológica e a chamada industrialização 4.0. Por outro lado, é preciso considerar que o histórico e a cultura brasileira de alta dependência do setor público não vão desaparecer num passe de mágica a partir de janeiro próximo. A “descoberta”, pelo governo federal, de um imenso exército de desamparados e o próprio sucesso do programa de auxílio emergencial estabeleceram uma verdade: a impossibilidade de se retirar repentinamente essa proteção social ao final deste ano. Trata-se até mesmo de uma questão humanitária: ajudar as famílias a pagar seus aluguéis, manter comida para suas crianças e prepará-las para se tornarem adultos saudáveis e produtivos. O mercado de trabalho levará mais tempo para reaquecer e o número de desempregados deve até aumentar nos primeiros meses do próximo ano, exigindo um programa de transferência de renda antes de retornarem ao mercado. A elevada liquidez de poupança no mercado mundial, juros internos e internacionais muito baixos proporcionam oportunidade ímpar para o Brasil captar recursos a custos menores, alterar o perfil de sua dívida e ajudar a financiar a travessia da crise para o reaquecimento da atividade econômica sem ameaçar a solvência futura do país.

A aprovação das reformas, realocação de recursos orçamentários e redução dos gastos são componentes importantes para tornar isso uma realidade. Será preciso, naturalmente, que o atual governo consiga liderar coalização que envolva toda nação, poder executivo, parlamento nacional e judiciário, alinhados sob o princípio de que a situação exige grandeza de todos e que o momento é de se tomar decisões pensando nas próximas gerações e não apenas nas próximas eleições.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia. É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Emanuel é quem mais realizou obras

emanuel pinheiro 400 curtinha   Um levantamento da empresa Percent Pesquisa & Consultoria, feita em Cuiabá entre os últimos dias 13 e 14, destaca que, na percepção de 49% dos cuiabanos, o prefeito reeleito Emanuel Pinheiro (foto) foi o que mais fez obras e serviços. Em segundo lugar, com 19,8%, é citado...

Emendas ajudam Unemat de ROO

thiago silva 400 curtinha   Em reunião com o reitor da Unemat, Rodrigo Zanin, e com o pró-reitor Alexandre Porto, o deputado estadual Thiago Silva (foto) tratou da emenda de R$ 1 milhão para manter o curso de direito e abertura do de jornalismo em Rondonópolis neste ano. E, juntos, definiram o modelo de...

Presidente da Ucmmat quer reeleição

edcley lopes ucmmat 400   Reeleito para o sexto mandato e com a maior votação em Vila Bela da Santíssima Trindade, o vereador Edcley Lopes Coelho (foto), que obteve 391 votos pelo Solidariedade, luta agora por outro desafio. Quer se reeleger presidente da Ucmmat, entidade que congrega as câmaras municipais com seus 1.404...

Elisângela conduz Secom da Câmara

elisangela tenorio 400 curtinha   A jornalista Elisângela Tenório (foto) está de volta ao comando da Comunicação Social da Câmara de Cuiabá. Ela ocupou o mesmo cargo na gestão Justino Malheiros, mas, na época, não teve à disposição estrutura para desevolver uma...

Logística em MT pra distribuir vacinas

mauro mendes 400 curtinha   O governo estadual já providenciou toda logística para levar as vacinas anti-Covid-19 aos municípios. O governador Mauro Mendes (foto) destaca que, em princípio, adquiriu 3,5 milhões de seringas. Os lotes de vacinas chegam a MT até a próxima quarta. Seguindo o Plano...

Emanuel no PTB e reeleição do filho

emanuelzinho 400   O PTB está sendo preparado para receber a filiação do prefeito Emanuel Pinheiro, que iniciou o segundo mandato em Cuiabá. Sem ambiente para seguir no MDB, onde passou a enfrentar resistência de toda a bancada do partido na Câmara Federal e na Assembleia, Emanuel recebeu convite de...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT optou pela implantação do BRT em Cuiabá-VG em detrimento do VLT. O que você acha disso?

Estou de acordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.