Vivaldo Lopes

Decisão tardia

Por 01/08/2019, 07h:12 - Atualizado: 01/08/2019, 07h:17

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

Em linha com tendência mundial já adotada por bancos centrais europeus e dos países emergentes, o Banco Central do Brasil anunciou ontem ( 31) a redução da taxa básica anual de juros (Selic) de 6,5% para 6,0%. O menor patamar de juros básicos da economia brasileira desde 1996. O comunicado emitido pelo Banco Central sinaliza que virão outros cortes, sendo possível terminar 2019 com juros básicos de 5,0% ao ano.

Comunicado emitido pelo Banco Central sinaliza que virão outros cortes, sendo possível terminar 2019 com juros básicos de 5,0% ao ano. A medida, que ajudará no reaquecimento da atividade econômica, foi tardiamente tomada. Poderia ter sido efetuada bem antes sem nenhuma ameaça ao aumento da inflação

A medida, que ajudará no reaquecimento da atividade econômica, foi tardiamente tomada. Poderia ter sido efetuada bem antes sem nenhuma ameaça ao aumento da inflação, ao contrário do que sinalizou até ontem a atual e a anterior diretoria do Banco Central.

Era tão necessária e evidente a decisão de baixar o patamar da Selic que os agentes do mercado já a aguardavam e não houve nenhuma surpresa. No mesmo dia o Federal Reserve – FED, o banco central americano também anunciou a redução da taxa básica anual de juros para a variação de 2 a 2,25%. Ambos seguiram uma tendência mundial já adotada por outros bancos centrais europeus e de países emergentes. As duas decisões colaboram para retirar o país da letargia produtiva em que se encontra desde 2014.

A taxa de juros é o principal instrumento de política monetária utilizada pelo Banco Central para preservar o valor da moeda nacional e manter a inflação em níveis baixos, conforme meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. Por esse instrumento, assim que os indicadores da inflação dão sinais de aumento, elevam-se os juros para reduzir a oferta de crédito e o consumo, contendo a inflação. Em situação contrária, a diminuição dos juros atua como estímulo monetário, aumentando o volume de crédito e elevando o consumo, aquecendo a economia.

Para uma economia como a brasileira que passou por profunda recessão e a retomada do crescimento segue em ritmo muito lento, ao mesmo tempo que convive com as maiores taxas de desemprego de sua história e inflação dentro das metas a vários anos, não faz nenhum sentido manter em nível elevado a taxa básica de juros nos últimos dezoito meses seguidos.

A taxa de juros é o principal instrumento de política monetária utilizada pelo Banco Central para preservar o valor da moeda nacional e manter a inflação em níveis baixos

Por justiça, ressalto que a taxa de juros sofreu redução considerável desde 2016. Saiu de 14,25% no início de 2016 para 6,5% em março de 2018, mas empacou, inexplicavelmente, nesse patamar do qual somente agora se moveu para baixo. No mesmo período a inflação desceu do patamar de 10,7% para 3,37% ao ano. Como a redução dos juros não produz efeitos imediatos, caso essa medida tivesse sido tomada anteriormente, o país poderia estar colhendo seus frutos desde o final de 2018 e início deste ano. Tomada agora, o país sentirá seus primeiros efeitos a partir do último trimestre de 2019.

A direção do Banco Central esperava a boa evolução da aprovação da reforma da previdência pela Câmara de Deputados e a confirmação da reforma tributária, programa de privatizações e reformas microeconômicas para destravar os investimentos e reaquecer a atividade econômica no curto prazo.

A equipe econômica liderada pelo ministro Paulo Guedes já anunciou que estas são as prioridades após a aprovação definitiva da nova previdência. Parafraseando Winston Churchill durante a segunda guerra mundial: “... nunca tantos dependeram tanto de poucos”.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Apoio entre opositores é pura falsidade

diego guimaraes 400 curtinha   O tão propagado apoio político recíproco entre os vereadores de oposição em Cuiabá, principalmente em relação ao futuro cassado Abílio Júnior, não é verdadeiro. Todos são concorrentes entre si. Tentam viabilizar suas...

Joaninha se afasta da Câmara de Sinop

joaninha 400 sinop vereador curtinha   O vereador por Sinop Joaninha (MDB), conforme a coluna Curtinhas adiantou, se licenciou do cargo por 60 dias para se recuperar do acidente que sofreu durante manobra na Competição Duelo de Motos, em Atibaia (SP). Enquanto isso, o suplente Mauro Garcia (MDB), ex-secretário de...

Manifestação de apoio deles para ele

elizeu nascimento 400 curtinha   Mesmo com o apoio dos deputados Elizeu Nascimento (foto), Xuxu Dalmolin e Ulysses Moraes que levaram até assessores, em pleno horário de expediente, a manifestação pró-Abílio na Câmara de Cuiabá foi considerada fraca. Investigado por quebra de decoro...

TCE cria estrutura para atender a AL

maluf 400 curtinha   A Assembleia Legislativa saiu de Guilherme Maluf (foto), mandando-o para o TCE, mas ele não saiu da AL. Alçado à presidência com menos de um ano na cadeira vitalícia, Maluf acaba de criar uma assessoria parlamentar para promover o intercâmbio com as comissões da AL e ainda um...

Cassação de Abílio depois do Carnaval

abilio junior 400 curtinha   Por mais que Abílio Júnior (foto) implore e grite por socorro, na esperança de escapar da cassação, inclusive se colocando como vítima de perseguição política, perderá mesmo mandato. Mas isso só vai ocorrer após o Carnaval. A...

PGR monitora delação de ex-deputado

jose riva 400 curtinha   Membros do alto escalão da Procuradoria-Geral da República, que rejeitou a proposta de delação de José Riva (foto) na esfera federal por causa de omissão de crimes, estão monitorando os bastidores do acordo de colaboração, agora entre o Ministério...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.