Vivaldo Lopes

É o vírus, estúpido!

Por 06/08/2020, 07h:15 - Atualizado: 06/08/2020, 07h:21

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

Reza a lenda do marketing político mundial que, durante a vitoriosa campanha de Bill Clinton à presidência dos Estados Unidos, em 1992, diante da dificuldade para convencer o candidato e todo seu staff sobre a melhor forma de combater o então presidente e candidato à reeleição George Bush (pai), o consultor político James Carville teria dito: “...é a economia, estúpido”. Carville defendeu, solitariamente, a tese de que a vulnerabilidade do adversário estava na situação depauperada da economia americana, mesmo Bush apresentando boa política externa e tendo vencido a guerra contra o Iraque. Havia descuidado da política econômica doméstica e, como consequência, o “way of life” dos americanos tinha piorado muito, fato imperdoável na cultura do povo daquele país. Trazida para os dias atuais, a frase poderia ser adaptada para o atual presidente americano, Donald Trump: é o vírus, estúpido.

A má liderança e a incapacidade de colocar em prática uma coordenação nacional no combate à pandemia teve um preço. A economia americana sofreu, no segundo semestre, uma estrondosa queda de 32,9%, em relação ao mesmo período do ano passado, termos anualizados, como os americanos costumam comparar 

A sua péssima performance na condução das estratégias e medidas para combater a crise sanitária em território americano está entre as piores do mundo. Começou negando com veemência o potencial da doença e se negou a implantar medidas duras de isolamento social, recomendadas pelos seus assessores técnicos e pela ciência médica. Insistia que a economia americana era forte e grande demais para ser subjugada por um simples vírus. Depois, obrigado a implantá-las, afirmou que seria uma batalha rápida, e o vírus desaparecia logo, “... como num milagre”. Brigou com  governadores e prefeitos que tomaram medidas restritivas em seus estados e cidades e paralisaram todas as atividades industriais, comerciais e de serviços para evitar a disseminação e proteger seus cidadãos. Enfim, o presidente americano combateu diversos adversários, alguns até imaginários, e não enfrentou o verdadeiro e letal inimigo: o coronavírus.

A má liderança e a incapacidade de colocar em prática uma coordenação nacional no combate à pandemia teve um preço. A economia americana sofreu, no segundo semestre, uma estrondosa queda de 32,9%, em relação ao mesmo período do ano passado, termos anualizados, como os americanos costumam comparar.

Com baixas perspectivas de retomada do crescimento nos dois trimestres seguintes, o país deve fechar 2020 com a mais profunda recessão de toda a sua história. Maior que as vistas na grande depressão de 1929, da contração pós-guerra de1947-48 e da crise financeira de 2008. Na órbita política, a má condução do país diante da inusitada crise sanitária pode custar a reeleição de Trump nas eleições presidenciais de novembro.

O PIB americano começou a dar sinais de reação em maio como resultado dos fortes estímulos financeiros dados pelo FED, o banco central americano às empresas e o programa de ajuda emergencial implantado pelo Tesouro Americano. Somados, os dois programas injetaram mais de três trilhões de dólares no mercado americano. Mas a economia voltou a retrair em junho. A reabertura das atividades comerciais e o afrouxamento do isolamento social em vários estados fez aumentar novamente a contaminação, exigindo novamente o “lockdown” e a consequente paralisação das fábricas, shoppings centers, comércio, bares, restaurantes.

Se traçarmos um paralelo com o Brasil, o cenário não é muito diferente. A administração federal negou inicialmente a dimensão da crise sanitária  e o tamanho do estrago que a pandemia poderia causar à cambaleante economia do país 

Se traçarmos um paralelo com o Brasil, o cenário não é muito diferente. A administração federal negou inicialmente a dimensão da crise sanitária  e o tamanho do estrago que a pandemia poderia causar à cambaleante economia do país. Não conseguimos estabelecer uma coordenação nacional para combater a doença e as medidas de isolamento social, implantadas por governadores e prefeitos, conforme suas próprias análises e percepção do problema, não foram tão fortes como recomendam os especialistas e também nunca chegaram a ser cumpridas plenamente pela sociedade. Como resultado, o Brasil é um dos países com ciclo mais longo de curvas crescentes de contaminados e de mortes e não vemos ainda a luz no final do túnel.

No campo econômico, teremos a maior queda do PIB em toda a história brasileira. O tombo vai variar entre -6,5% e -8,0%. Impacto muito forte, nunca registrado antes num único ano. O impacto será mais severo ainda porque o país ainda não havia se recuperado do longo período recessivo que perdurou de 2014 até 2019.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia. É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • José Antonio Mesquita | Quinta-Feira, 06 de Agosto de 2020, 09h15
    2
    2

    Essa máxima do "é o vírus, seu estúpido!", tem que ser utilizada aqui no Brasil, diante do olhar de pouco caso do Bolsonaro e, relação ao COVID 19!

Tião com Flávio e "pau" nos Campos

tiao da zaeli 400 curtinha   A maior bronca dos Campos em Várzea Grande hoje é com o ex-prefeito Tião da Zaeli (foto), que motivou o amigo e empresário Flávio Vargas, dono do frigorífico Frical, a entrar na disputa à sucessão municipal. E Flávio conseguiu construir um amplo arco de...

A única dos maiores fora da reeleição

rosana martinelli 400 curtinha   Seis dos 10 prefeitos dos maiores municípios de MT poderiam disputar a reeleição neste ano por estarem no primeiro mandato ou já tendo exercido outros não consecutivos. E, destes, somente Rosana Martinelli (foto), de Sinop, não se recandidatou. Percebeu dificuldades...

Poconé tem 4 no páreo; Euclides dança

euclides santos 400 curtinha   Em Poconé, o ex-prefeito Euclides Santos (foto) nadou e morreu na praia. Numa queda de braço dentro do PSDB, Euclides, que havia se mudado para Cuiabá e tem o filho na disputa para vereador, perdeu espaço e autonomia para a ex-prefeita Meire Adauto, presidente municipal da legenda tucana e...

Fernanda em almoço com Bolsonaro

fernanda 400 bolsonaro curtinh   A coronel Fernanda, candidata à senadora pelo Patriota, almoçou com Bolsonaro nesta sexta, em uma fazenda, em Sorriso. A militar foi a única que teve o apoio declarado do presidente na eleição suplementar ao Senado que acontece em 15 de novembro. Mais cedo, por volta das...

Prefeita cobra duplicação e ferrovia

rosana_curtinha   A prefeita de Sinop Rosana Martinelli aproveitou a visita do presidente Jair Bolsonaro na Capital do Nortão para cobrar uma solução para a duplicação da BR-163, sob concessão, e também pediu empenho na Ferrogrão e a implementação de porto seco na cidade. O...

Podemos se alia à esquerda em Barra

sandro saggin 400 curtinha   O direitista Podemos, comandado no Estado pelo deputado Medeiros, fechou coligação com partidos de extrema esquerda em Barra do Garças, como PC do B, PT e Pros. Sandro Saggin (foto), até então pré-candidato a prefeito pelo Pode, recuou e compôs com o grupo liderado pelo...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você está animado para votar nas eleições de novembro?

sim

não

nem sei!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.