Vivaldo Lopes

Educação financeira nas empresas

Por 02/07/2020, 07h:25 - Atualizado: 02/07/2020, 07h:31

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

No mundo financeiro e corporativo, a crise trazida pela pandemia está produzindo vários efeitos colaterais e acelerando tendências que, embora já diagnosticadas  e estudadas, estavam sendo testadas ou implantadas lentamente pelas empresas.

Nestes amargos tempos de isolamento social, renda mais escassa e teletrabalho, as companhias apostaram em melhorar a educação financeira dos seus quadros profissionais para valorizá-los, mantê-los focados e dedicados ao trabalho, para aumentar sua produtividade e, por conseguinte, a lucratividade das empresas

Um dos efeitos inesperados da crise do coronavírus foi um expressivo aumento da procura das companhias por cursos de educação financeira para seus colaboradores. A demanda das organizações também coincidiu com o desejo de boa parte dos empregados. Nestes amargos tempos de isolamento social, renda mais escassa e teletrabalho, as companhias apostaram em melhorar a educação financeira dos seus quadros profissionais para valorizá-los, mantê-los focados e dedicados ao trabalho, para aumentar sua produtividade e, por conseguinte, a lucratividade das empresas. Algumas companhias, que precisaram demitir ou recorrer ao afastamento previsto na Medida Provisória 936, que autoriza a suspensão de contratos e redução de jornada e salários, a oferta de cursos de educação financeira fez parte do pacote para ensinar os colaboradores a lidar com a redução do orçamento da família. As corporações preocuparam em dar orientações aos seus funcionários que perderam rendimentos variáveis, (comissões ou ganhos por performance), aqueles que precisaram reconfigurar a vida para trabalhar em home office e os que tiveram salários cortados e precisaram reorganizar suas finanças pessoais.  Os colaboradores, por sua vez, perceberam que, neste momento que a cabeça é bombardeada com queda de renda e mudança de hábitos financeiros, melhorar o controle do orçamento familiar é importante para enfrentar a difícil e inédita situação de perda de receita e incertezas quanto à garantia do emprego.

Há uma tendência nas empresas de incluir a educação financeira no esforço de ampliar o bem estar da sua força de trabalho, que antes limitava-se, basicamente, à oferta de previdência complementar e plano de saúde. A pandemia ajudou a acelerar a necessidade de cuidar também da saúde financeira dos seus empregados e da sua família.

No Brasil, a preocupação com a educação financeira dos colaboradores não faz parte da cultura das nossas empresas. É mais comum a oferta de treinamentos nas áreas de comunicação, vendas e liderança. As empresas que mais cuidam da educação financeira dos seus funcionários são as multinacionais que operam no Brasil. Mesmo entre as grandes corporações multinacionais, as que mais oferecem programas de educação financeira a seus colaboradores são as da área de tecnologia. Com a crise crescendo em intensidade, aumentou a procura por firmas especializadas em educação financeira e plataformas digitais que oferecem esse tipo de capacitação. A procura pelo treinamento surge em formatos variados. Vão desde simples palestras em auditórios, cursos de quatro horas, consultorias individualizadas por segmentos de faixas salariais ou idade a cursos com meses de duração. Aumentou também a demanda por parte de pessoas que buscam aperfeiçoamento, normalmente pós-graduação, como forma de empodeiramento, levar conhecimentos novos à sua empresa e valorização profissional para se garantir no emprego.

Há uma tendência nas empresas de incluir a educação financeira no esforço de ampliar o bem estar da sua força de trabalho, que antes limitava-se, basicamente, à oferta de previdência complementar e plano de saúde

Pesquisas efetuadas antes da pandemia com 7 mil profissionais e 600 líderes empresariais mundiais confirmaram que 79% dos empregados confiam em aconselhamento de suas empresas para planejamento financeiro, poupança, previdência e investimentos. A mesma pesquisa demonstrou que empresas que implantaram programas de educação financeira tiveram 86% de impacto positivo nos resultados da empresa e 45% disseram que melhorou a satisfação no trabalho por parte dos empregados. O estudo mostrou ainda que 31% afirmaram ter aumentado o comprometimento com a organização e 27% reduziram suas preocupações financeiras durante o expediente de trabalho. Enfim, o estudo demonstra que na medida que os empregados se sentem apoiados pela organização e pelos seus líderes corporativos, aumentam sua produtividade, que reflete nos resultados das empresas sob a forma de aumento de faturamento e lucratividade. Ao final, é um jogo de ganha-ganha tanto da ótica corporativa como dos  colaboradores. É a pandemia acelerando tendências e criando oportunidades de crescimento.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia. É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Túlio, inabilidade política e frustração

tulio fontes 400 curtinha   Túlio Fontes (foto), que ainda faz mistério sobre disputa à sucessão em Cáceres, ficará mesmo fora do embate das urnas. Ex-prefeito e derrotado duas vezes para deputado estadual, ele não moveu uma palha para fortalecer o seu nanico PV. Conclusão: o partido só...

Pátio, vice, o MDB e ex-secretário

adonias fernandes 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio não desistiu de vez do seu antigo partido, o MDB, no qual militou por mais de duas décadas. Embora em rota de colisão com alguns líderes emedebistas, Pátio ainda tem bom contato com o ex-padrinho político, o...

Prefeito de Sapezal e aditivo com 15%

valdecir casagrande 400 curtinha sapezal prefeito   O prefeito de Sapezal, Valcir Casagrande (foto), autorizou o quarto aditivo de um contrato sem licitação, firmado em 2019 entre o município e a Casa de Saúde Santa Marcelina. Chamam atenção o valor e o aumento. A continuidade do atendimento aos...

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.