Vivaldo Lopes

Impacto econômico da ferrovia

Por 04/06/2020, 07h:11 - Atualizado: 04/06/2020, 07h:18

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O fato econômico mais relevante de Mato Grosso, neste ano, aconteceu em Brasília. Trata-se da assinatura da renovação antecipada da concessão da ferrovia Malha Paulista, entre o Ministério dos Transportes, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a empresa Rumo, braço de logística ferroviária e portuária do Grupo Cosan.

A renovação antecipada da concessão, que venceria em 2028, era pleito antigo da empresa, como forma de obter mais previsibilidade econômica e segurança jurídica para promover os investimentos necessários para tornar mais eficiente a operação da ferrovia paulista e aumentar o volume de cargas transportadas.

Em contrapartida, segundo nova legislação que regula o setor, a concessionária fica obrigada a construir o novo trecho da ferrovia Vicente Vuolo, em Mato Grosso, que vai de Rondonópolis a Cuiabá e, posteriormente, até a Lucas do Rio Verde, uma distância aproximada de 600 km. A empresa terá de investir, com capital próprio, R$ 6,1 bilhões nos dois trechos ferroviários, além do pagamento de R$ 2,9 bilhões em outorgas ao governo federal. Estima o Ministério dos Transportes que a companhia vai mais que dobrar a capacidade das duas ferrovias, saindo dos atuais 35 milhões de toneladas transportadas anualmente para 75 milhões de toneladas.

A mesma empresa já havia vencido, em março do ano passado, leilão de concessão do trecho de 1.537 km da ferrovia Norte-Sul que liga as cidades de Porto Nacional (TO) a Estrela D’Oeste (SP), passando por Anápolis, em Goiás, ao porto de Santos. O maior do país.

A operação do trecho da Norte Sul vai dar ganhos de sinergia comercial e operacional à empresa, pois vai avançar sobre a nova fronteira agrícola do país, alcunhada de Matopiba, que abrange partes do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, permitindo o escoamento de parte da produção dessa região para o porto de Santos. Em videoconferência após a assinatura do contrato, executivos da empresa anunciaram que o foco será expandir a malha ferroviária para mais próximo das cargas.

Como em Mato Grosso o maior volume de cargas vem do agronegócio, significa levar os trilhos até o principal centro de produção de grãos do estado que é o médio norte, com epicentro nos municípios de Sorriso, Lucas do Rio Verde e Nova Mutum. Precisam se preparar para um estado que chegará em 2030 produzindo 120 milhões de toneladas de grãos e fibras, cuja maior parte é exportada pelo porto de Santos

Como em Mato Grosso o maior volume de cargas vem do agronegócio, significa levar os trilhos até o principal centro de produção de grãos do estado que é o médio norte, com epicentro nos municípios de Sorriso, Lucas do Rio Verde e Nova Mutum. Precisam se preparar para um estado que chegará em 2030 produzindo 120 milhões de toneladas de grãos e fibras, cuja maior parte é exportada pelo porto de Santos.

Em Cuiabá, a prioridade são as cargas comerciais, chamadas de cargas de conteineres que abastecem o comércio de bebidas, materiais de construção, eletro-eletrônicos, vestuário, alimentação e a indústria da capital. Foram apresentados estudos confirmando potencial desse tipo de carga em 20 milhões de toneladas por ano.

Considero acertada a decisão da administração federal, tomada ainda durante o governo de Michel Temer, de estabelecer como contrapartida para renovação de concessões ferroviárias a construção de novos trechos. Louve-se a atitude do atual Ministro dos Transportes, Tarcísio de Freitas, que deu sequência a essa política, aperfeiçoou e deu celeridade aos pedidos de renovações que dormitavam nas entranhas da tecnocracia de Brasília. Essa política pública ajuda a modernizar a matriz de transportes do país ao mesmo tempo que beneficia regiões produtoras como Mato Grosso, Goiás e Tocantins. O transporte ferroviário torna mais competitivos os nossos produtos agropecuários e florestais e pode atuar como gatilho impulsionador da necessária industrialização da nossa economia.

A mesma legislação deve trazer outro tramo ferroviário para o território mato-grossense. Para renovar a concessão da ferrovia Vitória-Minas, o Ministério  dos Transportes e a ANTT exigem que a atual concessionária Vale construa o trecho da Ferrovia da Integração Centro Oeste – FICO, que vai de Campinorte, em Goiás, até Água Boa (MT) e depois até Sorriso (MT), ampliando ainda mais a malha logística ferroviária do país e, por consequência, contribuindo para melhorar as vantagens competitivas da economia do Brasil e do estado.

São inquestionáveis os impactos positivos que a expansão da ferrovia produzirá na economia de Cuiabá e Mato Grosso. No caso de Cuiabá, deve dar impulso muito forte ao carro chefe da economia da capital que é o setor de serviços, melhora a competitividade dos setores de comércio atacado e varejo e abre grande janela de oportunidade para a expansão do seu parque industrial.  As ferrovias atuam como centro de atração de uma vasta cadeia de suprimentos e negócios nas áreas comercial, industrial, agropecuário e de serviços, fatores que atuarão para melhorar o desempenho do PIB estadual.

Urge, portanto, a necessidade de grande mobilização das autoridades estaduais e municipais, lideranças políticas, empresariais, intelectuais para que as licenças ambientais e operacionais sejam aprovadas o mais rapidamente possível e os trilhos cheguem no tempo planejado no contrato de concessão e o estado possa dar mais um passo muito importante para se estabelecer como uma economia moderna,  industrializada e com melhor distribuição de suas riquezas.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • samirkhaled | Quarta-Feira, 17 de Junho de 2020, 18h02
    0
    0

    Acho engraçado esses caras como esse colunista que escreveu a matéria e que ajudaram Éder e Silval a delapidar as finanças do estado, ficarem tecendo opiniões a respeito dos caminhos econômico do estado depois de serem denunciados pelo MPE.

  • Celio Ferreira Macedo | Quinta-Feira, 04 de Junho de 2020, 09h36
    1
    2

    O que tem de político dentro desses vagões e uns se comportando como maquinistas fazendo proselitismo político com isso kkkk tenho medo de que esse trem acabe descarrilhando pelo caminho.

Calistro, dúvida à reeleição e Sumaia

sumaia leite 400 curtinha   Jânio Calistro, reeleito para o 2º mandato de vereador em 2016 e como o mais votado em Várzea Grande, com 3.658 votos pelo PSD, se mudou para o DEM dos Campos, mas ainda avalia se vai encarar o teste das urnas deste ano. Ele se mostra um tanto baqueado, após ficar preso por três meses. E...

Grupos convergem para Emanuelzinho

emanuelzinho 400   O jovem deputado federal Emanuelzinho (foto) está cada vez mais empolgado com a possibilidade de disputar a Prefeitura de Várzea Grande. Até se mudou da Capital para a cidade vizinha, onde montou apartamento no Edifício Maktub. Uma das revelações políticas do PTB, Emanuelzinho tem...

Câmara de ROO e pasta de Controle

orestes miraglia 400 curtinha   A Câmara de Rondonópolis deu de ombros para uma decisão do Tribunal de Justiça e, em primeira votação, aprovou mensagem do prefeito Zé do Pátio, criando a secretaria de Transparência Pública e Controle Interno (SETRACI) em...

Morre pai do secretário da Casa Civil

Mauro Carvalho pai   Faleceu, aos 97 anos, o pai do secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho. O empresário, que também emprestava o nome ao filho, Mauro Carvalho, foi vítima de um infarto nesta quinta (9). A informação foi confirmada pela deputada estadual Janaina Riva (MDB) que publicou nota de...

Deucimar vence Covid-19 após 20 dias

deucimar silva 400 curtinha   Após 13 dias numa unidade intensiva e mais sete se recuperando no leito de hospital, o empresário e ex-vereador pela Capital, Deucimar Silva (foto), recebeu alta médica nesta terça. Ele está curado da Covid-19. Ex-presidente da Câmara Municipal, Deucimar ficou emocionado, fez...

Estudo sobre 13º a vereadores de VG

jaqueline jacobsen curtinha 400   A conselheira-substituta Jaqueline Jacobsen (foto) estabeleceu prazo de 120 dias, em sessão de julgamento do TCE por videoconferência no último dia 2, para que o presidente da Câmara de Várzea Grande, Fábio Tardin, realize estudo prévio de impacto...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Em Cuiabá, o prefeito suspendeu a decisão de implantar rodízio de veículos entre placas pares e ímpares devido à Covid-19. Mas quer debater a ideia. Você concorda com rodízio?

concordo

discordo

tanto faz

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.