Vivaldo Lopes

Juros surreais

Por 06/06/2019, 00h:01 - Atualizado: 06/06/2019, 00h:33

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

 

Agentes e analistas do mercado financeiro têm dificuldades em compreender as razões do Banco Central do Brasil para manter a conservadora política de taxa básica de juros muito elevada em ambiente de retração da atividade econômica e inflação baixa. Mesmo diante da forte deterioração da economia e sinais de baixo crescimento no exterior. A inflação domesticada e o país enfrentando a maior recessão de sua história, são fatores que gritam pela redução da taxa de juros. Ainda assim, o Bacen mantém inalterada a Selic em 6,50% ao ano desde março de 2018. Lembro que de 2014 a 2016 o PIB do país sofreu queda acumulada de 7,2% e a inflação anual manteve-se abaixo de 4%.

A principal razão da política monetária é controlar a inflação e manter a estabilidade da moeda do país. A taxa de juros é um importante instrumento para o cumprimento desse escopo da autoridade monetária. Taxa básica de juros alta inibe o crédito que, por sua vez, reduz o consumo e evita o aumento da inflação. Ocorre que a realidade recessiva do país cuidou de reduzir o consumo das famílias, das empresas e do governo, fato que manteve a inflação baixa.

Trabalho com o cenário de que a partir de julho o Banco Central fará o primeiro movimento de redução da Selic, com a sinalização de aprovação da reforma previdenciária

Vivaldo Lopes

A classe empresarial brasileira criou grande expectativa de que a retomada do crescimento econômico daria os primeiros sinais já no primeiro trimestre deste ano. Essa expectativa transformou-se uma grande frustração com a divulgação pelo IBGE de que o PIB do Brasil teve queda de 0,2% nesse período. As previsões para o segundo trimestre também não são as melhores. O amadorismo da coordenação política do atual governo fez o mercado estabelecer outubro como a data provável de aprovação da reforma da previdência, adiando para 2020 a possibilidade de um crescimento mais robusto da atividade econômica.

A desaceleração da inflação atua para retirar qualquer argumento técnico para manutenção da taxa Selic no elevado patamar atual. O índice mensal de inflação de maio deve situar-se próximo de zero e podemos ter deflação em junho. O cenário internacional, como resultado das insanas guerras comerciais deflagradas pelo presidente americano, Donald Trump, contra a China e a União Europeia, sinaliza tendência global de um ano de crescimento e inflação baixos. O cenário econômico local e internacional e a mitigação do balanço de riscos da inflação devem alterar o discurso excessivamente cauteloso do Banco Central, que pode iniciar movimentos de redução da Selic mesmo antes da aprovação final da reforma da previdência pela Câmara e pelo Senado Federal. A modernização da previdência sozinha não vai proporcionar crescimento econômico, pois produzirá resultados a médio e longo prazo. Mas é sinalizadora da força política da administração federal e do esforço pelo equilíbrio fiscal. Atuará como um gatilho para aprovação de outras importantes reformas, como a tributária e o programa de privatizações que reduzirão o tamanho do estado e podem torná-lo mais eficiente.

Trabalho com o cenário de que a partir de julho o Banco Central  fará o primeiro movimento de redução da Selic, com a sinalização de aprovação da reforma previdenciária no último trimestre do ano. Em outubro podemos ter nova movimentação que reduziria a Selic para 6%, indicando ao mercado interno e externo que as outras reformas também serão aprovadas, destravando os investimentos que são extremamente necessários para o país sair do ciclo recessivo que nos fustiga impiedosamente desde 2014.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

De fora da disputa em Rondonópolis

percival muniz 400   O pecuarista Percival Muniz (foto), hoje "mergulhado" nas duas fazendas na região do Xingu, adianta que não será candidato a prefeito de Rondonópolis, posto já ocupado por ele por três vezes. Mesmo com recall junto à população de bom gestor e popular, ele é...

Conselheira e o faturamento familiar

jaqueline jacobsen curtinha 400   Está repercutindo muito mal para a conselheira substituta do TCE-MT Jaqueline Jacobsen (foto) a notícia publicada pelo site O Livre, nesta sexta, de que a sua irmã, advogada Camila Jacobsen, em sociedade com Eveline Guerra, filha da conselheira, são sócias da "Jacobsen &...

Selma vê maior conforto no Podemos

selma curtinha 400   No grupo de WhatsApp "PSL Mulher MT", Selma Arruda (foto) escreveu um texto de despedida do partido. Disse estar chateada "com tudo isso", mas que não perdeu a fé e que o Governo Bolsonaro vai dar certo. Afirma sair do PSL com "coração partido" e que continua com os mesmos ideais no Podemos, onde...

Podemos esperando Selma se salvar

alvarodias_curtinhas   Na busca para ampliar a bancada do Podemos no Senado, o senador Alvaro Dias, derrotado à presidência no ano passado, só correu atrás de Selma, no sentido de convencê-la a se filiar no partido, depois que foi informado que ela tem chances reais de derrubar no TSE a cassação por...

Fávaro e esperança em assumir vaga

carlosfavaro_curtinha   O representante do escritório de MT em Brasília Carlos Fávaro (PSD) está convicto de que a senadora Selma não só será cassada de vez pelo TSE nos próximos meses, como a decisão da Corte lhe permitirá assumir a vaga enquanto não for eleito um novo...

Maturidade e nova visão sobre o TCE

janaina_riva_curtinha   No segundo mandato e sentindo-se mais madura politicamente, apesar de ainda bem jovem – completou 30 anos em 21 de janeiro – a deputada Janaína Riva revela que pensa diferente sobre a indicação de políticos ao cargo de conselheiro do TCE. Ao autorizar os colegas a derrubar a...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.