Vivaldo Lopes

Mato Grosso e o vírus

Por 27/02/2020, 08h:26 - Atualizado: 27/02/2020, 09h:26

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

Definitivamente não podemos mais deixar de considerar os efeitos da epidemia causada pelo coronavírus no crescimento na economia mundial, brasileira e de Mato Grosso.

Os fatos dos últimos dias confirmam os receios iniciais de que as autoridades chinesas não conseguiriam contornar a doença em prazo razoavelmente curto. Fevereiro está findando e os casos de contaminação aumentam em território chinês e se alastram para vários países, com maior gravidade na Itália e Japão. E, em pleno carnaval, o indesejado visitante chega ao Brasil.

Os mercados financeiros de todo o mundo iniciaram esta quarta (26)  tremulantes e nervosos. No Brasil não foi diferente. A Bolsa B3 começou operando com queda acima de 7%. É a maior queda desde o “Joesley Day”, em 2017, quando veio a público a gravação feita pelo empresário Joesley Batista, de uma conversa comprometedora que teve com o então Presidente da República Michel Temer. O dólar fechou o dia próximo de R$ 4,50, exigindo intervenção providencial do Banco Central para evitar maior desvalorização da moeda nacional. Nenhum pânico. A volatilidade é ocasionada pelas incertezas econômicas que afetam a economia mundial em decorrência da demora das autoridades chinesas em controlar a epidemia.

Não é a primeira vez que a China apavora o mundo com a possibilidade de pandemia iniciada em seu território. Já havia acontecido com a Síndrome Respiratória Aguda Grave – SARS, em 2003.

Por ter se tornado a segunda maior economia mundial e apresentar trajetória de crescimento acelerado nas últimas décadas, a freada brusca da atividade econômica chinesa repercute em toda a economia global, afetando as cadeias de suprimentos das indústrias de todos os países. Ao mesmo tempo, a paralisia comercial daquele país reduz suas importações, afetando a atividade econômica mundial já que praticamente todos os países importam e exportam para a China. A restrição de circulação de pessoas reduz drasticamente as viagens de negócios e o turismo mundial. Grandes corporações industriais que tem suas cadeias de suprimentos baseadas na China e empresas exportadoras de commodities já anunciaram a redução de suas metas anuais de faturamento e lucros. Um dos setores mais afetados, as companhias aéreas sofrem com o cancelamento em série de vôos e já antecipam perdas expressivas em seus balanços do primeiro trimestre. Analistas, bancos e consultorias econômicas internacionais dão como certo que o primeiro trimestre está praticamente perdido e revisam suas expectativas de crescimento do PIB mundial para 2020.

Se o cenário mundial não é dos mais favoráveis, em âmbito nacional não será muito diferente. A China é o maior parceiro comercial do Brasil por ser grande compradora de nossas principais commodities: minério de ferro, petróleo cru, soja, milho e carnes suínas, bovinas e de frangos. O cordão de isolamento comercial estabelecido pelas autoridades chinesas reduzirá as nossas exportações no primeiro trimestre, gerando consequências nas expectativas de retomada do crescimento do país para este ano.

Não é a primeira vez que a China apavora o mundo com a possibilidade de pandemia iniciada em seu território

Vivaldo Lopes

A economia de Mato Grosso sentirá, em intensidade menor que a do país, os efeitos da epidemia de saúde que transformou-se em crise econômica. A China é destino de 43% de todas as exportações de nossas principais commodities agropecuárias: soja, milho, algodão e carnes. A despeito de contratados anteriormente, as entregas ficam prejudicadas com a suspensão das movimentações de cargas. A produção mato-grossense certamente será realocada para outros mercados, mas isso não se dará imediatamente. Parte da produção terá espaço no mercado doméstico brasileiro, com o aumento de consumo de soja derivado da elevação da mistura do biodiesel (B11) no diesel e aumento do consumo de ração animal (frangos, suínos e bovinos). Esse fato fez aumentar o esmagamento de soja nos dois primeiros meses do ano, compensando a redução das exportações. O consumo interno do milho também cresceu puxado pelo aumento da sua utilização para ração bovina e pelo forte crescimento da indústria de etanol de milho com instalação de novas plantas industriais.

Como Mato Grosso iniciou o ano com expectativa alta de crescimento do seu PIB em 2020, trabalho com o cenário de que os impactos da crise terão seus efeitos mitigados pelas idiossincrasias de nossa economia. Mesmo assim, é preciso que a solução do problema não se arraste além do primeiro trimestre.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • samirkhaled | Domingo, 01 de Março de 2020, 09h10
    0
    0

    VC FOI UM GRANDE PARASITA DESSE VÍRUS.

Bolinha é multado por irregularidades

humberto bolinha 400 curtinha   Por causa de irregularidades cometidas ainda em 2017, ao fazer aquisições sem realizar licitação e/ou pesquisa de preço, o prefeito de Guiratinga, Humberto Domingues, o Bolinha (foto), recebeu multa do TCE de 12 UPFs-MT, correspondente hoje a R$ 1,7 mil. E será intimado pelo...

Puxando o "rei" pra baixo em Tangará

reinaldo morais 400 curtinha   A pré-campanha ao Senado do empresário Reinaldo Morais (foto), o "rei dos porcos", evangélico e bolsonarista, vem ganhando aceitação popular em vários municípios. Mas, em Tangará da Serra, enfrenta muita resistência. Algumas pessoas próximas ao...

3 estaduais e 2 federais para prefeito

juarez costa 400 curtinha   Se na Assembleia, três dos 24 deputados se articulam por candidatura a prefeito, na Câmara Federal dois entre oito da bancada mato-grossense também pretendem fazer o mesmo. Tratam-se do emedebista Juarez Costa (foto), que apostará todas as fichas no retorno ao comando de Sinop, e do petebista...

PSDB rachado sobre nome a prefeito

ricardo saad 400 curtinha   O tucanato enfrenta uma incógnita em Cuiabá. A bancada na Câmara, hoje composta pelos vereadores Renivaldo Nascimento, Ricardo Saad (foto) e Toninho de Souza, defende apoio ao projeto de reeleição do prefeito Emanuel Pinheiro. O partido, presidido na Capital por Saad, já faz parte...

Poucos da AL se arriscam pra prefeito

silvio favero 400 curtinha   Inicialmente seriam seis dos 24 deputados estaduais dispostos a concorrer ao pleito de novembro deste ano. Mas a lista vem sendo reduzida à medida que se aproxima das convenções. Sílvio Fávero (foto), por exemplo, sabe que a chance de ganhar a Prefeitura de Lucas do Rio Verde, onde...

Transferindo pandemia para Cuiabá

lucimar campos 400   Prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (foto) transferiu praticamente o pepino da pandemia da Covid-19 à gestão da cidade vizinha, comandada por Emanuel Pinheiro. Ela faz questão de enfatizar que, numa reunião com porta-vozes do governo estadual, do TCE, da Assembleia e dos dois maiores...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.