Vivaldo Lopes

Mercado de capitais e crescimento

Por 29/10/2020, 08h:19 - Atualizado: 29/10/2020, 08h:23

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O mitológico guru da administração moderna, Peter Drucker, cunhou em seu livro “A Revolução Invisível” (1975), o termo “socialismo de mercado” para descrever o fantástico crescimento do capitalismo americano a partir da modernização e popularização do seu mercado de ações. Drucker argumentou que os Estados Unidos promoviam uma gigantesca “revolução socialista” ao incentivar os seus cidadãos comuns a se tornarem sócios das grandes corporações por meio da compra de ações dessas companhias que floresciam e prosperavam no período pós-segunda guerra mundial. Teceu comparações com a União Soviética que praticava o chamado capitalismo de Estado, concentrando todas as atividades produtivas no poder público, afirmando que aquele modelo não se sustentaria no longo prazo.

No Brasil, o mercado de capitais teve início a partir de 1965, sob a batuta de Otávio Gouveia de Bulhões, Ministro da Fazenda e Roberto de Oliveira Campos, Ministro do Planejamento do Presidente Castelo Branco. Mas somente teve o seu grande salto qualitativo a partir dos anos 1990 e 2000 com a implantação do Plano Real (1994) que controlou a inflação e estabilizou a economia, mudança na legislação para permitir a entrada de investidores estrangeiros, internacionalização da Comissão de Valores Imobiliários (CVM) e da Bovespa. A consolidação e concentração do sistema bancário, após o choque do Plano Real e o avanço do programa de privatizações do governo Fernando Henrique Cardoso também atuaram para o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro. A partir do ano 2000 a Bovespa e a CVM modernizaram seus sistemas de governança e regulação. Implantaram um novo Plano Diretor do Mercado de Capitais e aumentaram o nível de exigências de gestão corporativa das empresas participantes. Hoje o mercado de capitais do Brasil tem governança e regulação reconhecidas com de excelente qualidade, está entre os mais modernos do mundo, sendo o melhor entre as economias emergentes.

No segundo semestre de 2020, muitas empresas brasileiras fizeram abertura de capital na bolsa e outras emitiram novas ações para se capitalizarem com vistas em 2021

Vivaldo Lopes

Numa economia capitalista, como é o caso do Brasil, o mercado de capitais é constituído de um conjunto de instrumentos, instituições e agentes econômicos cuja missão é mobilizar recursos de poupança financeira de pessoas físicas, empresas e outras unidades econômicas que possuem excedentes financeiros e promover sua alocação eficiente para financiar a produção, a comercialização, o investimento das empresas e o consumo das famílias. Não fazem parte desse mercado os títulos da dívida pública e títulos de dívida emitidos pelas instituições financeiras, exceto as debêntures. Nos últimos anos, tivemos muitas modernizações institucionais e tecnológicas no mercado de capitais. Todas voltadas à proteção do investidor e garantia de condições competitivas para as empresas que participam ou que queiram participar desse mercado. Foram também efetuadas várias alterações na legislação tributária para facilitar e atrair os cidadãos comuns a participar do mercado de capitais.

Com a inflação controlada e a taxa básica de juros baixa, houve expressiva queda nos ganhos em aplicações de renda fixa como poupança, fundos DI, títulos do tesouro federal. Em consequência, notou-se fuga de investidores desse tipo de investimento. Mais pessoas passaram a investir em renda variável, como compra de ações e outros títulos mobiliários das empresas, aumentando consideravelmente a quantidade de investidores pessoas físicas na bolsa. A captação de recursos por meio do mercado de ações é a forma mais engenhosa e barata que o sistema capitalista já criou para as empresas implantarem projetos, aumentarem a produção e expandirem seus negócios, criando um circuito virtuoso que gera mais produção, mais lucros, mais empregos, mais renda e arrecadação de tributos. Mesmo tendo evoluído nas últimas décadas, o mercado de capitais no Brasil ainda apresenta forte potencial de crescimento, quando comparado com outras economias. São apenas 328 empresas que possuem ações listadas na B3, a maior bolsa brasileira. Em países como Canadá, Estados Unidos e Coréia do Sul, as empresas que têm ações ofertadas em bolsa superam 3.700.

No segundo semestre de 2020, muitas empresas brasileiras fizeram abertura de capital na bolsa e outras emitiram novas ações para se capitalizarem com vistas em 2021 que indica ser o ano da recuperação da atividade econômica, após o trauma econômico que está sendo 2020. Espera-se que o alinhamento dos astros da economia estabilizada, inflação domesticada, juros baixos, mais investidores no mercado de capitais e expectativa de crescimento permitam às empresas utilizarem todo o potencial de financiamento do mercado de capitais brasileiro, em benefício do desenvolvimento econômico do país.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia. É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Deputado ajudou a enterrar Binotti

neri 400 curtinha   O deputado federal Neri Geller (foto), que se acha um grande líder político, ajudou a enterrar nas urnas o projeto de reeleição do prefeito Luiz Binotti (PSD), derrotado à reeleição. Perdeu para o ex-vice-prefeito Miguel Vaz (Cidadania), que contou com apoio do ex-prefeito e atual...

Euclides "torra" R$ 8 mi na campanha

euclides ribeiro 400 curtinha   O advogado milionário Euclides Ribeiro (foto), que tem na carteira de clientes grandes produtores rurais, registra R$ 8,2 milhões de receitas e despesas de campanha ao Senado. Concorrendo pelo Avante, Euclides só chegou a 58.455 votos. Ficou em nono lugar, à frente apenas de Reinaldo...

Fávaro é quem mais gastou ao Senado

carlos favaro 400 curtinha   O senador reeleito Carlos Fávaro (foto) foi o que mais gastou na campanha. Oficialmente, arrecadou R$ 11,7 milhões. As maiores contribuições financeiras vieram de empresários do agronegócio. Orcival Guimarães, dono de rede de empresas de implementos agrícolas, doou...

Beto deve repensar projeto a federal

beto farias 400 curtinha   A derrota nas urnas do seu afilhado político, vice-prefeito Wellington Marcos (DEM), que tentou o Executivo de Barra do Garças e ficou em segundo lugar, obtendo somente metade dos votos em relação aos atribuídos ao eleito Adilson Gonçalves, pode levar o prefeito Beto Farias (foto)...

Erros estratégicos e fim de mandato

niuan ribeiro 400   Niuan Ribeiro (foto) termina melancolicamente o mandato de vice-prefeito da Capital, marcado pela ambiguidade, erros estratégicos e vacilações. Logo no início da gestão, resolveu romper politicamente com o prefeito Emanuel, a quem passou a criticar, achando que se consolidaria como...

Retorno ao TCE ou cargo no governo

marcelo bussiki 400 curtinha   A partir de 1º de janeiro, com o fim do mandato de vereador pela Capital, Marcelo Bussiki (foto) retorna ao cargo efetivo de auditor do TCE-MT. Mas é possível que ele seja convidado por Mauro Mendes para compor o quadro de principais assessores do chefe do Executivo estadual. Bussiki foi...