Vivaldo Lopes

MT e a disputa comercial EUA e China

Por 22/08/2019, 08h:21 - Atualizado: 22/08/2019, 08h:32

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

Nem o mais otimista analista de mercado poderia imaginar que a insana guerra comercial entre os dois gigantes poderia beneficiar os produtores de soja de nosso estado

De forma não planejada a soja de Mato Grosso está no centro da famigerada disputa comercial iniciada pelo presidente americano Donald Trump contra a China.

Nem o mais otimista analista de mercado poderia imaginar que a insana guerra comercial entre os dois gigantes poderia beneficiar os produtores de soja de nosso Estado.

Tendo praticamente toda sua produção industrial sobretaxada pelos americanos, um dos contragolpes desferidos pelos chineses foi a drástica redução das importações da soja americana.

Ato contínuo, para garantir o elevado consumo dessa proteína, a China passou a comprar mais soja brasileira e de Mato Grosso. Brasil e Estados Unidos travam acirrada disputa pelo fornecimento de soja para o mercado chinês, com os americanos em primeiro lugar e o Brasil em segundo.

A pressão dos produtores agrícolas americanos, aliados aos consumidores de produtos industrializados, fez com que o presidente americano adiasse para o início de 2020 a sobretaxação dos produtos importados da China.

Neste ano teremos considerável aumento nas exportações de soja para a China

A redução da demanda chinesa provocou a queda de expectativa da produção de soja daquele país. Efeito contrário será notado na produção de soja brasileira. Relatório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos ( USDA ), divulgado nesta semana, indica que pela primeira vez na história a produção de soja americana será inferior à do Brasil. O departamento estima em 112 milhões de toneladas a produção de soja americana e 123 milhões a do Brasil.

Os reflexos dessas medidas chegaram imediatamente aos campos matogrossenses. E de forma positiva. Há vários anos a China já ocupa o primeiro lugar nas exportações de soja de Mato Grosso. Neste ano teremos considerável aumento nas exportações de soja para a China. Diante das boas expectativas no cenário das exportações, os fazendeiros de soja do estado deverão expandir a produção para a próxima safra de 2020. A nossa produção de soja em 2019 foi de 32,5 milhões de toneladas. Estima-se que em 2020 a produção será superior a 33 milhões de toneladas, estimulada pela boa cotação dos preços internacionais, valorização do dólar e aumento das compras chinesas.

Especialistas em geopolítica e comércio internacional estimam que a guerra comercial entre americanos e chineses deve ter uma solução negociada a partir do segundo semestre de 2020. Mato Grosso deve surfar essa onda comercial positiva no curto prazo

Especialistas em geopolítica e comércio internacional estimam que a guerra comercial entre americanos e chineses deve ter uma solução negociada a partir do segundo semestre de 2020. Mato Grosso deve surfar essa onda comercial positiva no curto prazo, estendendo-se até a comercialização antecipada da safra agrícola de 2021. Fechado o acordo comercial, o quadro deve retornar à situação atual na qual os americanos continuarão sendo os principais fornecedores de soja para o mercado chinês. Isso porque uma das condições que Donald Trump deverá exigir da China para fechar o acordo será a garantia de aumento da compra da soja dos agricultores americanos. Estes, são eleitores de Donald Trump e já se manifestam contrariados com as perdas em seus lucros que resultam das estapafúrdias decisões econômicas tomadas pelo presidente americano. Ao contrário do que imaginam alguns “pensadores” da atual política externa brasileira, os Estados unidos não são um país amigo do Brasil. São, sim, um fortíssimo concorrente do agro brasileiro e mato-grossense.

A janela de oportunidades abertas com a guerra comercial tem como ameaças a possibilidade do seu prolongamento, o que pode levar a uma recessão mundial e consequente redução de consumo, inclusive da China. Nesse caso, os efeitos serão desastrosos para toda a economia global, com impactos mais profundos nos paises emergentes, como é o caso do Brasil. Resta à Mato Grosso utilizar bem a oportunidade comercial e torcer para que um acordo comercial entre EUA e a China aconteça o mais breve possível.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

De fora da disputa em Rondonópolis

percival muniz 400   O pecuarista Percival Muniz (foto), hoje "mergulhado" nas duas fazendas na região do Xingu, adianta que não será candidato a prefeito de Rondonópolis, posto já ocupado por ele por três vezes. Mesmo com recall junto à população de bom gestor e popular, ele é...

Conselheira e o faturamento familiar

jaqueline jacobsen curtinha 400   Está repercutindo muito mal para a conselheira substituta do TCE-MT Jaqueline Jacobsen (foto) a notícia publicada pelo site O Livre, nesta sexta, de que a sua irmã, advogada Camila Jacobsen, em sociedade com Eveline Guerra, filha da conselheira, são sócias da "Jacobsen &...

Selma vê maior conforto no Podemos

selma curtinha 400   No grupo de WhatsApp "PSL Mulher MT", Selma Arruda (foto) escreveu um texto de despedida do partido. Disse estar chateada "com tudo isso", mas que não perdeu a fé e que o Governo Bolsonaro vai dar certo. Afirma sair do PSL com "coração partido" e que continua com os mesmos ideais no Podemos, onde...

Podemos esperando Selma se salvar

alvarodias_curtinhas   Na busca para ampliar a bancada do Podemos no Senado, o senador Alvaro Dias, derrotado à presidência no ano passado, só correu atrás de Selma, no sentido de convencê-la a se filiar no partido, depois que foi informado que ela tem chances reais de derrubar no TSE a cassação por...

Fávaro e esperança em assumir vaga

carlosfavaro_curtinha   O representante do escritório de MT em Brasília Carlos Fávaro (PSD) está convicto de que a senadora Selma não só será cassada de vez pelo TSE nos próximos meses, como a decisão da Corte lhe permitirá assumir a vaga enquanto não for eleito um novo...

Maturidade e nova visão sobre o TCE

janaina_riva_curtinha   No segundo mandato e sentindo-se mais madura politicamente, apesar de ainda bem jovem – completou 30 anos em 21 de janeiro – a deputada Janaína Riva revela que pensa diferente sobre a indicação de políticos ao cargo de conselheiro do TCE. Ao autorizar os colegas a derrubar a...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.