Vivaldo Lopes

MT e o acordo Mercosul-União Européia

Por 04/07/2019, 08h:26 - Atualizado: 04/07/2019, 08h:34

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

 

Após mais de 20 anos de negociações, avanços e recuos, finalmente o Mercosul e a União Europeia fecharam as bases político-econômicas para viabilizar o maior acordo comercial de livre comércio já obtido pelos dois blocos.

Ao longo dos próximos 10 anos serão eliminadas 91% das tarifas de importação de lado a lado.

Todos os dados do acordo são superlativos: mercado de 780 milhões de pessoas, 25% do Produto Interno Bruto mundial e fluxo comercial estimado em U$ 138 bilhões. Os negociadores brasileiros estimam que a corrente de comércio vai impulsionar em R$ 500 bilhões o PIB brasileiro nos próximos dez anos.

O acordo adquire dimensão histórica inigualável, pelo longo tempo de gestação e também por dar nova orientação econômica para o Mercosul que deixa de ser apenas um espaço protecionista que na prática dificultava os seus membros de efetuarem acordos bilaterais e se transforma em enorme plataforma de integração global, com acesso a novos mercados e expressivos ganhos de produtividade.

O governo Jair Bolsonaro, que já fez pouco caso do Mercosul, vai colher os frutos do árduo e penoso trabalho de seus antecessores. Que o diga o ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi que dedicou muito tempo e energia para fechar o acordo ainda na administração de Michel Temer

O governo Jair Bolsonaro, que já fez pouco caso do Mercosul, vai colher os frutos do árduo e penoso trabalho de seus antecessores. Que o diga o ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi que dedicou muito tempo e energia para fechar o acordo ainda na administração de Michel Temer.

O acordo precisa ainda ser detalhado e aprovado pelos parlamentos de todos os países. Tem como principais ameaças a resistência dos agricultores da França e a atual beligerante política ambiental brasileira, vetor de suspeitas pelos países europeus, notadamente Alemanha e França. O anúncio feito pelo presidente Bolsonaro durante a reunião do G20, no Japão, que o país não se afastará do Acordo de Paris, ajudou a reduzir os questionamentos e dúvidas sobre o comprometimento com a proteção ambiental.

O acordo comercial produzirá efeitos positivos sobre a economia de Mato Grosso, visto que o agronegócio brasileiro será o setor mais beneficiado. O Estado já é um dos maiores produtores de alimentos do país e mais de 75% de seus principais produtos agropecuários são voltados para exportação. Deve se preparar para surfar essa nova onda do comércio internacional.

A consolidação do novo mercado ainda leva algum tempo, mas o anúncio feito pelos líderes políticos dos dois blocos já motivará muitas decisões de investimentos

Mesmo sendo um fenômeno de crescimento da produção agropecuária, Mato Grosso é o estado brasileiro que apresenta as melhores condições para expansão da produção de alimentos. O livre comércio com o mercado europeu aumentará a demanda dos nossos produtos agrícolas. Espera-se que o acordo gerará uma energia interna de crescimento pela economia de escala e aumentos de produtividade.

A consolidação do novo mercado ainda leva algum tempo, mas o anúncio feito pelos líderes políticos dos dois blocos já motivará muitas decisões de investimentos em Mato Grosso. Como é o caso específico da indústria do etanol que está em franca expansão e poderá exportar com mais facilidade para o mercado europeu, para ficar em apenas um exemplo.

Naturalmente, temos de ter a consciência que, junto com a abertura de novos mercados e aumento da demanda, virão também consumidores mais exigentes, competidores bem preparados, mais exigências com proteção ambiental e segurança alimentar. Barreira naturais para um novo salto qualitativo e quantitativo da economia de Mato Grosso.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Paulão | Sábado, 06 de Julho de 2019, 14h13
    0
    0

    Muito bom. Aparece lá no clube, estamos precisando de aulas. Chupa esquerda

EP cita 4 pela força do MDB em Cuiabá

rafael bastos 400 curtinha   O prefeito Emanuel Pinheiro disse neste sábado, no encontro do MDB, que acabou atraindo a presença de representantes de outros 12 partidos, que a agremiação emedebista foi construída e ganhou força e espaço na Capital graças aos filiados históricos Rafael...

Júlio, do DEM, vê boa gestão de EP

julio campos 400 curtinha   Júlio Campos (foto), uma das lideranças históricas do DEM, foi "apertado" nesta sexta, em entrevista a Antero de Barros, na rádio Capital FM, especialmente sobre o fato do ex-governador e ex-senador demonstrar simpatia e apoiar a gestão do prefeito Emanuel, enquanto outros do partido...

Empresário ensaia de novo em ROO

 luizao_curtinha400   Em Rondonópolis, o empresário Luiz Fernando de Carvalho, o Luizão, dono da Agro Ferragens Luizão, ensaia mais uma vez disputar a prefeitura. Como a sua pré-candidatura não é considerada novidade, ele é visto como uma espécie de "cavalo paraguaio", que tem arrancada...

2 governistas prontos para a briga

chico2000_curtinha400   O prefeito Emanuel tem 2 aliados de primeira hora na Câmara que não resistem a uma provocação. Tratam-se de Renivaldo Nascimento (PSDB) e Chico 2000 (foto), do PL. Sabendo do estopim curto, os vereadores de oposição, especialmente Diego e Abílio, não perdem a chance de...

Niuan agora sob rédeas do Podemos

niuan ribeiro curtinha 400   O vice-prefeito Niuan Ribeiro, agora no Podemos, se torna obrigado, conforme exigência estatutária, a contribuir com 5% dos R$ 15 mil que recebe mensalmente . Ou seja, vai ter que repassar R$ 750 para o seu novo partido. Considerado um partido com novas concepções, regras e exigências, o...

Efeito-senado e briga no ninho tucano

carlos-avalone_curtinha400   O deputado estadual Carlos Avalone não tem certeza de que o acordo pré-estabelecido para ele se tornar presidente do PSDB-MT, a partir de fevereiro, ou seja, daqui 5 meses, será cumprido. Pela costura entre a cúpula tucana, Paulo Borges renunciaria à presidência, abrindo assim...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Mauro Mendes?

excelente

bom

regular

ruim

péssimo

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.