Vivaldo Lopes

Novo ciclo econômico

Por 23/01/2020, 07h:21 - Atualizado: 23/01/2020, 07h:30

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

Já afirmei antes neste espaço que vislumbro em Mato Grosso os primeiros sinais de um novo ciclo de crescimento econômico mais protagonizado pela iniciativa privada e menos pela administração pública. Esse novo ciclo apresenta-se menos dependente de investimentos públicos estaduais e federais e mais do capital privado. A instabilidade da governança pública e a escassez de recursos públicos para investimentos limitam cada vez mais a capacidade das administrações estaduais e federal de investir na construção da infraestrutura econômica que a dinâmica do crescimento está a exigir.

O cenário nacional ajuda Mato Grosso nesse novo salto qualitativo do seu desenvolvimento. A agenda econômica do país, neste momento liderada pelo Congresso Nacional e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, aponta avanços na aprovação da reforma tributária, abertura da economia nacional à competição internacional, novo marco regulatório para o saneamento básico e modernização da cadeia produtiva de petróleo e gás. Todos esses setores possuem grande capacidade de atração de capitais estrangeiros, devido ao atrasado estágio em que se encontram atualmente.

A instabilidade da governança pública e a escassez de recursos públicos para investimentos limitam cada vez mais a capacidade das administrações estaduais e federal de investir na construção da infraestrutura econômica que a dinâmica do crescimento está a exigir

No Brasil, apenas 5% das operações de saneamento são executadas pela iniciativa provada. O restante 95% dos sistemas de saneamento básico são operados por estados e municípios que se encontram à beira da falência e não possuem capacidade de investimentos. Vem daí boa parte da explicação da situação calamitosa em que se encontram, apresentando índices de fornecimento de água potável, coleta e tratamento de esgotos idênticos aos que alguns países tinham há 50 anos atrás. O novo marco legal para o setor deve facilitar municípios e estados interessados em licitar as concessões para grupos privados com expertise na operação e com capacidade de captação de financiamentos no mercado de capitais para a modernização desse serviço tão essencial para a qualidade de vida das populações mais carentes.

Outra cadeia produtiva com enorme capacidade de atração de investimentos é a do petróleo e gás. O ministro Paulo Guedes já afirmou, mais de uma vez, que determinou a uma força tarefa sob o seu comando acelerar os estudos para a reestruturação desse mercado, atualmente monopolizado pela estatal Petrobras. A empresa adiantou-se e iniciou a venda de ativos ligados à produção, transporte e comercialização de gás e refinarias de petróleo. Vendeu sua participação no mercado varejista de combustível que era feito por meio da BR Distribuidora, sinalizando que vai concentrar toda sua operação na prospecção, extração e produção de petróleo. Nesta semana o BNDES comunicou ao mercado internacional e local que vai vender 612 mil ações ordinárias (que dão direito a voto) da Petrobrás que estão em sua carteira. Sinalizou que a Petrobrás vai ficar com menor participação governamental, tomando feição de empresa privada com governança corporativa de excelência, como aliás, exige o bilionário e exigente mercado global em que atua.

Em entrevista recente, o Ministro dos Transportes, Tarcísio Freitas, apontou que toda a estratégia do ministério é focada na privatização da concessão de rodovias, ferrovias, hidrovias, aeroportos, portos marítimos e fluviais como alternativa para modernizar e expandir a infraestrutura logística e melhorar a produtividade do país. Disse que no decorrer de 2020 vai lançar os leilões para conceder à iniciativa privada a concessão para duplicação e operação da Rodovia 163, no trecho de Sinop (MT) a Miritituba (PA), dando acesso rodoviário ao porto fluvial de Santarém. Para garantir também o acesso ferroviário ao mesmo porto de Santarém, informou o ministro que está em fase final o edital de licitação da concessão à iniciativa privada da ferrovia Ferrogrão, que ligará Sinop a Miritituba (PA).

Afirmou que brevemente vai assinar contrato com a empresa Rumo Logística, que teve a concessão da Malha Ferroviária Paulista renovada, para expansão da ferrovia Vicente Vuolo de Rondonópolis até Cuiabá e posteriormente até Sorriso. O ministro informou que a administração federal está prestes a acertar a renovação da concessão da ferrovia Vitória (ES) até Minas Gerais, operada pela Vale. Em contrapartida, a empresa investirá  R$ 7 bilhões para construir o trecho da ferrovia ligando a cidade de Campinorte (GO) até Água Boa (MT), cuja operação será concedida à grupo privado especializado, por meio de leilão público. O aeroporto de Várzea Grande/Cuiabá e outros quatro de cidades do interior já operam sob gestão privada.

A administração estadual já colocou em prática um vasto programa de concessões de rodovias estaduais, contemplando os principais eixos produtivos do estado.

Um grande choque de investimentos e a constatação de que o estado sozinho não conseguiu e não conseguirá suprir toda a infraestrutura para um país que precisa crescer 5% ao ano. Todas as decisões indicam uma saudável aliança entre estado e capital privado para promover os investimentos na infraestrutura econômica de Mato Grosso e do país. Vamos acompanhar e monitorar para que essa parceria venha se transformar em insumo importante para o desenvolvimento econômico.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Ernani Lucio Pinto de Souza | Sexta-Feira, 31 de Janeiro de 2020, 08h19
    0
    0

    Sem dúvida, excelente trabalho Vivaldy da Economia Matogrossense.

Podemos absorve a turma do barulho

O Podemos conseguiu juntar no seu diretório em Cuiabá a turma do barulho. Dela fazem parte dois com mandatos cassados, Abílio Júnior, que perdeu a cadeira de vereador por quebra de decoro, e a senadora Selma Arruda, cassada por caixa 2 e abuso de poder econômico, mas que ainda continua no cargo. Selma impôs condições para seguir no partido. Chegou a negociar ida para o PSC. E ganhou a presidência municipal do Pode, forçando o...

Secretário, furtos e a incompetência

rodrigo metello 400 curtinha   O secretário de Transporte e Trânsito de Rondonópolis, Rodrigo Metello (foto), filiado ao MDB e pré-candidato a vereador, corre risco de ser acionado na Justiça por centenas de pessoas que tiveram motocicletas apreendidas e que depois acabaram furtadas do Pátio Rondon. O local...

Vereador na base e críticas a Leonardo

leonardo 400 curtinha   Chico 2000, vereador pela Capital, assegura que não procede a informação de que o seu Partido Liberal irá romper com o prefeito Emanuel, não o apoiando à reeleição. Segundo ele, foi Leonardo Oliveira (foto), que participou na quarta de uma reunião do...

Embates sobre a cadeira da discórdia

selma arruda curtinha 400   A cadeira da senadora Selma Arruda (foto), que está cassada há um ano mas, mesmo assim, continua no cargo, vem dividindo opinião de vários líderes políticos, uns torcendo logo para a Mesa do Senado decretar a vacância para Carlos Fávaro assumir a vaga, outros...

PL avisa Chico que não apoiará EP

chico 2000 curtinha   O vereador Chico 2000 (foto), único do PL na Câmara de Cuiabá e governista de carteirinha, se mostrou  desconfortável politicamente quando foi informado nesta quinta que a legenda liberal não vai apoiar a reeleição do prefeito Emanuel, do MDB. O partido é comandado no...

Bolsonarista esperançoso no Patriota

roberto franca curtinha   Roberto França (foto) decidiu fazer uma aposta arriscada com vistas às urnas de outubro. Aos 71 anos, metade deles ocupando cargos eletivos, como de vereador, deputado estadual e federal e prefeito de Cuiabá, ele trocou um partido nanico por outro, do PV para o Patriota. A esperança do...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.