Vivaldo Lopes

Novo ciclo econômico

Por 23/01/2020, 07h:21 - Atualizado: 23/01/2020, 07h:30

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

Já afirmei antes neste espaço que vislumbro em Mato Grosso os primeiros sinais de um novo ciclo de crescimento econômico mais protagonizado pela iniciativa privada e menos pela administração pública. Esse novo ciclo apresenta-se menos dependente de investimentos públicos estaduais e federais e mais do capital privado. A instabilidade da governança pública e a escassez de recursos públicos para investimentos limitam cada vez mais a capacidade das administrações estaduais e federal de investir na construção da infraestrutura econômica que a dinâmica do crescimento está a exigir.

O cenário nacional ajuda Mato Grosso nesse novo salto qualitativo do seu desenvolvimento. A agenda econômica do país, neste momento liderada pelo Congresso Nacional e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, aponta avanços na aprovação da reforma tributária, abertura da economia nacional à competição internacional, novo marco regulatório para o saneamento básico e modernização da cadeia produtiva de petróleo e gás. Todos esses setores possuem grande capacidade de atração de capitais estrangeiros, devido ao atrasado estágio em que se encontram atualmente.

A instabilidade da governança pública e a escassez de recursos públicos para investimentos limitam cada vez mais a capacidade das administrações estaduais e federal de investir na construção da infraestrutura econômica que a dinâmica do crescimento está a exigir

No Brasil, apenas 5% das operações de saneamento são executadas pela iniciativa provada. O restante 95% dos sistemas de saneamento básico são operados por estados e municípios que se encontram à beira da falência e não possuem capacidade de investimentos. Vem daí boa parte da explicação da situação calamitosa em que se encontram, apresentando índices de fornecimento de água potável, coleta e tratamento de esgotos idênticos aos que alguns países tinham há 50 anos atrás. O novo marco legal para o setor deve facilitar municípios e estados interessados em licitar as concessões para grupos privados com expertise na operação e com capacidade de captação de financiamentos no mercado de capitais para a modernização desse serviço tão essencial para a qualidade de vida das populações mais carentes.

Outra cadeia produtiva com enorme capacidade de atração de investimentos é a do petróleo e gás. O ministro Paulo Guedes já afirmou, mais de uma vez, que determinou a uma força tarefa sob o seu comando acelerar os estudos para a reestruturação desse mercado, atualmente monopolizado pela estatal Petrobras. A empresa adiantou-se e iniciou a venda de ativos ligados à produção, transporte e comercialização de gás e refinarias de petróleo. Vendeu sua participação no mercado varejista de combustível que era feito por meio da BR Distribuidora, sinalizando que vai concentrar toda sua operação na prospecção, extração e produção de petróleo. Nesta semana o BNDES comunicou ao mercado internacional e local que vai vender 612 mil ações ordinárias (que dão direito a voto) da Petrobrás que estão em sua carteira. Sinalizou que a Petrobrás vai ficar com menor participação governamental, tomando feição de empresa privada com governança corporativa de excelência, como aliás, exige o bilionário e exigente mercado global em que atua.

Em entrevista recente, o Ministro dos Transportes, Tarcísio Freitas, apontou que toda a estratégia do ministério é focada na privatização da concessão de rodovias, ferrovias, hidrovias, aeroportos, portos marítimos e fluviais como alternativa para modernizar e expandir a infraestrutura logística e melhorar a produtividade do país. Disse que no decorrer de 2020 vai lançar os leilões para conceder à iniciativa privada a concessão para duplicação e operação da Rodovia 163, no trecho de Sinop (MT) a Miritituba (PA), dando acesso rodoviário ao porto fluvial de Santarém. Para garantir também o acesso ferroviário ao mesmo porto de Santarém, informou o ministro que está em fase final o edital de licitação da concessão à iniciativa privada da ferrovia Ferrogrão, que ligará Sinop a Miritituba (PA).

Afirmou que brevemente vai assinar contrato com a empresa Rumo Logística, que teve a concessão da Malha Ferroviária Paulista renovada, para expansão da ferrovia Vicente Vuolo de Rondonópolis até Cuiabá e posteriormente até Sorriso. O ministro informou que a administração federal está prestes a acertar a renovação da concessão da ferrovia Vitória (ES) até Minas Gerais, operada pela Vale. Em contrapartida, a empresa investirá  R$ 7 bilhões para construir o trecho da ferrovia ligando a cidade de Campinorte (GO) até Água Boa (MT), cuja operação será concedida à grupo privado especializado, por meio de leilão público. O aeroporto de Várzea Grande/Cuiabá e outros quatro de cidades do interior já operam sob gestão privada.

A administração estadual já colocou em prática um vasto programa de concessões de rodovias estaduais, contemplando os principais eixos produtivos do estado.

Um grande choque de investimentos e a constatação de que o estado sozinho não conseguiu e não conseguirá suprir toda a infraestrutura para um país que precisa crescer 5% ao ano. Todas as decisões indicam uma saudável aliança entre estado e capital privado para promover os investimentos na infraestrutura econômica de Mato Grosso e do país. Vamos acompanhar e monitorar para que essa parceria venha se transformar em insumo importante para o desenvolvimento econômico.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Ernani Lucio Pinto de Souza | Sexta-Feira, 31 de Janeiro de 2020, 08h19
    0
    0

    Sem dúvida, excelente trabalho Vivaldy da Economia Matogrossense.

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

Sob recall e apoiamento de Bolsonaro

roberto franca 400 curtinha   Mesmo isolado e sem grupo político da época em que foi prefeito por duas vezes, Roberto França (foto), filiado ao nanico Patriota, não desiste da pré-candidatura em Cuiabá. E há um motivo forte que o deixa empolgado. Seu nome vem se consolidando como o segundo nas...

Prejuízos para Acorizal de R$ 753 mil

clodoaldo monteiro 400 curtinha acorizal   O conselheiro interino Moisés Maciel concedeu medida cautelar proposta pela secretaria de Controle Externo de Contratações Públicas do TCE, suspendendo de imediato um termo de parceria, em vigor desde 2017, entre a prefeitura de Acorizal e a Oscip Iso Brasil. Foi descoberto...

"Eu não devo um centavo para Júlio"

sergio rezende 680   O empresário e ex-vereador de Chapada dos Guimarães, Sergio Rezende (foto), que foi "enquadrado" pelo cacique político do DEM, Júlio Campos, reagiu, mas sem as críticas duas de antes contra o ex-governador. Irritado pelos ataques feitos por Rezende em um grupo de WhatsApp, Julio gravou um...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.