Vivaldo Lopes

O estrago econômico da Covid

Por 04/03/2021, 07h:44 - Atualizado: 04/03/2021, 07h:51

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O IBGE publicou ontem (3) os dados da atividade econômica do Brasil no trágico ano de 2020. O PIB do país teve queda de 4,1%. Bem menor que as estimativas iniciais do mercado, de organismos internacionais e do governo, mas muito maior do que o país pode suportar. O péssimo desempenho da economia levou o Brasil à posição de 11ª força econômica mundial. Entre 2008 e 2010, o Brasil chegou a disputar a 8ª posição nesse ranking mundial. O país vem de um pífio crescimento de 1,4% em 2019 e uma longa recessão de 2015 a 2017. O tombo de 2020 foi o maior, desde 1990. Naquele fatídico ano, sob o governo de Fernando Collor de Mello, tivemos o famigerado Plano Collor que derrubou o PIB em 4,35%. A retração econômica registrada no ano passado consolida o período de 2011 a 2020 como a pior década econômica da nossa história. Mais uma década perdida.

Fatores relevantes para que a retração fosse bem menor do que se vislumbrava inicialmente foram a transferência de renda executada pela administração federal por meio do auxílio emergencial, os financiamentos de capital de giro das empresas, o programa de compensação para proteção do emprego formal e repasses financeiros feitos aos estados e municípios para compensar quedas de receitas tributárias

Vivaldo Lopes

Fenômeno global, a pandemia da Covid-19 derrubou a economia mundial em proporções jamais vistas em períodos de paz. Mesmo que não nos sirva de consolo, registre-se que algumas economias desenvolvidas tiveram quedas maiores que a brasileira, pois foram mais rigorosos ao decretarem isolamento social e lockdown. Na Espanha, a queda foi de 11%, na Inglaterra, 9,9%, França 5,4% e Alemanha 5%.

Análise mais detalhada dos números mostra que o setor de serviços, que depende de interação e mobilidade, caiu 4,5%. A indústria, que se reinventou para manter o país abastecido de bens, teve retração de 3,5%, com destaque para os produtos alimentícios, farmacêuticos e material de limpeza. Apenas a agropecuária teve crescimento de 2%. Foi muito beneficiada por safras recordes de grãos, preços internacionais em alta, câmbio favorável, expansão das exportações e aumento do consumo de itens de alimentação no mercado doméstico durante a pandemia.

Fatores relevantes para que a retração fosse bem menor do que se vislumbrava inicialmente foram a transferência de renda executada pela administração federal por meio do auxílio emergencial, os financiamentos de capital de giro das empresas, o programa de compensação para proteção do emprego formal e repasses financeiros feitos aos estados e municípios para compensar quedas de receitas tributárias. De todos, o mais importante foram os R$ 293 bilhões entregues a 67 milhões de pessoas fragilizadas pela crise sanitária que contribuíram, decisivamente, para manter as pessoas em casa na primeira fase da pandemia e estimular o consumo, notadamente de produtos de alimentação, serviços residenciais, farmacêuticos e materiais de higiene e limpeza. Somente em Mato Grosso, foram liberados R$ 4,96 bilhões para 950 mil pessoas. Ajudou a reduzir os impactos econômicos nocivos que a crise sanitária apontava e salvou vidas.

O Banco Central também deu sua contribuição, fazendo sua tarefa de casa. Manteve a taxa básica de juros em 2%, estimulando o crédito, mesmo num ambiente de aceleração da inflação. Foi outro componente importante para arrefecer os impactos da crise sanitária na atividade econômica, juntamente com a aprovação, pelo congresso nacional, da lei que dá autonomia àquela autoridade monetária.

O ano de 2021 apresenta-se desafiador. Exige liderança nacional que faltou em 2020 e definição clara dos rumos da política econômica que precisa ser apontada e implantada pela equipe econômica. Avançar na vacinação da população, renovar imediatamente o auxílio emergencial e aprovar no Congresso Nacional as reformas econômicas, tributária e administrativa são ingredientes imprescindíveis para redução das incertezas políticas. Atitudes canhestras como a intervenção na gestão da Petrobras e do Banco do Brasil atuam na contramão e ajudam a aumentar a desconfiança sobre o futuro econômico do país, ao enfraquecer a posição do ministro da economia. A consequência vem a galope sob a forma de elevação do risco de crédito do país, fuga de capitais, aumento dos juros de longo prazo e desvalorização da moeda nacional frente ao dólar, afetando muitas cadeias produtivas, aumentando custos industriais e pressionando a inflação.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em  MBA- Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br).

Postar um novo comentário

Sicredi recua de comprar praça pública

enilson rios 400 prefeito araputanga   A diretoria do Sicredi nem esperou ser votado na Câmara Municipal o polêmico projeto sobre negociação de uma praça pública no centro de Araputanga para cancelar o negócio. A cooperativa havia "amarrado" entendimento com o prefeito Enilson de Araújo...

Sessão, voto e namoro com cantora

ulysses moraes 400   Na sessão virtual da Assembleia desta segunda, o deputado Ulysses Moraes (foto), do PSL, estava demorando para computar o voto na apreciação de um veto do governador. O presidente Max Russi (PSB), então, cobrou agilidade do colega e brincou, dizendo que agora ele só tem olhos para a Maraisa....

Misal é reeleito para o 10º mandato

misael galv�o 400 curtinha   Após dois anos fora do comando do Shopping Popular, período em que respondeu pela presidência da Câmara da Capital, o ex-vereador Misael Galvão (foto) voltou à direção do empreendimento, que abriga 500 lojas. E, sob forte...

Oscarlino, Pros e "nocaute" em Gisela

oscarlino 400   Na queda-de-braço dentro do Pros por espaço político, o ex-sindicalista Oscarlino Alves (foto) nocauteou a ex-superintendente do Procon-MT, Gisela Simona. Ele foi um dos filiados que não aceitaram apoio a Abílio na disputa de segundo turno para prefeito de Cuiabá, se aliou ao projeto de...

Promotor recebe medalha do Exército

Mauro Zaque curtinha   O promotor de Justiça Mauro Zaque (foto) foi condecorado com a medalha do Exército Brasileiro na manhã desta segunda (19), no dia da instituição. A solenidade é considerada a segunda maior do Exército Brasileiro, foi reservada por conta da pandemia e contou com a...

Sema reabre os parques em Cuiabá

mauren lazzaretti sema 400   Fechados desde 1º de abril, em obediência às regras de decreto municipal, que suspendiam as atividades coletivas, os parques estaduais urbanos de Cuiabá reabrem nesta segunda (19) para utilização pelo público. Será possível acessar as tradicionais trilhas...