Vivaldo Lopes

Pouso forçado

Por 05/03/2020, 08h:18 - Atualizado: 05/03/2020, 08h:30

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

A economia mundial está fazendo um pouso forçado em decorrência dos danosos efeitos da pandemia do coronavírus. Inclusive a de Mato Grosso. Ainda que em intensidade menor que a do Brasil. Altamente dependente do setor agropecuário e da exportação de commodities agrícolas, a atividade econômica de nosso estado sentirá o tranco da desaceleração mundial. De um lado, dificilmente escapará de problemas nas exportações, principalmente para a China, o maior mercado dos produtos do agro mato-grossense. Acrescente-se nesse caldo as perspectivas de baixa nos preços dessas commodities em razão da redução da demanda mundial.

A indústria de transformação/inovação não tem sido protagonista do crescimento econômico de Mato Grosso há décadas

Vivaldo Lopes

O efeito dominó da retração da economia chinesa afetará outros parceiros comerciais de Mato Grosso, forçando queda do consumo e redução dos preços dos principais produtos de nossa pauta de exportação: soja e derivados, milho, carnes e algodão. Parte da produção será realocada no mercado doméstico, mitigando um pouco os danos. Os exportadores serão parcialmente recompensados pela desvalorização do real frente ao dólar que chegou à estonteante marca de R$ 4,58, a maior da história do país em valores nominais. É péssimo para a saúde econômica do país, mas favorece os exportadores.

A indústria de transformação/inovação não tem sido protagonista do crescimento econômico de Mato Grosso há décadas. Nos últimos trinta anos, esse protagonismo foi assumido pelo setor agropecuário que avançou em aumento de produção, produtividade e inovação tecnológica, transformando-se num dos maiores players agrícolas mundiais. Em momentos que a indústria mostrou avanços no impulso do crescimento estadual, foi puxada pela setor extrativista ou processamento de produtos do agro, alimentos, frigoríficos e, mais recentemente, etanol de milho.

A indústria da construção civil mostra-se muito dependente do investimento público (estadual e federal) e do crédito imobiliário habitacional, cujo maior provedor tem sido o governo federal. Todos ficaram muito escassos com a longa recessão que o país e o estado enfrentaram de 2014 até final de 2016. As condições favoráveis para a economia de Mato Grosso no início de 2020 devem ser revisadas diante das incertezas que a crise está causando nas decisões de investimentos e de consumo das famílias.

Valor Econômico

Crescimento PIB

 

O cenário nacional sente mais ainda que Mato Grosso os estragos da crise. Dois fatos contribuíram para as revisões de crescimento em 2020. Na última terça (3) o Federal Reserve – FED, o Banco Central americano, anunciou, de forma surpreendente, corte na taxa de juros dos títulos do tesouro americano, passando mensagem ao mundo que admitem ser a atual crise  tão grave quanto a crise financeira de 2008-2009 que causou profunda recessão mundial. Indicou como antídoto à crise, aumentar a oferta de crédito na economia americana como estímulo ao consumo e ao investimento. Na quarta (4), bancos centrais de vários países seguiram a mesma toada e anunciaram corte nas suas respectivas taxas de juros. No Brasil, o mercado local, bancos e consultorias econômicas aumentaram as expectativas de que o Banco Central seguirá a mesma trilha e reduzirá a taxa básica de juros (Selic) na próxima reunião para 4%, ou até mesmo 3,75% como medida anticíclica para estimular a atividade econômica e mitigar os efeitos da desaceleração. Outro fato relevante foi a divulgação, pelo IBGE, do crescimento do PIB brasileiro em 2019. O país cresceu 1,1%, quebrando expectativas de agentes do  mercado e abaixo do desempenho período do governo de Michel Temer que foi de 1,3%. Os dois fatos simultâneos ajudaram a acender os faróis amarelos para revisão das estimativas de crescimento da atividade econômica deste ano. Iniciamos 2020 com previsões de crescer 2,5% que já haviam sido reduzidas para 2%. Nesta quarta feira, grandes bancos e consultorias anunciaram revisões para 1,5% com viés de baixa, aumentando as expectativas sobre a reunião da diretoria do Banco Central agendada para a próxima semana.

Em âmbito mundial, a decisão emergencial do banco central americano seguida por bancos centrais de outros países, a revisão da estimativa de crescimento mundial divulgada pela  Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, oferta de crédito pelo FMI para os países enfrentarem os efeitos recessivos da crise confirmam que a pandemia iniciada na China tornou-se um problema global exigindo ações integradas das maiores potências de forma a evitar que o seu prolongamento vire uma nova recessão mundial com efeitos tão sinistros quanto os da crise financeira mundial de 2008/2009 que teve início nos Estados Unidos.

Vivaldo Lopes é economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em MBA e Gestão Financeira Empresarial pela FIA/USP. Escreve nesta coluna com exclusividade às quintas-feiras. E-mail: vivaldo@uol.com.br

Postar um novo comentário

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

Sob recall e apoiamento de Bolsonaro

roberto franca 400 curtinha   Mesmo isolado e sem grupo político da época em que foi prefeito por duas vezes, Roberto França (foto), filiado ao nanico Patriota, não desiste da pré-candidatura em Cuiabá. E há um motivo forte que o deixa empolgado. Seu nome vem se consolidando como o segundo nas...

Prejuízos para Acorizal de R$ 753 mil

clodoaldo monteiro 400 curtinha acorizal   O conselheiro interino Moisés Maciel concedeu medida cautelar proposta pela secretaria de Controle Externo de Contratações Públicas do TCE, suspendendo de imediato um termo de parceria, em vigor desde 2017, entre a prefeitura de Acorizal e a Oscip Iso Brasil. Foi descoberto...

"Eu não devo um centavo para Júlio"

sergio rezende 680   O empresário e ex-vereador de Chapada dos Guimarães, Sergio Rezende (foto), que foi "enquadrado" pelo cacique político do DEM, Júlio Campos, reagiu, mas sem as críticas duas de antes contra o ex-governador. Irritado pelos ataques feitos por Rezende em um grupo de WhatsApp, Julio gravou um...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.