Vivaldo Lopes

Saneamento e saúde

Por 16/07/2020, 15h:47 - Atualizado: 16/07/2020, 15h:52

Dayanne Dallicani

Colunista Vivaldo Lopes

O presidente Jair Bolsonaro sancionou ontem a lei nacional que define o novo marco regulatório para os serviços de saneamento básico no Brasil. A legislação era discutida no congresso nacional desde 2016. Foi aprovada pelos congressistas apenas neste mês de junho. A nova lei estabelece dois grandes objetivos nacionais: universalizar o fornecimento de água potável para 99% das residências brasileiras e tratar 90% dos esgotos até o ano de 2033. Se levarmos em consideração que o país ainda tem um contingente de 100 milhões de pessoas que não contam com serviços de tratamento de esgoto e 35 milhões que não recebem água potável em suas casas, o desafio é gigantesco. A nação terá de realizar em treze anos o que não fez nos 520 anos de sua existência. Para superar esse desafio a administração federal conta com a grande inovação da nova legislação que é ampliar a participação do capital privado e uma forte agência reguladora nacional.

No Brasil, 94% dos serviços de fornecimento de água potável e tratamento de esgotos são prestados por empresas públicas estaduais ou autarquias municipais. Somente o restante 6% das cidades possuem tais serviços oferecidos por empresas privadas por meio de concessões ou parcerias público-privadas.

O setor de saneamento básico exige elevados investimentos e boa expertise operacional, além de boa política de tarifação com subsídios cruzados. A despeito de ser um dos mais eficazes instrumentos para melhorar a saúde da população, saneamento básico nunca esteve entre as prioridades nos orçamentos de estados e municípios brasileiros. A crônica falta de recursos para o grande volume de investimentos que o setor exige, somada à baixa eficiência pública nessa área, colocam o Brasil nas piores posições no ranking mundial de saúde e saneamento.

Abre-se uma janela de oportunidade para aos administradores municipais que buscam melhorar e universalizar o abastecimento de água e tratamento de esgotos aos seus cidadãos-contribuintes

Os ministros da Economia e do Desenvolvimento Regional afirmaram que estudos efetuados pelas duas pastas demonstram que a segurança jurídica e a previsibilidade econômica derivadas da nova legislação terão força para atrair R$ 700 bilhões de investimentos privados nos próximos dez anos, que serão decisivos para atingir o objetivo de universalização.

Em Mato Grosso, em 1996, numa visão de estadista ousado e visionário, o então governador Dante de Oliveira extinguiu a companhia estatal de saneamento, Sanemat, que era responsável pelo fornecimento de água e tratamento de esgoto a todos as cidades do estado, devolvendo as concessões desses serviços para os municípios. Cada município, ao seu tempo e por meio de legislação própria, passou a ter a opção de executar os serviços ou passar a concessão à iniciativa privada. Vinte e quatro anos depois, Mato Grosso é o estado que tem a maior participação proporcional de empresas privadas especializadas nas operações de saneamento básico. Dos 141 municípios, trinta optaram por transferir, por meio de licitação pública, a concessão para o capital privado. Cidades de portes variados, como a capital, Cuiabá, Jangada, Nobres, Nortelândia, Marcelândia, Sinop, Sorriso e Primavera do Leste. Todas ostentam bons indicadores de saneamento, conforme informa o Instituto Trata Brasil, instituição privada e independente que monitora a qualidade do serviço em todo o território brasileiro. O fato de não ter uma companhia estadual como em todos os demais estados torna-se uma vantagem comparativa para Mato Grosso atrair novos investimentos privados a partir do novo marco regulatório.

Abre-se uma janela de oportunidade para aos administradores municipais que buscam melhorar e universalizar o abastecimento de água e tratamento de esgotos aos seus cidadãos-contribuintes. Com eleições municipais marcadas para novembro próximo, essa decisão caberá aos prefeitos que serão eleitos ou reeleitos. Poderão aproveitar a alta liquidez no mercado nacional e internacional e o apetite mercadológico para investimentos em infraestrutura no Brasil para conceder à iniciativa privada a operação dos serviços de saneamento básico. Ademais, com a nova legislação, o governo federal deverá reduzir ainda mais o já minguados recursos para municípios e estados realizarem obras nessa área.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia. É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br)

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • EDUARDO ALEXANDRE RICCI | Quinta-Feira, 16 de Julho de 2020, 17h33
    0
    0

    Muito bom o artigo. No pós pandemia, a reforma sanitária será fundamental para reduzir as possibilidades de disseminação de novos vírus que hoje proliferam graças à falta de saneamento básico.

PTB tem 25 e deve eleger 2 à Câmara

misael galvao 400 curtinha   O PTB lançou 25 nomes a vereador em Cuiabá. E a tendência é de eleger entre um e dois. As maiores apostas são os seus próprios vereadores: Misael Galvão (foto) e Adevair Cabral, respectivamente, presidente e primeiro-secretário da Mesa Diretora da Câmara....

Retorno à Câmara após 6 mandatos

fulo 400 curtinha   Figura bastante popular, especialmente na região da Vila Operária, Lourisvaldo Manoel de Oliveira, o Fulô (MDB), que foi vereador de Rondonópolis por seis mandatos, está de volta. Hoje suplente, ele assume provisoriamente nesta segunda a cadeira do titular Thiago Muniz, que pediu licença...

Bolsonaro nem aí para políticos de MT

nelson barbudo 400 curtinha   O cerimonial da Presidência da República deu de ombros para os políticos, inclusive para a bancada federal mato-grossense, na visita de Bolsonaro, sexta, em Sinop e Sorriso. Alguns tentaram, de forma insistente, tirar foto com o presidente. E até conseguiram. Mas o capitão preferiu...

Tião com Flávio e "pau" nos Campos

tiao da zaeli 400 curtinha   A maior bronca dos Campos em Várzea Grande hoje é com o ex-prefeito Tião da Zaeli (foto), que motivou o amigo e empresário Flávio Vargas, dono do frigorífico Frical, a entrar na disputa à sucessão municipal. E Flávio conseguiu construir um amplo arco de...

A única dos maiores fora da reeleição

rosana martinelli 400 curtinha   Seis dos 10 prefeitos dos maiores municípios de MT poderiam disputar a reeleição neste ano por estarem no primeiro mandato ou já tendo exercido outros não consecutivos. E, destes, somente Rosana Martinelli (foto), de Sinop, não se recandidatou. Percebeu dificuldades...

Poconé tem 4 no páreo; Euclides dança

euclides santos 400 curtinha   Em Poconé, o ex-prefeito Euclides Santos (foto) nadou e morreu na praia. Numa queda de braço dentro do PSDB, Euclides, que havia se mudado para Cuiabá e tem o filho na disputa para vereador, perdeu espaço e autonomia para a ex-prefeita Meire Adauto, presidente municipal da legenda tucana e...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você acha que o efeito-Bolsonaro terá impacto no resultado das eleições de novembro em MT?

sim - onda Bolsonaro continua

não - efeito não influencia mais

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.