Enchente de 74 foi a mais intensa, UFMT foi abrigo e ex-reitor cita cenas de guerra

Selo Cuiab� 300 anos

Na década de 70 foi quando aconteceu uma das maiores enchentes que Cuiabá já se teve notícia. Muita gente perdeu tudo, ficou sem casa e os únicos transportes possíveis, em bairros mais próximos do Rio Cuiabá, eram canoas e barcos grandes. 

Era doloroso abrir salas de aulas e encontrar famílias morando improvisadas. Cenas de guerra

Gabriel Novis

O ano foi 1974, entre as testemunhas deste episódio está o reitor e fundador da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Gabriel Novis. 

Ele conta que, há 45 anos, a situação era triste, e que algumas cenas lhe marcaram a memória. As salas de aula da universidade foram adaptadas com colchonetes e suprimentos para as famílias desabrigadas. “As cenas eram muito fortes e ajudamos como foi possível. Me lembro muito bem que a UFMT parecida um dos únicos lugares seguros, as águas nem chegaram perto. Estava em um lugar mais alto e longe do Rio Cuiabá. Era doloroso abrir salas de aulas e encontrar famílias morando improvisadas. Cenas de guerra”, cita o ex-reitor.

Arquivo Pessoal

Gabriel Novis Neves

Entre as testemunhas deste episódio está Gabriel Novis

A UFMT foi fundada em 1970, ainda era uma estrutura mais modesta e pequena, mas foi onde a Defesa Civil achou mais seguro locar as pessoas. Em fotos mais antigas é possível observar populares tentando se acumular em canoas improvisadas. Muitas guardam nos barcos pertences que conseguiram salvar.

Entre os mais atingidos, as famílias do bairro Terceiro foram as mais prejudicadas por conta da subida do rio. Centenas de famílias padeceram. Estudos indicam que às 23h do dia 18 de março, o rio Cuiabá atingiu 10,87 metros.

Era uma área imensa a do bairro Porto, ela se esticava até onde hoje se localiza o Jardim Europa. Região tradicional de Cuiabá, era povoada principalmente por ribeirinhos e seus descendentes. 

O bairro ganhou um “sobrenome” para cada extremidade, como Terceiro de Dentro e Terceiro de Fora, para gerar referência às autoridades. Gabriel também lembra que a antiga Rua 15 de Novembro desapareceu e foi “transformada” em rio. “A populaçåo ribeirinha desapareceu. Era um sentimento de impotência com a violência da natureza. Uma das cenas que não esqueço é da água chegando às portas da igreja de São Gonçalo e o pessoal de canoa por lá”, descreve. 

A populaçåo ribeirinha desapareceu. Era um sentimento de impotência com a violência da natureza

Gabriel Novis

Na região ainda estão erguidos alguns prédios da primeira metade do século XX, que já haviam recebido projetos de modernização. Naquela época, a primeira ponte que liga Cuiabá a Várzea Grande havia sido construída pelo governador Júlio Müller. Além dela, a avenida Getúlio Vargas havia sido expandida morro acima e o Cine Teatro foi instalado num processo nomeado por alguns como choque de modernização.

Além da tempestade de 1974, a Capital também enfrentou grandes temporais em 1942, 1995 e 2001. A dos anos 70 ainda é considerada a mais intensa, mas a que registrou mais mortos foi a de 18 anos atrás, quando 10 pessoas faleceram.  

Barragens do Manso  

Desde sua construção, a barragem da usina do Manso tem ajudado a evitar enchentes do Rio Cuiabá como as que aconteciam com frequência. Além de regularizar o nível das águas, a represa tem potência instalada para 212 MW, apesar de sua contribuição na produção energética para o Centro-Oeste e Sudeste ser considerada baixa.

Favorecida pelas últimas chuvas em Mato Grosso, principalmente na região do Rio Manso, a usina tem em períodos chuvosos quase a totalidade de seu reservatório completo. A represa atinge uma área de 427 km² em Chapada dos Guimarães e Nova Brasilândia, a 65 km e 223 km de Cuiabá. 

Reprodução arquivo público

Parte do bairro Terceiro, extinto, � onde hoje est� a Acrimat

Parte do bairro Terceiro, extinto, é onde hoje está a Acrimat. A enchente dos anos 70 ainda é considerada a mais intensa. Mas, a que registrou mais mortos foi a de 2001

Mudanças na arquitetura 

Com as chuvas intensas de 74, a cidade também teve de ser construída de uma forma mais “moderna”.

Além disso, os bairros como Novo Terceiro e Santa Izabel surgiram, mesmo que inicialmente improvisados, para acolher os moradores do Terceiro. Outros bairros foram unidos como Ana Poupina, Gambá e Morro da Colina para formar o Dom Aquino.

Na área central da cidade, por este motivo, a população ampliou. A concentração popular na área o Centro Histórico, inclusive nas margens da Prainha, que já eram populosas por conta da antiga exploração mineral, ganhou também reforço comercial.

Era a enfervecência da cuiabania aflorando em alguns pontos que se tornariam tradicionais, deu movimento a outros bairros, como os próximos da Universidade Federal.

Galeria de Fotos

Credito: Reprodução arquivo público
Pessoas ilhadas na região do Porto, inundação durou quase uma semana
Credito: Reprodução arquivo público
Imagem aérea da cidade na região ribeirinha, que sumiu por algum tempo do mapa
Credito: Reprodução arquivo público
Na região do Porto, maior parte das pessoas perderam casas e ficaram desoladas
Credito: Reprodução arquivo público
Pessoas tentavam se acumular em canoas e salvar algumas coisas da enchente
Credito: Reprodução arquivo público
O Rio Cuiabá subiu e alagou todos os bairros próximos
Credito: Reprodução arquivo público
Parte do bairro Terceiro, extinto, é onde hoje está a Acrimat
Credito: Reprodução arquivo público
Bairros tiveram de ser reconstruídos, alguns foram unidos e hoje levam outros nomes
Credito: Reprodução arquivo público
Pessoas em situações precárias foram levadas para a UFMT pela Defesa Civíl

Recuo do DEM e agora no Republicano

gabriel guilherme 400 curtinha   O DEM terá de excluir da lista de pré-candidatos a vereador pela Capital o nome do jovem Gabriel Guilherme (foto), de 22 anos. Ele optou por se filiar ao Republicano. Lotado na Assembleia como assistente da Secretaria de Orçamento e Finanças e filho do ortopedista Paulo Fonseca...

Galvan vai deixar PDT e ir pra o PRTB

antonio galvan 400 curtinha   Embora não tenha perdido de vistas o Aliança pelo Brasil, partido que está sendo criado por Bolsonaro, Antonio Galvan (foto), presidente da Aprosoja e que acabou levado à frigideira dentro do PDT em meio ao embate por tentativa de candidatura ao Senado, se mostra disposto a ingressar no...

"Pátio igual gato, comendo e miando"

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (Podemos), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara, disse que o prefeito Zé do Pátio, de Rondonópolis, está parecendo gato, comendo e miando, pois recebe recursos federais, inclusive de programas habitacionais e, mesmo assim, ainda alardeia nos...

Adair lançará ex-vice em Alto Paraguai

adair 400 curtinha   O ex-prefeito de Alto Paraguai, advogado emedebista Adair José Alves Moreira (foto), não vai disputar novamente, apesar da insistência do seu grupo. A tendência é de apoiar o seu ex-vice Luiz Figueiredo, com quem administrou a cidade de 2013 a 2016. Luiz também é do MDB e...

Deputado bolsonarista critica prefeito

claudinei deputado curtinha 400   O deputado Claudinei Lopes (foto), morador em Rondonópolis, ficou na bronca com o discurso populista do prefeito Zé do Pátio, para quem o povo nordestino votou em massa no PT e que não tem conseguido construir mais casas populares porque, diferente dos governos petistas, o presidente...

Sem Senado e tudo pela Mesa da AL

max russi curtinha 400   Presidente regional do PSB-MT, o deputado Max Russi (foto) tem participado das discussões para definição de candidaturas ao Senado, na suplementar de abril, mas não mais como pré-candidato. Seu desafio é outro. A prioridade é a busca da reeleição como...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.