CULTURA

Sexta-Feira, 26 de Abril de 2019, 14h:25 | Atualizado: 27/04/2019, 13h:46

Exclusivo

Cantor Nando Reis fala de inspirações e sua relação com a música e poesia - ouça

O romantismo de Nando Reis é memorável, pelo menos, este é um dos principais adjetivos que lhe atribuem nos últimos anos em carreira solo. Na maior parte da sua vida, foi um apaixonado, colado ao violão, para compor letras do cotidiano. Mas ele garante, em entrevista ao , que sua liberdade poética nem sempre se baseia em tudo que viveu, de fato.

Para ele, há um senso comum de achar que tudo que é dito nas músicas, seja um reflexo de suas ações ou comportamentos, o que em partes ele confessa que sim, mas faz ponderações. “Muito dali partiu de experiências emocionais, mas não quer dizer que o está ali é o que eu sou. Música é mais um desejo, porque quando leio minhas músicas tem muito mais do que eu gostaria de ser do que o que o que eu realmente sou”, reflete Reis. 

Quando leio minhas músicas tem muito mais do que eu gostaria de ser do que o quê eu realmente sou

Nando Reis

Às vezes, com acordes mais suaves e outras com um percurso musical latente, propício para não negar que em suas veias sempre irão correr os timbres do rock n roll. 

Nando é mesmo um apaixonado pela intensidade, letras que se identifica ou por histórias que tem uma mensagem que acredita.  Por isso, mesmo desde os anos 80, percebe que nem sempre é fácil falar de amor. Houve períodos da música no país, inclusive, que esse termo era quase proibido – e essa sempre foi uma das maiores discrepâncias do ex-baixista do Titãs (que é músico, poeta e compositor). Ele sempre quis falar sobre seus sentimentos, aventuras ou maneiras de ver e viver no mundo.

Desta vez, prestes a realizar mais um show em Cuiabá, ele revela parte de suas ideias ao e fala um pouco de seu momento na carreira. No seu 13º álbum da discografia solo, lançado no dia 19, interpreta Roberto Carlos e provoca batizando o álbum com o nome “Sou Nenhum Roberto, Mas às Vezes Chego Perto”.

Foto divulgação

Nando Reis

Nando Reis fala sobre novo trabalho e semelhanças com o Rei

Questionado pela reportagem sobre suas possíveis semelhanças com “o Rei”, e se pelas semelhanças da forma em compor, pretende ser lembrado como Roberto é. Sem se esquivar muito, responde: “não tenho como saber a maneira como as pessoas vão se lembrar de mim, se é que vão se lembrar de mim, mas acho que minha forma e a de Roberto têm sim semelhanças, principalmente nas particularidades, e próprio modo de falar sobre o amor”, acredita o músico. 

Ele, que em outro momento da carreira já afirmou que gosta mesmo das músicas que transparecem certo ar “desesperador da busca” por algo, seja amor, desejo ou outras sensações, acredita que o novo trabalho foi bastante envolvente nos estúdios, enquanto gravou.

“O ápice desse trabalho foi ser espetacular, porque esse é daqueles discos que podemos dizer que acontece uma magia. Isso foi decisivo pra resultante musical”, defende.

Porque gravou Roberto Carlos

A história de Nando e Vânia, sua esposa, foi permeada pela obra de Roberto, sobretudo a produção dos anos 1970. Logo que chegou em sítio em uma de suas férias em 2016, Nando pegou o violão e começou a tocar, uma por uma, as músicas que mais faziam parte dessa conexão.

Depois, passou a investigar o que de Roberto Carlos há na obra de Nando Reis. Um ano e meio depois, Nando convidou o amigo Marcus Preto, com quem tinha acabado de trabalhar no projeto Trinca de Ases (em que dividiu o palco com Gilberto Gil e Gal Costa) para trabalharem na seleção do repertório.

Nas férias de 2016, Nando Reis partia com a mulher para mais uma temporada no sítio da família no interior de São Paulo. No carro, levavam algumas malas com as roupas e os mantimentos necessários para os 15 dias de descanso: o violão e uma caixa com 10 ou 12 discos de Roberto Carlos.

Na estrada que separa a Capital paulista da cidade de Jaú, o reencontro com aquelas canções - as mesmas que costuraram tantos momentos do casal desde o início do namoro – fez surgir o embrião de "Não Sou Nenhum Roberto, Mas às Vezes Chego Perto". Inteiramente dedicado à música de Roberto Carlos foi lançado no mesmo dia em que Roberto completou 78 anos. O trabalho tem produção de Pupillo e direção artística de Marcus Preto.

As 12 faixas abrangem 23 anos da obra de Roberto, entre 1971 até 1994. Nando optou por não ter nenhuma canção do período primordial da Jovem Guarda, concentrando-se na chamada fase adulta de Roberto. “Ele teve um papel muito importante em minha vida. Ninguém melhor do que ele para ter dado vida à canção”, conclui em uma de suas declarações sobre o disco.

 O show de Nando acontece no Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros, nesta sexta (26), a partir das 21h. Os ingressos se esgotaram semanas antes do evento, o que demonstra profundo afeto do público pelo artista.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

Abicalil renova pedido e segue na AL

carlos abicalil curtinhas   O ex-deputado federal Carlos Abicalil (foto), ex-presidente do Sintep e com histórico de várias disputas eleitorais, sem êxito nas urnas, como de governador e de senador, renovou o pedido junto ao governo para continuar em desvio de função até junho de 2020. Ao invés de...

Praças terão espaço à inclusão social

emanuel pinheiro curtinha   Merece elogios a ideia do prefeito Emanuel Pinheiro (foto) de dotar todos os parques municipais de Cuiabá de equipamentos especiais para permitir diversão, entretenimento e atividades físicas a pessoas com deficiência. Isso mostra a preocupação do gestor com a inclusão...

DEM é fraco em Cuiabá há décadas

O DEM dos irmãos Júlio e Jayme Campos e agora do governador Mauro Mendes enfrenta resistência histórica na tricentenária Cuiabá. Fundado em 1985 como PFL, que absorveu dissidentes do velho PDS, o DEM hoje não possui uma cadeira entre as 25 na Câmara Municipal. Aliás, não elege vereador há três legislaturas. A última vez que o partido tentou disputa para prefeito da Capital foi em 2000 e, curiosamente, tendo...

Nininho, falta à sessão e justificativa

O deputado Ondanir Bortolini, o Nininho, contesta informação de que teria "amarelado" ao não comparecer à sessão ordinária da Assembleia, que resultou na aprovação da mensagem do governo sobre reinstituição dos incentivos fiscais, em primeira votação, pelo placar de 15 a 7. Em verdade, o parlamentar do PSD justificou oficialmente sua ausência. Explica que foi internado e, por orientação...

Efetivados irregularmente e recebendo

darci lovato curtinha   Entre os quase 100 servidores da Assembleia que já tiveram estabilidade funcional cassada pela Justiça em 1º grau por alguma irregularidade em documentos, estão ex-secretários municipais, colunista social, ex-policiais, radialista, ex-prefeito, ex-vereador e outros que já tentaram, sem...

Governo quita toda a folha de junho

O governo estadual concluiu nesta sexta (19) o pagamento de junho dos servidores ativos, inativos e aposentados que ganham acima de R$ 7,5 mil. Para essa quitação foram necessários R$ 61,8 milhões. Com isso, liquidou totalmente a folha de junho dos cerca de 100 mil funcionários públicos, que consomem R$ 472,7 milhões. No dia 10 deste mês, o governo pagou a primeira parcela dos salários de junho, depositando até R$ 5,5...

ENQUETE

Profissionais da Educação estão em greve há mais de um mês. O que você acha disso?

estão corretos. Devem continuar

discordo. Deveriam voltar às aulas

pra mim, não faz diferença

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.