ECONOMIA E AGRO

Terça-Feira, 10 de Dezembro de 2019, 13h:48 | Atualizado: 10/12/2019, 14h:15

sustento

Em 30 anos, mais de 60% dos produtores deixarão a atividade, avalia especialista

Secom-MT

Rebanho bovino MT

A pecuária no país pode perder mais de 60% dos atuais produtores nos próximos 30 anos

A baixa rentabilidade aliada à necessidade de intensificação deve impactar negativamente a pecuária no Brasil, que pode perder mais de 60% dos atuais produtores nos próximos 30 anos. Para o professor doutor da UFMT, Nelcino Francisco de Paula, a atividade não tem como se sustentar concorrendo com culturas de alta lucratividade, como soja, milho e algodão.

“Tem sido melhor arrendar a fazenda ou mesmo vender a propriedade - e deixar o dinheiro aplicado - do que continuar na atividade. Portanto, vejo a intensificação como um caminho sem volta para que se possa produzir mais arrobas por hectare e, assim, manter a competitividade, já que a tendência em longo prazo é que os custos fixos comam o produtor pelas pernas”, frisa o professor que promove estudos na área há mais de 10 anos.

Nelcino tem mestrado em Ciência Animal pela UFMT e doutorado em Zootecnia pela Universidade Federal de Viçosa, com estágio na Texas A&M University. Atualmente é professor Adjunto da Faculdade de Agronomia e Zootecnia, onde atua na área de Nutrição e Produção de Ruminantes. “Nossos estudos mostram que o pecuarista deve vencer determinadas resistências e tabus para melhorar o sistema produtivo e também começar a investir em sucessão familiar”.

Ele ministrou palestra para produtores da Associação de Criadores Nelore de Mato Grosso (ACNMT), onde ensinou técnicas para otimizar a produção de carne bovina a pasto, alertando para o risco de declínio da atividade. Entre as estratégias, o especialista destacou a suplementação animal no estágio inicial de vida do animal, ao invés de somente na terminação, o que exige planejamento para o ciclo completo.

“Há ainda a ilusão de que se deve investir na suplementação nos últimos 100 dias, que é fase de terminação, com o intuito de obter retorno mais rápido. Mas os números comprovam que, mesmo levando mais tempo para esse retorno econômico, o produtor deveria se preocupar mais com a fase de cria e recria, para produzir um bezerro de melhor qualidade e genética muito superior”.

Outro ponto fundamental para a modernização na pecuária, segundo ele, é algo aparentemente simples: a qualidade da água oferecida ao rebanho. “Estamos vindo de uma cultura que dizia que o boi gostava de água suja, porém as pesquisas mostram o contrário, que o animal gosta de água de qualidade, como a que a gente bebe. Essa simples mudança gera um ganho de peso adicional e mais lucratividade”.

Vale a pena a instalação de bebedouros e aguadas, que devem ser constantemente higienizados, porque a água limpa também reduz sensivelmente o índice de abortos nas fêmeas, algo que o presidente da Nelore Mato Grosso, Breno Molina, comprovou em sua fazenda Onça Pintada, localizada em Poconé – Pantanal.

“Como administrador de empresas, trato a propriedade como um negócio e por isso estou buscando sempre as técnicas mais eficientes e, como presidente da associação, faço questão de levar essas informações e também a minha experiência pessoal aos demais produtores, incentivando o processo de modernização do setor”.

Pesquisas mostram que no sistema de confinamento, por exemplo, quando se lava o bebedouro pelo menos duas vezes na semana, os animais ganham mais peso do que quando se lava uma vez. Nelcino orienta que quando a temperatura da água é mais fresca, os animais costumam ingerir mais ração, elevando a taxa de ganho de peso.

Na fazenda experimental da UFMT, a equipe de estudiosos está mensurando essa variável (água) e também chegou à conclusão que a ingestão de minerais orgânicos, entre eles, cromo, zinco e selênio, promovem resistência ao calor e elevam o bem-estar animal e são itens a serem considerados como investimento. “Essa suplementação exógena é recomendável porque não é encontrada nos alimentos e nas forragens, promovem melhor desempenho que impactam na qualidade carne”.

Suplementação

Na seca, a suplementação é inegociável, porque é a época em que a forragem está reduzida e isso afeta o desempenho do rebanho. O que os pecuaristas não imaginavam, segundo o professor da UFMT, é que intensificar no período chuvoso elevasse a um ganho de mais de 300 gramas, o que no ciclo de vida do animal pode representar aumento no peso de até uma arroba e meia. “Quem quer fazer a diferença, precisa correr atrás desses 200/300 gramas no tempo das águas”.

Ele pontua que suplementação não se entende apenas o uso do sal mineral, envolve uma dieta com minerais, proteína e alimentos com energia, como milho, farelo de soja e a ureia. “A cada 1 real investido, o retorno é superior a 10 reais, ou seja, com a suplementação, o rendimento é de 10 vezes maior, mas o grau de intensificação e modernização vai depender da propriedade, nenhuma fazenda começa a fazer esse trabalho lá de cima, deve arrumar a base e isso se chama tecnologia de processo”.

Nelcino pontua que o pecuarista pode e deve começar com tecnologias que não envolvem desembolso, ou seja, não exigem mexer “no bolso”, um exemplo é a implementação da estação de monta, que é a definição do tempo em que touros permanecerão juntos com as vacas para acasalar ou o momento para inseminação artificial das fêmeas. Os gráficos apontam que o mês de nascimento do bezerro é importante para o peso dele no desmame.

“As estatísticas mostram que aqueles que nascem em agosto são desmamados bem mais pesados do que aqueles que nascem em janeiro, mas há produtores que ainda desconhecem a técnica e têm receito de colocar em prática, porém nosso trabalho é mostrar a eles que é importante organizar várias práticas de manejo dentro da fazenda, já que isso reduz problema com mortalidade e melhora qualidade dos bezerros, sem contar no incremento da lucratividade”.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Ricardo | Terça-Feira, 10 de Dezembro de 2019, 19h08
    1
    0

    Concordo plenamente hoje a atividade pecuária só compensa pra quem lava

Arco de alianças define vice de Eliene

eliene liberato 400 curtinha   A professora e vice-prefeita de Cáceres, Eliene Liberato (foto), pré-candidata do PSB à sucessão municipal, disse que a definição do nome para vice de sua chapa só sairá na pré-convenção. Até lá, o amplo arco de alianças...

Pesquisa derruba discurso de Jayme

jayme campos 400 curtinha   O resultado da pesquisa Analisando, que traz Emanuelzinho com boa vantagem nas intenções de voto sobre todos os pré-candidatos a prefeito de Várzea Grande, está provocando uma reviravolta nos bastidores. Os dados vieram a público nesta quinta, em publicação no...

Tucano dá título a Bolsonaro em Sinop

dilmair callegaro 400 curtinha   O presidente Jair Bolsonaro, que comanda o país desde janeiro do ano passado, irá receber o título de Cidadão Sinopense, mesmo sem previsão de pisar os pés, por enquanto, ao município considerado Capital do Nortão. A homenagem partiu do vereador do PSDB Dilmair...

Ação pró-Thiago, mas Luizão resiste

carlos bezerra 400   Com uma pesquisa debaixo do braço, cujo resultado traz Thiago Silva na dianteira na corrida à Prefeitura de Rondonópolis, inclusive na frente do prefeito Zé do Pátio (SD), o MDB de Carlos Bezerra (foto) tenta convencer o empresário Luizão (PRB) a recuar para apoiar o...

Padrinho político de Fabio a prefeito

mauro mendes 400 curtinha   Após se reunir com o governador Mauro Mendes (foto) na sexta (14), o suplente de senador Fabio Garcia, presidente regional do DEM, deve oficializar sua pré-candidatura à Prefeitura de Cuiabá. Fabinho quer discutir com Mauro, que é seu padrinho político, o arco de aliança e...

4 ex-prefeitos se juntam em Chapada

gilberto mello 400 curtinha   Considerado nome mais forte da oposição, Gilberto Mello (foto), do PL, lançou sua pré-candidatura à sucessão em Chapada dos Guimarães com apoio de nada menos que três ex-prefeitos, fora ele próprio, que administrou o município entre 2005 e 2008....

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.