ECONOMIA E AGRO

Terça-Feira, 19 de Maio de 2020, 11h:11 | Atualizado: 19/05/2020, 16h:56

RISCO DE FERRUGEM

Embrapa critica insistência da Aprosoja em plantio irregular e vê risco de ferrugem

Divulgação

Colheita da soja em Mato Grosso

Após questionamentos da Aprosoja sobre a competência e idoneidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a entidade divulgou uma nota pública em seu site reafirmando ser contrária ao plantio de soja em fevereiro, como o feito pela Aprosoja este ano em 30 áreas do estado.

A questão é discutida judicialmente. O Ministério Público Estadual (MPE) entrou com ações contra a Aprosoja e seus produtores. Em sua última decisão, o relator dos processos, desembargador Mario Kono, determinou que os grãos colhidos na plantação supostamente irregular devem ficar armazenados em locais indicados e com acompanhamento do Indea-MT.

“O posicionamento técnico da empresa, assim como da maior parte das entidades, sempre foi contrário à liberação em razão do grande risco que a extensão da ponte verde traz para a sustentabilidade da cadeia produtiva da soja”, informa a Embrapa em trecho da nota.

A instituição de pesquisa, que é vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) explica o que o melhor período para semeadura da soja no Brasil é nos meses de outubro e novembro, sendo que a colheita das lavouras é feita até março. Essa ação, chamada de calendarização de plantio, interrompe o ciclo reprodutivo do fungo da ferrugem asiática, pior doença que ataca a soja. Este argumento da entidade já foi utilizado diversas vezes pelo Indea-MT, MPE e Procuradoria Geral do Estado (PGE) contra o plantio irregular da Aprosoja.

“Ao se semear em fevereiro, amplia-se até junho o período com plantas vivas no campo. Chamada de ponte verde, essa situação aumenta o número de gerações do fungo em uma única safra. Isso resulta na aceleração do processo natural de seleção de resistência do fungo aos fungicidas”, informa a Embrapa em outro trecho.

No mês passado, a Aprosoja fez vários questionamentos sobre a capacidade e idoneidade da Embrapa por meio de nota pública em seu site. Em um trecho a nota diz que “a Embrapa se recusou a fazer a pesquisa que agora está sendo realizada pela Fundação Rio Verde”. Já em outro momento questiona a seriedade da empresa: “Pergunta-se, a Embrapa, a qual embasou as conclusões do Ministério Público, estaria realmente interessada na busca da verdade?”.

Para estes questionamentos, órgão do Mapa foi taxativo: “A Embrapa nunca se recusou a realizar pesquisas, desde que elas tenham como objetivo gerar novos conhecimentos e que não coloquem em risco a segurança fitossanitária do País.”. Tais pesquisas sobre a soja, incluindo a semeadura em fevereiro, são feitas desde 2015 com universidades, instituições de pesquisa, órgãos governamentais e representantes do setor produtivo.

“A posição da Embrapa é técnica e se baseia em pesquisas realizadas ao longo de sua história e na literatura científica sobre dinâmica de populações e controle de epidemias.”, explica a nota.

“Os conhecimentos, tecnologias e recomendações gerados não segregam e nem são direcionados a quaisquer grupos isolados de produtores. São dirigidos, indistintamente, aos pequenos, médios e grandes produtores de todo o Brasil. Busca-se, na verdade, atender aos interesses de todos aqueles que compõem a cadeia da soja, procurando garantir a maior sustentabilidade deste importante setor do agro brasileiro”.

A nota pública também explica que o Consórcio Antiferrugem, que é uma parceria público-privada, vem constatando a redução da eficácia dos fungicidas utilizados no combate a ferrugem asiática e outras doenças. Essa redução da eficiência é um risco a mais na propagação da doença se agricultores insistirem em fazer plantios irregulares.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Salgadinhos sim; caminhão pipa, não

humberto bolinha 400 curtinha   Em Guiratinga, o prefeito Humberto Domingos, o Bolinha (foto), resolveu homologar na última segunda, 1º de junho, processo licitatório para contratar uma empresa com vistas a fornecer salgadinhos nas 11 secretarias municipais. Vão ser gastos com salgados R$ 21,7 mil. No mesmo dia, Bolinha...

Nepotismo e demissão na gestão Pátio

leandro junqueira 400   Acuado pela notificação recomendatória do Ministério Público Estadual, o prefeito de Rondonópolis, Zé do Pátio, não teve outra saída senão exonerar a servidora Renata Castilho Moreno do cargo comissionado de gerente do Departamento de Engenharia e...

Candidatíssima à vereadora em Cuiabá

gisele almeida 400 curtinha   A apresentadora de TV, Gisele Almeida (foto), vai mesmo encarar o teste das urnas como candidata à vereadora em Cuiabá. Irmã do ex-vereador, ex-deputado e hoje conselheiro afastado do TCE, Sérgio Ricardo, ela não perde tempo nas articulações. Recentemente, recebeu no...

Quebra-cabeça para definir a chapa

eduardo botelho 400 curtinha   Eduardo Botelho (foto) está postergando ao máximo a definição dos nomes de sua chapa ao comando da Mesa Diretora. A eleição já acontece no dia 10, na próxima semana. Como 12 dos 24 deputados brigam por espaço, o presidente da Assembleia sabe que, ao final,...

Secretário terá de explicar contrato

alex vieira 400 curtinha   O secretário de Educação de Cuiabá, Alex Vieira (foto), tem dois dias para apresentar defesa ao TCE sobre uma representação da empresa F. M Paragas, propriedade de Fernando Marcelo, que apontou supostas irregularidades na contratação, por dispensa de...

Presidente da OAB e péssimo exemplo

leonardo campos 400 curtinha   Continua repercutindo muito mal, inclusive em âmbito nacional, o escândalo em que se envolveu Leonardo Campos, o Léo Capataz (foto), que acabou se afastando da presidência da OAB-MT. Deu um péssimo exemplo à sociedade. Ele foi parar na Delegacia, na semana passada, sob...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.