ECONOMIA E AGRO

Terça-Feira, 15 de Maio de 2018, 11h:33 | Atualizado: 21/05/2018, 15h:26

CONTRATO ROMPIDO

Indústrias e 800 taxistas podem ficar sem gás natural em Cuiabá dentro de 60 dias

Reprodução

gasoduto

 

Cinco indústrias e cerca de 800 taxistas podem ficar sem gás natural em Cuiabá dentro de 60 dias. O fornecimento do produto à Capital está sendo garantido por meio de decisão judicial liminar há cerca de 30 dias, desde que a Âmbar Energia, controladora da Usina Termelétrica de Cuiabá e do Gasoduto Bolívia-Mato Grosso, informou, no início de abril, que iria suspender as operações da usina e do gasoduto. 

O prazo de 60 dias é o que resta dos 90 dias garantidos na liminar concedida em favor da MT Gás, empresa de economia mista que consome a média de 5 mil metros cúbicos de GNV por dia no atendimento às indústrias e taxistas na Capital. 

Para reverter a situação, a MT Gás junto com a Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) está elaborando um plano de ação para resolver o impasse entre a Petrobras, que importa o GNV da Bolívia, e a Âmbar Energia que transporta o produto até a Capital.

O problema é que, em junho do ano passado, a Petrobras rompeu o contrato de fortalecimento da matriz energética com a Âmbar, alegando que a empresa reconheceu a existência de pagamentos indevidos a agentes públicos em delação premiada dos donos da JBS. Já a Âmbar, que pertence ao grupo J&F, abriu inquérito, mas teve resposta negativa do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) na acusação de conduta anticoncorrencial da Petrobras no fornecimento do gás .

Mesmo com a perspectiva de entregar o plano de ação em 15 dias, há risco de que os consumidores do gás natural fiquem sem o produto no Estado. Isso porque, a Petrobras já anunciou que pode levar até 10 meses para analisar o plano de ação.

Prazos

A situação é complexa, mas se resume em dois prazos que estão se esgotando sem que haja perspectiva de resolução do problema. O mais urgente encerra em nove dias (23 de maio), e se refere ao prazo limite para que o Cade desarquive o processo no qual a Âmbar Energia denuncia a Petrobras.

O segundo prazo em andamento diz respeito à decisão liminar em favor da MT Gás para que a Âmbar, que transporta o GNV da Bolívia, continue o abastecimento por 90 dias, dos quais já se passaram 30.

O rompimento do contrato aconteceu por iniciativa da Petrobrás, que exigiu medidas de compliance da Âmbar para poder retomar as negociações. As medidas estão sendo tratadas com vigor para garantir a retomada de confiança do mercado nacional e estrangeiro na estatal, onde ocorreu uma série de desvios de dinheiro, que estão sob investigação e em processo judicial decorrentes da Operação Lava Jato.

Por outro lado, a Âmbar Energia também está com problemas na Justiça, já que o dono da empresa, o empresário Joesley Batista, delatou à Justiça Federal que o presidente Michel Temer (MDB) receberia 5% dos contratos envolvendo a termelétrica de Cuiabá.

Com o rompimento do contrato da Petrobrás com a Âmbar Energia, a termelétrica de Cuiabá deixou de funcionar. Por dia, a empresa chegou a consumir em média 2,2 milhões de metros cúbicos de GNV, importado da Bolívia.

O GNV é transportado pelo gasoduto, que liga a Bolívia até Cuiabá. O gasoduto é administrado por uma empresa subsidiária da Âmbar Energia, a Gom, que também é de Joesley Batista.

Neste ponto, entra a MT Gás como interessada neste processo. A empresa consome a média de 5 mil metros cúbicos de GNV por dia. De acordo com o presidente da MT Gás, Emmanuel Almeida de Figueiredo Júnior, o frete do metro cúbico do GNV da Bolívia até Cuiabá custava em média 0,018 centavos. “Esse valor só é possível se a termelétrica de Cuiabá estiver em funcionamento, já que quanto maior o volume de gás, menor fica o frete”, explica.

O vice-presidente da Fiemt, Gustavo de Oliveira, explica que a Federação se prontificou, em uma reunião realizada na última semana, na qual esteve presente a Fiemt, o MT Gás, a Âmbar e a Petrobras, a elaborar um plano de ação que vise a não prejudicar os interesses econômicos dos empresários mato-grossenses, em jogo na disputa entre Petrobras e Âmbar.

Por meio de assessoria de imprensa, a Petrobrás declara que só vai voltar a negociar com a Âmbar Energia depois que a empresa adotar medidas de compliance, sendo que todos os outros clientes da Petrobras já teriam adotado essas medidas para renovar contratos.

Já a Âmbar Energia diz que já tem uma política de compliance sendo utilizada pela empresa, e que tem todo interesse em manter as atividades da termelétrica de Cuiabá, assim como o gasoduto.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • SÉRGIO | Quarta-Feira, 08 de Agosto de 2018, 11h45
    0
    0

    ESTAMOS EM AGOSTO E JÁ TEM UM MÊS QUE NÃO TEM GNV!!! QUE PAÍS É ESSE!!

Stopa vira trunfo do prefeito Emanuel

jos� roberto stopa 400   Filiado histórico do PV, José Roberto Stopa (foto) se tornou espécie de trunfo do prefeito Emanuel Pinheiro. Se o emedebista resolver buscar a reeleição, o que seria o caminho natural, Stopa pode entrar na chapa como candidato a vice ou simplesmente ficar de fora do...

Sem chance para ser desembargador

pio da silva curtinha 400   Pio da Silva (foto) é um advogado que não desiste nunca. Age no meio jurídico como aquele candidato insistente que faz questão de concorrer a cargo eletivo em toda eleição, mesmo sabendo da chance mínima de êxito nas urnas. Pio já se tornou um "eterno"...

Delação de Riva tira apoios à Janaina

max russi 400 curtinha   A delação de José Riva, que deve complicar a vida de vários ex-deputados e alguns dos atuais, dificultou a entrada da filha, deputada Janaina Riva, como primeira-secretária da futura Mesa, que será eleita na próxima semana, com Botelho na presidência pela terceira vez....

Wallace, calendário eleitoral e disputa

wallace 400 curtinha   Cassado em maio de 2015 por gastos ilícitos na campanha, após dois anos e quatro meses de mandato, o ex-prefeito de Várzea Grande, Wallace Guimarães (foto), do PV, está torcendo pelo adiamento da data das eleições. Com ganho de mais tempo, ele acredita que consiga obter ...

Rossato desiste; Lafin livre à reeleição

ari lafin curtinha 400 sorriso   Depois de ensaiar e travar discussões com seu grupo político, o empresário e ex-prefeito de Sorriso, a cidade conhecida como capital nacional do agronegócio, Dilceu Rossato decidiu não disputar a sucessão municipal neste ano. Com isso, o caminho fica mais livre para o...

Fazendo politicagem sobre Covid-19

rubia fernanda 400 curtinha   A tenente-coronel Rúbia Fernanda, pré-candidata ao Senado pelo Patriota, não só ignora medidas protetivas em relação à Covid-19, como isolamento social, mantendo agenda de visitas e reuniões, como passou a fazer politicagem com coisa séria. Numa...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você conhece alguém próximo que foi infectado pelo coronavírus?

sim

não

em dúvida

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.