ECONOMIA E AGRO

Segunda-Feira, 05 de Agosto de 2019, 18h:01 | Atualizado: 05/08/2019, 18h:06

PRODUTIVIDADE

Mesmo em recuperação judicial, Grupo JPupin vai movimentar R$ 250 mi este ano

Reprodução

Jos� Pupin

O produtor rural José Pupin, proprietário do Grupo Jpupin, e conhecido como Rei do Algodão

Mesmo enfrentando demandas judiciais em sua principal fazenda, além de cumprir o plano de recuperação judicial aprovado em assembleia dos credores, o Grupo JPupin, de propriedade do rei do algodão José Pupin, irá gerar um volume de negócios no valor de R$ 250 milhões este ano.

A Fazenda Marabá, localizada no município de Campo Verde (a 140 km de Cuiabá), é composta por 16 matrículas e possui 17 mil hectares agricultáveis e mais área de reserva ambiental, dos quais apenas 3,3 mil hectares estão envolvidos em uma disputa judicial relativa à propriedade da área. Os demais 13,7 mil hectares permanecem sob controle do Grupo JPupin e estão em franca produção de milho, algodão e soja.

De acordo com o CEO do Grupo, Marcio Felix, a JPupin finaliza a colheita do algodão e do milho e se prepara para o início do plantio da soja. A colheita, tanto do milho quanto do algodão, termina neste mês. Com o milho, estão sendo colhidos 110 sacas/ha em 6,9 mil hectares plantados. Já com o algodão, a produtividade da Marabá chegou a 300 arrobas/ha em três mil hectares plantados. A safra de soja, que tem início em 25 de setembro, será semeada em uma área de 12 mil hectares.

“É a nossa melhor produtividade em 10 anos”, destaca Marcio Felix. O executivo é ainda mais otimista em relação à próxima safra (2019/2020). Ele aponta que a meta para a fazenda é usar seis mil hectares para o plantio do milho e ampliar a área de algodão para 8,5 mil hectares.

Além das safras de milho, soja e algodão, a Marabá atua na agroindústria, com uma algodoeira que presta serviços e realiza o beneficiamento de 40 mil hectares de algodão, que é entregue em pluma, direto para a indústria de tecelagem. De acordo com Felix, a fazenda gera 290 empregos diretos, sendo que 110 colaboradores residem na propriedade. Atualmente, a Marabá opera em parceria com a Pedra Preta Agropecuária.

Acordo

Recentemente o Grupo JPupin encerrou uma disputa judicial que se arrastava há 10 anos. Foi firmado um acordo, já homologado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), relativa à Fazenda GMB, de 57 mil hectares, localizada no município de Paranatinga. A disputa pela propriedade da terra teve início há 10 anos,  após o fim de um arrendamento e envolvia três grupos.

Pelo acordo, o Grupo fica com 15,9 mil hectares, sendo 7,9 mil hectares de áreas agricultáveis e 8 mil de área de reserva ambiental. O Grupo Martinelli ficará com 17 mil hectares, sendo 8 mil agricultáveis e 9 mil de reserva e a terceira parte, Rovilho Mascharello, ficará com 23 mil hectares, entre área agricultável e reserva ambiental.

Repuração Judicial 

A recuperação judicial do Grupo JPupin já foi homologada, apenas algumas decisões em relação a créditos estão em discussão no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Após o pedido de recuperação judicial, a JPupin, um grupo familiar, implantou uma gestão profissional, que promoveu uma completa reestruturação na gestão e nas ações do grupo, promovendo um controle e economia de gastos, enxugamento de ações, tendo como consequência o cumprimento dos compromissos financeiros assumidos no plano de recuperação judicial.

O grupo JPupin é composto pelas empresas Armazéns Gerais Marabá Ltda., Marabá Agroindustrial e Nutrição Animal Ltda., JPupin Indústria de Óleos Ltda., JPupin Reflorestamento Ltda., Marabá Construções Ltda. e Cotton Brasil Agricultura Ltda.

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • Milton dias da silva | Terça-Feira, 06 de Agosto de 2019, 20h41
    3
    0

    Sera mesmo verdade 250 milhões uo tambem é uma mentira como tem feito com os trabalhadores jogou a merse é não deu importancia cade a integridade fui fucionario por 10 anos e o que fez comigo e meus companheiro simplesmente nos abandonaran deixaran nos a merce da sorte

  • José messias | Terça-Feira, 06 de Agosto de 2019, 15h46
    3
    0

    Vai esse tanto de milhões e os funcionários que saíram tem que colocar na justiça por que não estam comprando com o compromisso de pagar as rescisões dos ex funcionários isso é uma vergonha

Matéria(s) relacionada(s):

Do colapso a repasses regularizados

mauro mendes 400 curtinha   Mauro Mendes (foto) disse que, antes mesmo da posse como governador e a partir do resultado do PIB-MT de 2017, apontando um crescimento de 12,5% da economia, é que resolveu mergulhar nos números da administração pública para tentar entender tamanha questão paradoxal. Questionou...

O conselheiro de pretensos candidatos

blairo maggi 400 curtinha   Blairo Maggi, que seria imbatível se concorresse à suplementar ao Senado para a vaga de Selma, se transformou num espécie de conselheiro político de vários pretensos candidatos. Entre outros, já procuraram-no para conversar sobre este pleito fora de época figuras como...

Em saia-justa sobre corte na Unemat

adriano silva 400 curtinha   A comunidade acadêmica da Unemat esperava mais do seu ex-reitor e integrante do quadro docente, professor Adriano Silva (foto). O governador Mauro conseguiu na Justiça derrubar a vinculação de repasse financeiro a Unemat, o que representa, na prática, menos recursos para a...

DEM consulta sobre regras ao Senado

julio campos 400 curtinha   Atendendo orientação da Nacional do DEM, na luta para ampliar bancada no Congresso, o diretório regional do partido vai apostar todas as fichas na disputa suplementar ao Senado. E, antes de avançar na definição de nome, o partido decidiu encaminhar consulta ao TSE para saber se...

Expediente suspenso e posse no TCE

guilherme maluf 400 curtinha   O expediente no TCE-MT será suspenso na segunda, a partir das 12 horas. É que às 15 horas acontece a sessão especial na Escola Superior de Contas, marcando a posse de Guilherme Maluf (foto) na presidência do órgão fiscalizador. O hoje presidente Domingos Neto passa ao...

Túlio, desgaste e disputa em Cáceres

tulio 400 caceres   Derrotado a deputado estadual duas vezes, a última em 2018, Túlio Fontes (foto) não sustenta mais o que declarou há três meses, quando anunciou que ficaria de fora da corrida à Prefeitura de Cáceres. Mesmo tendo abandonado o município por um bom tempo, desde quando concluiu...

MAIS LIDAS

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Como você avalia a decisão do Supremo de suspender prisão imediata após julgamento em segunda instância?

Concordo

Discordo

Tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.