Eleições 2010

MCCE não crê em muitas mudanças com minirreforma

Vilson Nery é advogado do MCCE e quer mais mudanças   A minirreforma eleitoral aprovada em 2009 pelo Congresso vai permitir que as eleições deste ano sejam mais abertas e transparentes. Os candidatos podem usar mais ferramentas de internet. Agora, além dos sites pessoais, também poderão ser usados sites de relacionamento (Orkut e Facebook), além de blogs e miniblogs (Twitter). No entanto, terão que ter espaço para direito de resposta. Outra novidade é a garantia de maior participação feminina. Elas têm a garantia de 30% das vagas e as siglas podem usar até 5% do Fundo Partidário para a capacitação das candidatas, que também terão mais tempo no horário eleitoral.

   O advogado do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Vilson Nery, avalia que as mudanças não foram essenciais. Para ele, elas foram poucas e não atingiram o ponto mais importante, que é a obrigação da participação no pleito somente de candidatos com a “ficha limpa”, principalmente sem nenhuma mancha no passado por conta de improbidade administrativa.

   Mas outras mudanças já se avizinham por aí. No início de fevereiro, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ayres Britto, promove audiências públicas com partidos e OAB para propor resolução dentro da minirreforma. De acordo com a proposta, as regras de financiamento de campanhas mudam para impedir que candidatos recebam doações ocultas. Diferente do que ocorre hoje, a ideia é que as legendas recebam doações de pessoas físicas feitas com cartão de crédito e pela internet. Assim, seria possível conseguir maior transparência, uma vez que devem ser especificadas quais campanhas receberam repasses financeiros, tanto de pessoas jurídicas quanto físicas, e quais os nomes das empresas doadoras. As doações podem ser só de até 10% dos rendimentos brutos obtidos pelo eleitor no ano anterior à disputa nas urnas. Também não será permitido o uso de cartões de crédito emitidos no exterior, empresariais ou corporativos.

   As mudanças foram propostas porque o TSE entende que a estratégia de usar doações ocultas é uma forma de fachada para as empresas não terem seus nomes ligados aos candidatos e serem supostamente beneficiadas após as eleições. Na minirreforma eleitoral aprovada em 2009, o Congresso não proibiu essa forma de doação, mas o TSE encontrou um meio de coibir a prática com a edição das resoluções.

DEM-Cuiabá projeta até 4 vereadores

beto 400 curtinha   O presinte da Provisória do DEM da Capital e secretário estadual de Governo, Alberto Machado, o Beto 2 a 1 (foto), está animado com as chapas do partido construídas para o embate eleitoral. Já conta com 38 pré-candidatos a vereador e avalia que todos são competitivos. Uma das...

Chapa de Pivetta faltando um nome

adilton sachetti curtinha 400   O empresário Otaviano Pivetta continua avaliando um nome para composição de sua chapa ao Senado na suplementar de 26 de abril para a vaga da cassada Selma Arruda. A primeira-suplência deve ficar mesmo com o ex-prefeito rondonopolitano e ex-deputado federal Adilton Sachetti (foto), do PRB....

Senado, disputa interna e PT rachado

verinha_curtinha   O PT, que recebe hoje as inscrições de pré-candidatos ao Senado, deve ter apenas um nome na disputa interna, o do deputado e presidente estadual da sigla Valdir Barranco. A ex-vereadora Enelinda, com dificuldade, corre contra o tempo para se viabilizar. Enquanto isso, membros de outras correntes menos...

Falta na votação da emenda impositiva

jose medeiros 400 curtinha   O deputado José Medeiros (foto), vice-líder do Governo Bolsonaro na Câmara e pré-candidato a senador na suplementar de 26 de abril, explica que não procede a informação de que teria votado favorável à PEC 34/19, que assegura o orçamento impositivo de...

Feliz da vida na base e com emendas

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto) já chegou com moral no Governo Mauro Mendes. Depois de um ano fazendo oposição ao Palácio Paiaguás, o deputado tucano se tornou governista de carteirinha. E começa a colher os dividendos. Uma de suas emendas de R$ 300 mil para ajudar na...

Voto a favor e agora contra Congresso

O pitbull do governo Bolsonaro, deputado federal José Medeiros (foto), está pegando carona num protesto, marcado para 15 de março, onde não deveria porque os seus atos não correspondem ao discurso, ao menos segundo sustentam seus adversários políticos. Contam que Medeiros foi um dos parlamentares que aprovaram o orçamento impositivo de R$ 30 bilhões, vetado pelo presidente. Eis que agora, ele próprio, defende a...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Na sua opinião, como está indo o Governo Bolsonaro...

excelente

bom

razoável

ruim

péssimo

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.