Ong faz alerta sobre doações

Mário Okamura

gastos campanha

Acima, os dados sobre financiamento de empresas para campanhas por cargos

A Transparência Brasil, organização não-governamental de combate à corrupção, lançou no fim de janeiro um relatório chamado Poder Econômico e Financiamento Eleitoral no Brasil em que afirma que a doação de grandes empresas para campanhas eleitorais é raiz de grande preocupação no país. De acordo com uma pesquisa feita pela ONG, entre 70% e 90% dos valores doados na ocasião vem de grandes empresas. O problema nesse caso é que, quando eleitos, os candidatos sofrem pressões no sentido de beneficiar essas instituições privadas nas decisões. Enquanto isso, as pequenas doadoras provavelmente não terão os seus pleitos considerados. “Em outras palavras, para a vasta maioria das empresas doadoras o investimento eleitoral é um mau negócio”, diz trecho da publicação.

Em geral, 63% das doadoras, tanto grandes quanto pequenas, apostam nos candidatos que se tornam vencedores, o que de certo modo mostra que na maioria dos casos aqueles com campanhas mais “ricas” acabam sendo eleitos. E esses novos gestores invariavelmente ficam vulneráveis aos pedidos dos seus financiadores e precisam retribuir o favor ou de forma lícita, legislando em favor do setor da economia que tal empresa age, ou ilícita, com a devolução de dinheiro retirado do Poder Público.

O relatório se baseou em dados referentes as campanhas de 2010 e 2012 para fazer um levantamento de recursos financiados pela iniciativa privada. No caso de Mato Grosso, a média dos valores de grandes doadoras em todas as esferas políticas foi entre 30% e 40%. Dos R$ 25 milhões doados nas campanhas para governador, por 105 empresas, R$ 8 milhões vieram das seis grandes empresas. O caso de maior destaque é de prefeito de Cuiabá em 2012 Mauro Mendes (PSB), cujas doações chegaram a pouco mais de R$ 10 milhões, dos quais 40% vieram das cinco maiores doadoras. Mais de 80 outras empresas se encaixaram no gênero de pequenas patrocinadoras que cobriram os outros 60% do valor.

Para a ONG, há três motivos que fazem com que empresas invistam em campanhas eleitorais: influenciar as decisões dos eleitos para beneficiar os seus negócios; fortalecer uma posição ideológica; e fortalecer um programa administrativo visto por ela como mais eficiente. Como no Brasil tanto as questões ideológicas quanto as administrativas não são fortes, quase na totalidade os empresários investem para que os eleitos retribuam o favor quando estiverem no poder. 

A ONG Transparência Brasil aponta dois caminhos para que os problemas de doações astronômicas e pressões posteriores sejam resolvidos. O primeiro é mais drástico e acredita na proibição do financiamento eleitoral. “Mas isso não eliminaria de verdade os riscos, pois empresas e partidos recorreriam à irregularidade”, explica trecho do relatório. A outra opção é mais viável. Ela determinaria um teto absoluto para doações de empresas condicionadas a tetos estaduais determinados pelo PIB da cidade ou do Estado. “Ainda haveria a diferença e a desigualdade entre os doadores, mas as grandes empresas teriam menos potencial de influência, diminuindo assim a vulnerabilidade dos eleitos”.

Acerto pra Pivetta se filiar ao Podemos

alvaro dias curtinha   Mais uma demonstração de que o senador Álvaro Dias (foto), líder do Podemos no Congresso, está ignorando a pré-candidatura ao Senado do seu próprio colega de partido, deputado José Medeiros. Álvaro já acertou com Pivetta apoio na disputa à...

Critério para definir candidatura em VG

fabio tardin 400 curtinha   O presidente da Câmara de Várzea Grande e filiado ao DEM, Fabinho Tardin (foto), sonha com a cadeira de prefeito, mas não tem apoio dos Campos para concorrer à sucessão municipal. Como Lucimar Campos não pode buscar o terceiro mandato seguidamente, o grupo liderado pelo senador...

Prefeito de Lacerda, projeto e derrota

alcino curtinha 400 pontes e lacerda   O prefeito de Pontes e Lacerda, Alcino Pereira Barcelos (foto), resolveu dar de ombro para a Câmara Municipal sobre um projeto de grande alcance social e perdeu feio na queda-de-braço. Contrariando a vontade do prefeito, os vereadores aprovaram a proposta, apresentada pelos colegas Pedro Vieira e...

MPE antes e depois de Maluf no TCE

jose antonio borges 400 curtinha   Antes, membros do MPE fizeram esforço para impedir a nomeação de Guilherme Maluf como conselheiro do TCE, sob argumento de que não detinha notório saber jurídico, contábil, econômico e financeiro e ainda carrega vários processos judiciais nos ombros....

Fatura por média e multa à Energisa

thiago 400 ager curtinha   Após fiscalização no 2º semestre do ano passado, a Ager-MT multou em R$ 14,4 milhões a Energisa. Descobriu-se irregularidades na área comercial da concessionária de energia. Thiago Bernardes (foto), coordenador Regulador de Energia da Agência, explica que, no trabalho...

PS-VG e revolta por falta de médicos

marcondes curtinha 400   Principal calcanhar de Aquiles do 2º maior município do Estado, que registra hoje cerca de 200 mil habitantes, o Pronto Socorro de Várzea Grande não está recebendo pacientes ortopédicos e nem ginecológicos em sua porta de entrada. É que a unidade não tem...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Sobre a senadora Selma Arruda, que teve mandato cassado por caixa 2 e abuso de poder econômico, você acha que ela foi...

ingênua

corrupta

não sei

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.