ENTREVISTA ESPECIAL

Quinta-Feira, 30 de Janeiro de 2020, 14h:45 | Atualizado: 30/01/2020, 14h:53

Após reformas, presidente da Fiemt cobra mais cortes de gastos e competitividade

Gustavo de Oliveira, que já foi do Executivo, ressalta reformas já realizadas pelo Paiaguás e fala sobre 2020

Rodinei Crescêncio/Arte/Rdnews

Gustavo de Oliveira

 

Ex-secretario de Assuntos Estratégicos, Planejamento e Fazenda do Governo Taques, o presidente da Fiemt, Gustavo Oliveira avalia que o Governo Mauro autuou em diretrizes importantes durante o primeiro ano de gestão, mas que ainda existe espaço para que o debate sobre redução de despesas públicas continue. Como diretor da Confederação Nacional das Indústrias (CNI), Gustavo aponta que a atenção do setor agora está voltada para a reforma tributária nacional, da qual se espera um ambiente mais liberal e simplificado em relação à economia brasileira. Em relação à minirreforma tributária realizada no Estado em 2019, por meio da LC 631, a avaliação é positiva quanto ao aspecto da isonomia dos incentivos às indústrias, mas que a Fiemt acompanha setor a setor para verificar se o percentual concedido é suficiente para produzir competitividade. 

Confira os principais trechos da entrevista:

Como o senhor avalia os efeitos da LC 631, que reinstituiu os incentivos fiscais em Mato Grosso?

A lei trouxe dois grandes avanços, que foi a simplificação do programa de incentivos, que antes tinha um monte de contrapartidas difíceis de cumprir e de avaliar, e também a questão da isonomia. Todas as empresas que fazem os mesmos produtos em Mato Grosso vão ter o mesmo percentual de incentivo. Isso faz com que o Estado deixe de alavancar algumas empresas em detrimento de outras, e que todas tenha mesma condição competitiva. A preocupação é se esses percentuais vão ser suficientes para garantir essa competitividade. Estamos monitorando setor a setor, para poder tratar de eventuais casos que não alcance esse objetivo.

Qual é a perspectiva da indústria em relação à reforma tributária nacional?

Temos um grupo de trabalho na Confederação Nacional das Indústrias (CNI), que tem conversado muito com o governo e com o parlamento. O grande ponto dessa reforma é que vai mexer no equilíbrio do sistema tributário Brasileiro. Primeiro ela precisa desonerar a sociedade civil de uma maneira geral, tanto empresas quanto cidadãos. Ao mesmo tempo tem que tomar cuidado para não tirar receitas dos Estados, principalmente, os que dependem muito de compensações da União. Em terceiro, ela precisa se preocupar com a questão do desenvolvimento regional. Se essa reforma não conseguir equalizar estes três aspectos, pode trazer consequências muito sérias para a sociedade brasileira. Estamos muito otimistas, acreditamos que a reforma vai avançar. Existe muito espaço para simplificação e redistribuição. Um ambiente econômico mais liberal é positivo para o futuro do país.

Qual sua avaliação sobre o primeiro ano da gestão Mauro Mendes (DEM)? A indústria foi contemplada nas políticas implementadas pelo Governo?

É nítido que neste primeiro pudemos ver três grandes pilares de atuação. O primeiro foi endereçar as questões do governo anterior quanto às entregas para a sociedade, com pacotes de obras que já estavam em andamento e destravar algumas questões importantes. Todo começo de Governo tem ajustes. O segundo ponto, foi fazer um ajuste fiscal bastante robusto, mas entendemos que ainda existe espaço para fazer mais ajustes, a gente quer que esse debate continue. Quanto a indústria, para que o setor possa ir para frente, precisamos dos empresários otimistas, investindo, e isso parece que está melhorando, mas ainda precisamos de linha de crédito mais barata, de desburocratização entre outros fatores. É um pacote de coisas que precisa ser construído ao longo do tempo e percebemos uma sinalização positiva por parte do Governo, mas que ainda é muito pouco. Nós vamos tanto apoiar quanto cobrar o governo para fazer mais.

Rodinei Crescêncio

Gustavo Oliveira

O presidente da Fiemt Gustavo Oliveira falou com o Rdnews e elogiou reformas do Governo Mauro, mas ainda espera redução de despesas públicas

Quais são as perspectivas político-econômicas para 2020 tanto para o cenário nacional, quanto para o estadual?

O Governo Federal apesar de não ter uma base política consolidada e não ter apoio amplo no Congresso, consegue apoio pontual para as pautas importantes, como aconteceu com a reforma da previdência. A tendência é que isso continue agora com a reforma tributária e com outros temas que devem vir esse ano. No plano estadual ainda é necessário ajuste no modelo de relacionamento do Estado com os municípios. São cerca de 100 municípios que dependem muito do Governo estadual, para que tenham mais independência. Com mais distribuição da receita tributária às cidades, fortalece-se o pacto federativo e permite uma democracia mais equilibrada.

Pesquisa do Observatório da Indústria aponta que a maior dificuldade do setor em Mato Grosso ainda tem sido a falta de mão de obra especializada. O que é possível ser feito para reverter este cenário?

Do muro para fora da indústria vivemos em um país que atrapalha demais o empresário, e isso é um fato que contribui muito para o desanimo do investidor, e que reflete na falta de investimentos. Quando a gente olha do muro para dentro da indústria, os maiores problemas são a falta de produtividade. A indústria brasileira tem produtividade muito mais baixa se comparada aos competidores mundiais. Para que isso avance precisamos de muito investimento em tecnologia, estrutura enxuta e bons profissionais. A questão da mão de obra qualificada é um desafio grande e crescente, não só na indústria como em outros setores. Para melhorar isso, o Governo nas três esferas, Federal, Estadual e municipal, tem que estar engajado quanto a investimentos em educação, qualidade de ensino, e ensino técnico, que são fundamentais para mudar esse cenário de escassez de mão de obra qualificada.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Direitistas encaram pedreira em 2022

gilberto cattani 400   O xadrez político rumo a 2022 se movimenta e a tendência é que os deputados de direita encontrem dificuldade para se reeleleger. Xuxu Dal Molin, Gilberto Cattani (foto), Elizeu Nascimento, Delegado Claudinei e Ulysses Moraes, nem todos defensores fiéis de Bolsonaro, devem buscar novo mandato em meio...

Mauro, desgastes e projeto à reeleição

mauro mendes curtinha   Não há como negar que o governo Mauro Mendes (foto) enfrenta forte desgaste por causa das medidas restritivas de combate à Covid e, principalmente, devido à exigência da sociedade de maior investimento e planejamento na Saúde. Por mais que o Executivo divulgue feitos e liste...

Thiago, respaldo da igreja e reeleição

thiago silva _curtinha_400   O deputado estadual Thiago Silva (foto) começa a labuta pela reeleição e não terá uma tarefa fácil pela frente. Thiago faz parte do grupo da Assembleia de Deus, que sempre prioriza o colega de Parlamento Sebastião Rezende, que vai tentar o sexto mandato. Curiosamente,...

2 suplentes já estreiam em Cuiabá

alex rodrigues 400   Com menos de quatro meses de mandato, dois dos 25 vereadores cuiabanos reeleitos no ano passado já pediram licença para abrir espaço a suplentes. Diego Guimarães (Cidadania) se afastou por 30 dias. Em sua cadeira está Maysa Leão, do mesmo partido. Marcrean Santos (PP) pediu afastamento...

Governista 2 e o desafio da reeleição

wilson santos 400 curtinha   Wilson Santos (foto), que conseguiu retornar à Assembleia "sangrando" nas urnas de 2018, impactado pelo desgaste pela defesa intransigente do Governo Pedro Taques, se prepara para atravessar outro purgatório no próximo ano, em busca de mais um mandato. O deputado tucano carrega desgaste...

Nobres chora a morte de ex-prefeito

flavio dalmolin 400   A pequena e turística Nobres, de 16 mil habitantes, parou neste Feriado de Tiradentes em comoção pela morte, por Covid-19, do ex-prefeito Flávio Dalmolin (foto). Um cortejo percorreu ruas e avenidas, parou em frente ao estádio municipal Balizão e à prefeitura, onde...