ENTREVISTA ESPECIAL

Quinta-Feira, 14 de Fevereiro de 2019, 13h:30 | Atualizado: 14/02/2019, 13h:39

Artista mato-grossense leva sua arte para a Europa e reúne criatividade com o social

Rodinei Crescêncio/Arte/Rdnews

Rafael Jonnier

 

Quando criança Rafael Jonnier já rabiscava muros, gostava de arte e de colocar cores nas coisas. Criativo, cresceu rodeado de natureza, inspirou-se boa parte das vezes que pintou em coisas que viveu. O avô o levava para pescar com frequência e um de seus personagens, o Pescador de Sonhos, retrata lembranças que teve. No último ano, o mato-grossense percorreu o mundo para ter novas referências, pintou em lugares históricos e deixou um pouco de sua arte em exposições e muros em outros continentes. Rafael acredita que o governo incentiva menos do que deveria os artistas locais e exige inúmeras burocracias em editais, mas que isso o fez desenvolver seu lado empreendedor. Com grande notoriedade, se considera jovem na arte, cinco anos trabalhando profissionalmente, e diz que o trabalho que desenvolve também é espiritual.

Confira os melhores trechos da entrevista:

Desde quando começou a se envolver com a arte e o que ela significa para você? Vive só do seu trabalho como artista?

Comecei a rabiscar desde cedo e sempre gostei da área criativa. Com 13 anos eu já trabalhava com decoração e em eventos. Ao vir para Cuiabá estudei design de interiores. Depois, comecei a pintar a Rua 24 de Outubro e, desde então, não parei mais. Hoje eu vivo e sobrevivo da minha arte e ela não é só minha sobrevivência material, mas também espiritual. É a forma que encontro de ajudar outras pessoas no mundo. Falo que a minha arte é muito ligada com o campo espiritual. Não quero que ela seja apenas para decorar o ambiente, quero que seja como uma terapia e que as pessoas viagem nela como um plano pra outra dimensão.

Como foi essa vivência no exterior? O que você foi fazer fora do país?

Arquivo Pessoal

Rafael Jonnier

Com um de seus grafites ao fundo, Rafael posa com alunos da Escola Duque de Caxias

A experiência no exterior foi muito boa e sempre tive a curiosidade de saber o que tinha lá fora. Digo que voltei rico dessa experiência, rico em aprendizado e técnicas novas. Antes, eu achava que ser bem sucedido era ter bens materiais e só, mas hoje me considero bem sucedido pelo conteúdo que adquiri. O lado financeiro está vindo naturalmente. A Europa me ajudou nessa visão artística, nessa temporada de quatro meses. Passei por Portugal, Holanda, Reino Unido, Paris, Londres. Minha pretensão é continuar conhecendo outras culturas e buscar o que tem de melhor para nossa cultura, cidade e Estado. Nossa cultura é linda, mas tem muito que evoluir.

Você tem alguns personagens que pinta com freqüência, eles tem alguma historia, significam algo de especial para você?

Os personagens são uma releitura da minha vida, sempre fui bem elétrico e sonhador. Esses personagens representam histórias que vivi como o Pescador de Sonhos, pois meu avô me levava muito para pescar ou a Princesinha que representa o do Rio Paraguai, em Cáceres.

No seu ponto de vista, como é o atual momento do Brasil em relação aos artistas e artes?

Nesse momento não só para os artistas, mas para os empresários, tem sido bem complicada a mudança de governo. Eu, como artista, estou tentando me reiventar perante as finanças e busco alternativas, vendo obras com preço mais acessível. Tudo isso com cuidado para não desvalorizar minha arte. É um processo delicado de hábitos e mudanças financeiras, isso considerando que a arte ainda não é vista como um alimento essencial pra vida na sociedade, mas como um objeto de desejo. Um mês nós ganhamos grana e no outro não. Temos que tomar muito cuidado, uma vez que não se tem o apoio do governo como deveria ser, precisamos ter uma educação financeira muito boa.

Você já pintou em prol de ações sociais, trabalha ou desenvolve algum projeto atualmente?

Tenho vários trabalhos sociais, inclusive a de fazer arte e pintura na rua. Pinto e grafito lugares abandonados. Também tenho exposição de arte em clínicas de dependentes químicos e creches. Hoje estou com uma lista de creches e escolas públicas para pintar e falar da arte, como é viver dela, sobre criatividade. Todo mundo precisa de criatividade, independente da área social. Sinto que com isso estou retribuindo o dom que Deus me deu.

Você tem idéia de quantas obras já pintou na vida? Em Mato Grosso? Pelo Brasil ou mundo? Quais os lugares mais inusitados que você deixou seus personagens e suas cores?

Arquivo Pessoal

Rafael Jonnier

Rafael Jonnier grafitando personagem Pescador de Sonhos

Já pintei para muitas pessoas e estou há cinco anos trabalhando profissionalmente. Não tenho noção de quantas obras já pintei por Mato Grosso ou pelo mundo. Tenho todas as fotos, tenho que catalogar, tenho obra no Japão, deixei exposições minhas em Amsterdã, París, Londres e outros lugares que fui pintar, expor ou que foram levadas por clientes. No entanto, minha idéia é focar aqui no Estado e depois abranger. Um dos lugares mais inusitados que pintei foi perto de uma cachoeira em Cáceres. Fiz a tinta através das folhas, usei o barro como matéria orgânica,  isso já é bem inusitado.

Em MT, poucos artistas têm ascensão como a que você conquistou nos últimos anos, alguns falam sobre a falta de incentivos ou editais.  O que você pensa sobre?

O governo quer ajudar, mas pede uma burocracia de documentos para fazer um único edital. Por isso, desde o inicio da minha carreira, sempre me preocupei também com o lado empresarial. Acho importante, como artista, ter um equilíbrio entre o lado artístico e o lado empresário. O artista naturalmente se preocupa muito com o lado artístico e esquece o de empresário, por isso também sempre tracei metas de desejo. Penso como público e indago: eu colocaria uma obra dessa na minha casa? Isso levou esse crescimento tão rápido na minha área. Ter uma ajuda do governo é bom e precisamos, mas ela é mínima. Sinto que falta incentivo do governo. Eu sou autônomo, mas além do governo acredito que esse incentivo também poderia vir de outros meios, existem órgãos como Sebrae, mas falta muito mais.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • aline | Sexta-Feira, 15 de Fevereiro de 2019, 11h22
    1
    0

    Melhor artista de MT! Sempre inovando e impactando as pessoas!

Túlio, inabilidade política e frustração

tulio fontes 400 curtinha   Túlio Fontes (foto), que ainda faz mistério sobre disputa à sucessão em Cáceres, ficará mesmo fora do embate das urnas. Ex-prefeito e derrotado duas vezes para deputado estadual, ele não moveu uma palha para fortalecer o seu nanico PV. Conclusão: o partido só...

Pátio, vice, o MDB e ex-secretário

adonias fernandes 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio não desistiu de vez do seu antigo partido, o MDB, no qual militou por mais de duas décadas. Embora em rota de colisão com alguns líderes emedebistas, Pátio ainda tem bom contato com o ex-padrinho político, o...

Prefeito de Sapezal e aditivo com 15%

valdecir casagrande 400 curtinha sapezal prefeito   O prefeito de Sapezal, Valcir Casagrande (foto), autorizou o quarto aditivo de um contrato sem licitação, firmado em 2019 entre o município e a Casa de Saúde Santa Marcelina. Chamam atenção o valor e o aumento. A continuidade do atendimento aos...

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.