ENTREVISTA ESPECIAL

Quinta-Feira, 25 de Abril de 2019, 12h:40 | Atualizado: 02/05/2019, 12h:37

Dona de brechó tem roupas de etiqueta a baixo preço e atrai até socialytes - saiba

Rodinei Crescêncio

Nuria

Núria cresceu em São Paulo e, antes que se tornasse moça, virou uma verdadeira garimpeira de brechós. A família sempre consumiu desses meios, sua mãe e tias lhe ensinaram desde cedo que a opção é mais ecológica e barata que em outras lojas. No entanto, na opinião dela o preconceito nas cidades paulistas é menor que em Cuiabá. Sendo assim, a empreendedora resolveu abandonar a fisioterapia que também lhe acarretava alguns problemas de saúde para se dedicar a um sonho antigo: ser dona de brechó.  Há um ano e meio, aluga uma casa de quatro cômodos e só vende peças selecionadas e de boas marcas, como John John, Farm e Animalle. O empreendimento atrai compradores de todos os tipos e até socialytes, que se despiram de preconceitos e aderem à onda ecológica e universal.

Confira os melhores trechos da entrevista.

Como começou neste universo do brechó e como se tornou uma defensora?

Trabalho com marcas conhecidas e por um preço acessível, algumas peças são novas e ainda estão com etiquetas.

Nasci em uma família de brechozeiras, desde cedo aprendi a comprar em brechós. É um estilo de vida, além de um meio muito mais sustentável para o planeta, pois prolongamos o tempo de vida de algumas roupas. Além disso, o preço é bem mais em conta. Em Cuiabá existe preconceito com brechós porque as pessoas ainda não entendem bem o conceito, mas aos poucos pessoas que levam a sério esse negócio estão ajudando na quebra de tabus e no reconhecimento desse mercado.

Qual o seu diferencial no espaço em que montou?

Trabalho com marcas conhecidas e por um preço acessível, algumas peças são novas e ainda estão com etiquetas. Muitas das pessoas que revendo por consignação ou minhas clientes também compram roupas pela internet, que não servem, e deixam comigo para revender. Além disso, cuido do padrão de qualidade e higiene das roupas. Na casa que aluguei com minha sócia a decoração é toda vintage, foi pensada por uma arquiteta e nos quatro cômodos existem peças de roupas. Funcionam como setores de roupas de festas, vestidos, jeans e mais.

Rodinei Crescêncio

Núria

Fisioterapeuta paulista abandona a profissão, por questões de saúde, e abre brechó, há 1 ano e meio, uma paixão antiga, já que sempre gostou dessas lojas

D�cadas Brech�

Brechó fica em uma casa no bairro Santa Amália . Fone: (65) 3626-5233

Como costuma perceber o preconceito das pessoas com esse tipo de negócio?

O preconceito prevalece muito pela falta de conhecimento por parte de algumas pessoas. Há quem pense que as roupas são velhas e fedidas, que talvez tenham pertencido aos mortos. Existem brechós que não tem mesmo esse cuidado com as roupas, mas há quem trabalhe sério e preserve a qualidade. Para isso as pessoas precisam se despir dos preconceitos, eu mesma já converti muita gente que tinha nojo de brechó e hoje só compra aqui comigo.

Qual é seu público e como as pessoas costumam "garimpar" as peças? 

Atendo pessoas de diferentes classes sociais, algumas socialytes, não trabalho com roupas antigas. Elas procuram roupas de marca por um custo menor, algumas das etiquetas que trabalho são Morena Rosa, John John, Farm ou a Animalle. Tem calças caríssimas que encontram aqui por R$ 60, é um preço justo, compensa muito. Algumas pessoas passam mais de cinco horas provando as roupas, eu sei que é prazeroso, até na hora de selecionar algumas peças em São Paulo demoro muito mais que isso. Para mim não é sacrifício, é prazeroso.

Acredita que a era dos brechós é importante para a preservação ecológica do planeta?

Hoje em dia temos que refletir sobre o que vestimos a durabilidade das roupas e que isso não deveria ser tão descartável. Eu gosto das roupas de marca porque normalmente elas têm melhor qualidade. O atendimento do brechó também é diferenciado, ficamos mais próximos dos clientes e viramos amigos, se for a uma loja dessas de grande porte o atendimento é completamente diferente. Eu gosto disso, mudei totalmente o meu estilo de vida e não me arrependo. Trabalhei alguns anos como fisioterapeuta, adquiri uma ler pelos movimentos repetitivos e quando abandonei essa profissão decidi que também seguiria meu sonho, o que eu sempre fui apaixonada, ser dona do meu próprio brechó.

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Matéria(s) relacionada(s):

À reeleição com ou sem Juarez Costa

rosana martinelli curtinha   Em Sinop, Capital do Nortão, a prefeita Rosana Martinelli (PR) deve mesmo buscar à reeleição no ano que vem, com ou sem o apoio do deputado federal Juarez Costa (MDB) no palanque. Nos bastidores, o ex-prefeito, de quem Rosana foi vice, tem dito que pode entrar no páreo por não...

Toninho iludido com apoio dos Campos

toninho_curtinha   O empresário Toninho Domingos, vice-prefeito por duas vezes, com Nereu Botelho e Jayme Campos, está acreditando numa candidatura a prefeito de Várzea Grande com o apoio dos Campos, mas está sendo iludido. O senador Jayme Campos, marido da prefeita Lucimar, que não pode ir à...

Governador ignora greve da educação

Assim como na época em que era prefeito de Cuiabá, quando enfrentou grevistas, especialmente na saúde, e agiu de forma contundente e dura, o governador Mauro Mendes adota postura similar em relação aos profissionais da Educação, que já estão há mais de 30 dias fora das salas de aula. Recorrendo a argumentos técnicos e jurídicos, usando até pareceres que vetam a concessão de reajustes, Mauro...

AL homenageia Caravana do Inter

Deputado Faissal   A Assembleia aprovou Moção de Congratulação para a Caravana Colorada (leia aqui) que visita    Cuiabá, Rondonópolis, Sinop, Sorriso, Lucas do Rio Verde, Primavera do Leste e Tangará da Serra a partir do dia 28. A proposta do deputado Faissal (foto), que é...

Governo tira R$ 26 mi de obras de MT

wellington fagundes curtinha   Alegando crise fiscal e outras prioridades, o governo federal simplesmente remanejou R$ 26,5 milhões, que já estavam assegurados para obras rodoviárias em MT pelo Ministério de Infraestrutura, para poder contemplar a pasta da Economia e Planejamento. Desse montante, R$ 8 milhões...

TCE declara prefeita Lucimar à revelia

lucimar campos curtinhas   O conselheiro do TCE Guilherme Maluf declarou à revelia a prefeita Lucimar Campos (foto), de Várzea Grande, em um processo de tomada de conta especial que aponta danos ao erário. Foram feitos pagamentos indevidos à empresa contratada Selprom Tecnologia. A esposa do senador Jayme Campos deve...

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.