ENTREVISTA ESPECIAL

Sábado, 27 de Junho de 2020, 08h:02 | Atualizado: 27/06/2020, 08h:29

Prefeito de Lucas defende unificação das eleições, mas já articula reeleição - vídeos

Luiz Binotti fala sobre ações no combate à Covid-19 e da articulação para tentar reeleição neste ano

Dayanne Dallicali/Arte/Rdnews

Luiz Binotti

Considerado como surpresa nas eleições de 2016, o prefeito de Lucas do Rio Verde, Luiz Binotti (PSD),  já articula seu grupo político para buscar a reeleição, mesmo em período conturbado, devido a pandemia da Covid-19 e as incertezas quanto a data da realização do pleito (marcado para outubro). Aliás, sobre a votação municipal, o gestor é defensor da unificação das eleições para 2022, o que prolongaria seu mandato para 2022. Tal adiamento, no entanto, é improvável, na visão do prefeito. Empresário de sucesso, Binotti tem mantido a maior parte do comércio do município em funcionamento, mesmo assim, reclama da queda de arrecadação da prefeitura. Além disso, se juntou a outros 14 prefeitos do Nortão, para adotar medidas conjuntas contra a propagação do novo coronavírus, se posicionando extremamente contra ao lockdown.

Confira os principais trechos da entrevista gravada na quarta (24), de forma remota:

Prefeito, Lucas passa dos 400 casos confirmados da Covid-19 e soma 10 mortes. Qual a avaliação que o senhor faz da evolução da doença no município?

Desde o dia 20 de março, quando fizemos o fechamento do comércio por nove dias (todo o comércio, menos a indústria e transporte), tomamos as providências necessárias, como a criação de dois comitês. Fizemos campanhas orientativas para a população, como uso de máscaras e isolamento social. Com relação aos números, é óbvio que nos últimos dez dias tivemos esse aumento de pessoas contaminadas, mas não só por aqui, mas em todo Mato Grosso. A gente lamenta e estamos tomando medidas mais severas. Fechamos parte comércio. Mas, de uma forma geral, Lucas tem buscado o equilíbrio entre cuidar da saúde e manter o emprego, para que pós-pandemia a gente evite possíveis falências de empresas.

Assessoria

Luiz Binotti

O prefeito Luiz Binotti em seu gabinete na Prefeitura de Lucas do Rio Verde, em entrevista remota com o jornalista Airton Marques, na 4ª passada

O senhor enfrenta pressão do comércio para manter o funcionamento?

Em Lucas do Rio Verde mantivemos o comércio quase sempre aberto, com algumas restrições (como restaurantes funcionando apenas por delivery). Desde o dia 19 os bares estão todos fechados, além dos salões de beleza. Decretamos o toque de recolher a partir das 21h30 e estamos fiscalizando praças públicas e espaços públicos. Chegamos ao pondo de ter que prender pessoas por motivos de aglomeração e festas.

Nessa semana a Justiça determinou a quarentena obrigatória na Capital e em Várzea Grande. O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) recorreu e disse que se fosse pra ter o chamado lockdown, deveria ser em todo o Estado. O senhor concorda?

Reunimos os 16 prefeitos do consórcio Teles Pires para formarmos um consenso, mas somos contra o lockdown. Devemos manter o rigor na fiscalização e as pessoas precisam colaborar, mas fazer um lockdown é uma situação muito extrema. Estamos aqui, por exemplo, em plena colheita do milho. Temos também a maior fábrica de alimentos da América Latina, indústria de etanol e do milho, que são essenciais para a chegada dos alimentos na mesa dos brasileiros. Eu, particularmente, sou totalmente contra o lockdown e acredito que não é a solução para o momento.

Lucas do Rio Verde tem grande presença no agronegócio, mas mesmo assim pode ter sido afetada em sua arrecadação. Qual o impacto do covid-19 na arrecadação da prefeitura?

Maio teve uma queda e este mês de junho também adeve ter, mas temos a Lei Federal para suprir um pouco esse déficit. Estamos torcendo pra que o déficit não seja tão grande e que o recurso do Governo Federal possa suprir a queda de arrecadação, principalmente de ICMS. No entanto, não é uma queda exagerada. Sou otimista que a economia deve retornar o mais breve possível. O município deve receber cerca de R$ 18 milhões do Governo Federal.

Prefeito, já estamos próximos da eleição. O senhor já trabalha pela reeleição?

Estou me reunindo com meu grupo político, com o deputado federal Neri Geller (PP), senador Carlos Fávaro (PSD) e o próprio deputado estadual Silvio Fávero (PSL) - que foi seu vice. O Congresso deveria ter tomado uma atitude mais cedo em relação a data da eleição. É difícil ter eleições no mesmo ano que se deve tratar da pandemia. Teve a decisão do Senado de adiar para novembro e vamos aguardar. Enquanto isso, estamos trabalhando, para cumprir o que prometemos, que é cuidar das pessoas e da cidade. Temos mais de quarenta obras sendo entregues e outras em construção. Nesse período de quatro anos vamos entregar mais de 100 salas de aulas para nossos alunos, colocando semáforos na cidade e recapeando as principais avenidas. Com uma força política muito boa, com deputados federais, estaduais e senador, que estão me ajudando muito a fazer o que dissemos que faríamos no nosso plano de governo.

Tem conversado com partidos?

Temos aí o próprio PSD que é o meu partido, o PP, o PTB e sete e outros partidos. Queremos unir outras lideranças para que possamos colocar em primeiro lugar o nosso município. Eu, como político de primeiro mandato, me considero um missionário e é isso que nós temos que fazer.

Existe projeto do senador Wellington Fagundes pra adiar pra 2022, unificando as eleições. O senhor concorda em estender o mandato por mais 2 anos?

Penso que as eleições deveriam ser unificadas. Chega de desgastes e fazer uma eleição a cada dois anos. Acredito que chegou a hora do Brasil unificar as eleições e fazer uma eleição a cada cinco anos. Sou contra a reeleição. Isso iria permitir falarmos em menos eleição e gastar menos dinheiro. Certamente sobraria mais tempo para trabalhar por esse Brasil. Não acredito que vai ter essa unificação, ela deve ocorrer em novembro. Agora é uma oportunidade ímpar.

Postar um novo comentário

Comentários (1)

  • Lucas | Sábado, 27 de Junho de 2020, 16h33
    0
    3

    Coitado esse não consegue a reeleição, Marino Franz Ganha

Túlio, inabilidade política e frustração

tulio fontes 400 curtinha   Túlio Fontes (foto), que ainda faz mistério sobre disputa à sucessão em Cáceres, ficará mesmo fora do embate das urnas. Ex-prefeito e derrotado duas vezes para deputado estadual, ele não moveu uma palha para fortalecer o seu nanico PV. Conclusão: o partido só...

Pátio, vice, o MDB e ex-secretário

adonias fernandes 400 curtinha   Em Rondonópolis, o prefeito Zé do Pátio não desistiu de vez do seu antigo partido, o MDB, no qual militou por mais de duas décadas. Embora em rota de colisão com alguns líderes emedebistas, Pátio ainda tem bom contato com o ex-padrinho político, o...

Prefeito de Sapezal e aditivo com 15%

valdecir casagrande 400 curtinha sapezal prefeito   O prefeito de Sapezal, Valcir Casagrande (foto), autorizou o quarto aditivo de um contrato sem licitação, firmado em 2019 entre o município e a Casa de Saúde Santa Marcelina. Chamam atenção o valor e o aumento. A continuidade do atendimento aos...

Partidos acirram disputa a vice de Léo

leonardo 400 curtinha   Em Primavera do Leste, o prefeito emedebista Léo Bortolin (foto), um dos mais bem avaliados gestores mato-grossenses, convive com uma disputa acirrada de pretendentes ao cargo de vice-prefeito de sua chapa. A corrida por novo mandato está tão confortável que Léo praticamente não tem...

MDB e PRB devem se juntar em ROO

luizao 400 curtinha   Ao menos dois blocos de oposição em Rondonópolis estão levando a sério a observação do ex-governador e ex-senador Blairo Maggi, para quem Zé do Pátio ganharia a reeleição numa boa se o município tiver várias candidaturas. Ou seja, quanto...

Parlamentares numa disputa cômoda

thiago silva 400 curtinha   Parlamentares que estão se aventurando na disputa a prefeito nada têm a perder. Não precisam nem se afastar dos mandatos para concorrer ao pleito. Em caso de derrota nas urnas de novembro, continuam com suas cadeiras garantidas até 2022 (situação de estadual e federal) e...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

O Governo de MT estuda retomada das atividades escolares presenciais possivelmente em agosto ou setembro. O que você acha?

Estou de acordo

Não - aulas não podem voltar por agora

tanto faz

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.