ENTREVISTA ESPECIAL

Quinta-Feira, 16 de Fevereiro de 2017, 11h:49 | Atualizado: 22/02/2017, 13h:35

"Prostituição deveria ter um sentido melhor e estar nas políticas públicas"

Xica da Silva, do Livremente, diz lamentar o conceito negativo e a discriminação sobre o Zero KM

chica da silva

Xica da Silva enfatiza a importância do uso do nome social, reforçando a dignidade e direito à escolha 

Vice-presidente da organização não governamental Grupo Livremente, fundada em março de 1995, cujo principal objetivo é dar apoio, visibilidade e defesa às políticas públicas para travestis e transgêneros, Xica da Silva, de 25 anos, começou sua militância cedo, aos 19.

Ela considera haver sim a necessidade da criação e fortalecimento de ONGs específicas de transgêneros e travestis porque os dois grupos acabam por precisar de maior cuidado quanto às vivências próprias delas.

Ainda que também sofram preconceito, gays, lésbicas e bissexuais conseguem empregos regulares, enquanto muitas travestis e transgêneros, não. Para ela, ambas têm o direito de escolher se querem ou não viver da prostituição e não serem obrigadas, na maioria das vezes, a só viver dessa atividade, por não conseguirem encontrar quem as empregue em outras áreas por causa do preconceito com a aparência e o modo de ser delas.

Sem rodeios, Xica da Silva concedeu uma entrevista ao para falar sobre os temas. Confira abaixo os principais trechos. 

Por que há toda essa carga de preconceito em relação ao 0 KM (ponto tradicional de prostituição masculina e feminina, em Várzea Grande)?

Eu vejo isso como algo de muito baixo nível para nós, travestis, e também às outras pessoas que trabalham lá. É muito chato. Eu não trabalho lá, mas tenho várias amigas que trabalham. Fica muito difícil porque, além do preconceito, há vários usuários de drogas. E alguns são violentos. Já perdi várias e várias amigas dentro do zero quilômetro, por causa da decadência em que se encontra lá hoje. 

Como somos discriminadas até mesmo na escola, a rua acaba virando nossa casa, nosso paraíso

Você acredita que a prostituição deveria ser legalizada?

Não legalizada, mas deveria ter um sentido melhor (em se tratando de políticas públicas). Porque também não acho que seja vida para ninguém, mas acaba sendo o melhor caminho, porque somos discriminadas dentro de casa, em todo lugar. Assim, o que se acha é uma casa de cafetina pra viver. Como somos discriminadas até mesmo na escola, a rua acaba virando nossa casa, nosso paraíso. 

Você trabalha com o que, além da militância na ONG?

Eu milito no movimento, mas também faço programas, sou dona do meu nariz. A prostituição e a rua são lugares de risco, não de conforto, mas acabamos procurando a rua porque lá nos sentimos muito mais à vontade. 

Quanto consegue faturar mensalmente com a prostituição?

Cerca de R$ 2,5 mil. 

A maioria dos seus clientes é supostamente heterossexual?

Sim. E eles não procuram só sexo, procuram algo melhor, pra os satisfazer. 

Travestis devem ser chamadas de ele ou de ela?

Com certeza absoluta, de ela. 

Travestis e transgêneros conseguem os empregos ditos normais ou as pessoas ainda se recusam a contratá-las?

Depende de qual é a empresa, mas a gente não vê diferença entre ser travesti ou transexual. E nem toda travesti procura ou quer só a rua, muitas procuram serviços ditos normais, por isso a luta pelo nome social. Isso facilitaria muito, além de nos dar a dignidade de usar nossos nomes, escolhidos por nós. 

Há políticas públicas específicas para vocês? Elas são satisfatórias?

Não. Elas são mais satisfatórias para os gays e lésbicas que as mantêm. Vejamos dentro de Mato Grosso: é muito difícil achar uma ONG ou grupo de apoio para as travestis e transexuais. É fácil perceber que é mais fácil ter ONG onde tem gays, lésbicas, bissexuais, mas não tem uma ONG específica para transgêneros e travestis. O que falo é de visibilidade, pois trans e travestis têm tanto direito de conseguir um trabalho, por exemplo, quanto qualquer um outro grupo ou ser humano. 

Você conhece a Astramat (Associação das Travestis de Mato Grosso)?

Não, não conheço. 

O que você acha das ideias do deputado federal Vitorio Galli (PSC)? 

Me desculpe, mas não tenho nada para falar sobre essa pessoa. Sobre ela, meu silêncio já basta.

chica da silva entrevista

 Xica da Silva, em várias poses, diz que políticas públicas são mais satisfatórias para gays e lésbicas e cita não existir em MT Ong que defenda travestis e transexuais

Postar um novo comentário

Comentários

  • Comente esta notícia

Deputado, Mesa da AL e incoerência

claudinei 400   Claudinei Lopes (foto), delegado de polícia que, na onda Bolsonaro, se elegeu deputado pelo PSL, em 2018, se mostra cada vez mais incoerente. É daqueles que gostam de levantar polêmicas e críticas, mas sem consistência. Ele se manifestou, por exemplo, contra a reeleição à Mesa...

Dilmar ensaia disputa para federal

dilmar dal bosco 400   Todos os deputados estaduais querem buscar a reeleição, com exceção de Dilmar Dal Bosco (foto), que está no terceiro mandato. Integrante da nova Mesa Diretora da Assembleia, como primeiro-vice-presidente, e líder do Governo Mauro, Dilmar não esconde o desejo de disputar cadeira...

Com Covid-19 e frequentando a AL

paulo araujo 400   O deputado Paulo Araújo (foto), do PP, está com reinfecção pelo Covid-19 e, mesmo assim, continua frequentando o prédio da Assembleia normalmente, como se não tivesse contaminado. Na primeira vez que foi infectado pelo vírus, também fez igual. Colegas parlamentares e...

2 abstenções e briga pela 4ª Secretaria

silvio favero 400   Dois deputados se abstiveram na eleição da Mesa Diretora da Assembleia desta terça cujo votação foi secreta. Nos bastidores, os comentários são de que as abstenções foram de Sílvio Fávero (foto), que se lançou à disputa e, sequer, teve...

Petista, incoerência e voto contrário

ludio cabral 400   O petista Lúdio Cabral (foto), daqueles parlamentares do morde e assopra, na tentativa de marcar posição, expõe cada vez mais suas incoerências em votação na Assembleia. Na sessão que antecedeu a eleição para a nova Mesa Diretora, provocada pela decisão...

Projeto sobre VI na Saúde está na AL

gilberto figueiredo 400 curtinha   Já está na Assembleia, para votação dos deputados, o projeto do governo que garante retomada do pagamento da verba indenizatória aos profissionais da Saúde que atuam na linha de frente do combate à Covid-19 nas unidades hospitalares, ambulatoriais e...

MAIS LIDAS