ENTREVISTA ESPECIAL

Sábado, 07 de Março de 2020, 08h:00 | Atualizado: 07/03/2020, 08h:09

Vejo como resistência, só queria correr, diz Cinderela negra, atleta que corre descalça

Nos anos 80, Jorilda Sabino ganhou destaque nacional ao correr a São Silvestre sem tênis de pés no chão

Rodinei Crescêncio/Arte/Rdnews

Jorilda Sabino

Quando se mudou com a família para uma das casas do bairro Pedregal, em Cuiabá (MT), nos primeiros dias de vida, Jorilda Sabino rapidamente deu os primeiros passos na carreira de atleta, que seguiu durante 15 anos. Aos nove, lembra que gostava de "acompanhar" os passos da irmã mais velha e, juntas, começaram a frequentar aulas de atletismo na UFMT, que faziam parte de um projeto social da Associação Atlética Uirapuru - responsável por descobrir outros grandes talentos do esporte mato-grossense. Além do acesso aos treinamentos de forma gratuita, os cafés da manhã oferecidos pela Uirapuru, enchiam os olhos das crianças, que, junto aos outros sete irmãos, viviam em situação de vulnerabilidade financeira. Foi na pista de atletismo da UFMT que ela conquistou as primeiras marcas. Em 1985, na primeira Corrida de Reis realizada em Cuiabá (MT), Jorilda ocupou o lugar mais alto do pódio. No ano seguinte, viajou para representar Mato Grosso na Corrida de São Silvestre, em São Paulo (SP), onde chamou atenção da imprensa nacional por correr descalça e vencer a competição em segundo lugar. Fato que deu origem ao apelido que já atravessa decadas: "Cinderela negra". Sobre o costume de competir com os pés no chão, Jorilda afirma que, além, claro, das condições financeiras da família não serem das melhores, era daquela forma que gostava (e já era acostumada) de "voar" pelas pistas de corrida.  Exemplo de garra e resistência da mulher negra, ela não se intimida em abordar pautas raciais. Ressalta que é importante e necessário que os próprios negros falem sobre suas vivências, já que homens e mulheres brancos serão capazes de fazê-lo.

Confira os melhores trechos da entrevista: 

O fato de uma criança pobre e negra correr descalça pode ser encarado como uma forma de resistir em uma sociedade desigual?

Na vedade, hoje em dia, até posso te dizer que era uma forma de resistir. Mas, naquele tempo, não era isso que eu pensava. Eu era uma criança de nove anos que só pensava em correr. Era acostumada a praticar corrida descalça, venho de uma família muito humildade, acostumei a correr na rua com o pé no chão. Quando comecei a treinar, não tinha condições. Não sei o que as pessoas pensavam [em ver a cena dela correndo descalça]. Deviam achar meio estranho, né? Eles não estavam acostumados, para eles era uma novidade, para mim não.

Você já se sentiu subestimada, tanto no esporte, quanto em seu cotidiano, por ser mulher e negra?

Em relação a ser negra, não sentia. Naquela época, era muito pequena, o racismo era velado. Me sentia subestimada, talvez, por correr descalça, fiz isso durante metade da minha carreira praticamente. Era uma menina franzina que fazia marcas boas [na corrida]. Além disso, não estava no eixo RJxSP, de onde os grantes atletas saíam. Mas, acho que não existe nenhum negro que não tenha passado por racismo. Eu, como mulher negra de quase 50 anos, acredito que a maioria já tenha passado por algum constrangimento relacionado ao racismo. Naquela época, não existia o "politicamente correto", as pessoas demonstravam mais os seus preconceitos.

Marcelo Victor

Jorilda Sabino

Jorilda Ribeiro mora em Campo Grande, onde trabalha em projetos sociais de iniciação esportiva, colocando brilhos nos olhos de outras crianças

De lá para cá, quais foram as principais mudanças que você observou com relação a conscientização de homens e mulheres brancos sobre racismo?

A principal mudança que vejo é que, hoje em dia, podemos discutir sobre isso [o racismo]. Embora fosse muito pequena naquela época, tenho uma percepção a respeito do que vivi. Hoje em dia, acho que está mais fácil com relação ao acesso a informação sobre questões raciais, até mesmo por conta das redes sociais. Mas, na verdade, penso que se os brancos forem falar de racismo, eles não vão saber. Eles não entendem nada sobre isso, é como se um homem falasse sobre feminismo, sobre algo que a mulher vivencia no dia-a-dia. Então, acho que a população negra tem, como obrigação, discutir sempre sobre o assunto, até memso para as pessoas se informarem e entenderem bem.  Naquela época não existia o politicamento correto, não se isso talvez "segure" mais a pessoa ou faça com que tenha cuidado com o que fala. Até mesmo nas redes sociais é preciso ter cuidado se você não tiver um discurso politicamente correto. Antigamente, "as coisas" não eram tidas como racismo. 

O que acha que precisa mudar para que mulheres negras tenham mais visibilidade e representatividade? 

Acho que, para isso, tem que ser feita uma desconstrução. Leva tempo. Mas já conseguimos certos avanços. Antigamente ninguém pensava em ver a Maju Coutinho, por exemplo, apresentando o Jornal Nacional. São exemplos que vão melhorando, abrindo a mente das pessoas, mostrando que as mulheres são tão capacitadas quanto os homens. Hoje em dia temos mulheres em cargos altos, é com o tempo, vamos conseguindo ocupar esses espaços. 

Reprodução

Jorilda Sabino

Imagens de momentos marcantes de Jorilda: corrida descalça, carregando a tocha olímpica em 2016, e recorte de reportagem de jornal da época

Como você se sente quando vê essa representatividade na prática? 

É um orgulho para qualquer pessoa. Imagina o quanto ela [Maju Coutinho] teve que se mostrar uma profissional excelente e qualificada para estar naquele lugar. Percebemos que ela ainda é criticada, justamente por conta da situação de ocupar esse espaço que está ocupando, que, antes, era quase improvável. As pessoas procuram um meio de desqualificar, como quando fizeram criticas de que ela gesticulava demais e etc.

Qual a importância do acesso ao esporte, na sua opinião? 

O atletismo, na minha vida e da minha família, foi um divisor de águas, melhorou nossas vidas. Tenho uma irmã que seguiu pelo mesmo caminho, hoje ela vive super bem em Cuiabá. Também tenho um irmão que se tornou profissional de Educação Física. Melhorou muito, todos estão bem de vida. 

Postar um novo comentário

Comentários (2)

  • HELIO AUGUSTO GOMES | Sábado, 07 de Março de 2020, 21h31
    4
    0

    Mil parabéns, mas mérito tem dividir com professor EXpedito !

  • Neiva Lucia De Almeida | Sábado, 07 de Março de 2020, 11h23
    2
    0

    Parabéns ao Rdnews pela belíssima matéria, com a nossa eterna Cinderela, Jorilda Sabino.

DEM e voz na Câmara após 16 anos

marcelo bussiki 400 curtinha   O DEM (antigo PFL) passa a ter voz na Câmara da Capital 16 anos depois. Aproveitando a janela de março em que a Justiça Eleitoral permite mudança de legenda sem risco de perda do mandato, dois vereadores migraram para o Democratas, sendo eles Marcelo Bussiki (foto) e Gilberto Figueiredo, que...

MDB agora com 2 na Câmara-Cuiabá

juca do guaran� curtinha 400   O MDB do prefeito Emanuel Pinheiro, que não elegeu vereador em 2016 em Cuiabá, agora ganha duas vozes na Câmara. Tratam-se de Juca do Guaraná (foto), militante histórico do nanico Avante que resolveu migrar para a legenda emedebista, e do recém-empossado...

PT segue sem voz na Câmara-Cuiabá

bob pt 400 curtinha   O PT, presidido em Cuiabá por  Elisvaldo Almeida, o Bob (foto), está mesmo "queimado" e sem prestígio. Em meio ao troca-troca de partido entre os vereadores cuiabanos, aproveitando a janela de março, cujo prazo para mudanças para quem deseja se candidatar em outubro encerrou-se neste...

Deputado, única causa e os interesses

xuxu 400 curtinha   Xuxu Dal Molin (foto), deputado pouco atuante e limitado a defender a bandeira do agronegócio, é mais um daqueles que demonstram, na prática, usar a política para beneficiar os seus. De familiares de agricultores, Xuxu bateu duro, se posicionando contra a proposta encaminhada pelo governador Mauro...

Vereadores de ROO e trocas de siglas

fabio cardozo 400 curtinha   Em Rondonópolis, praticamente a metade dos vereadores está aproveitando a janela, que se encerra neste sábado, para mudar de partido, e já com as atenções voltadas à reeleição. E, com a dança das cadeiras, o Solidariedade do prefeito Zé do...

Podemos absorve a turma do barulho

O Podemos conseguiu juntar no seu diretório em Cuiabá a turma do barulho. Dela fazem parte dois com mandatos cassados, Abílio Júnior, que perdeu a cadeira de vereador por quebra de decoro, e a senadora Selma Arruda, cassada por caixa 2 e abuso de poder econômico, mas que ainda continua no cargo. Selma impôs condições para seguir no partido. Chegou a negociar ida para o PSC. E ganhou a presidência municipal do Pode, forçando o...

ENQUETE

facebook whatsapp twitter email

Você concorda com a decisão de prefeitos, que começam a decretar estado de emergência, fechando comércio, serviços públicos e o transporte coletivo?

sim

não

sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.