Estado e seus Servidores

Domingo, 24 de Fevereiro de 2019, 12h:12 | Atualizado: 25/02/2019, 16h:58

MÁQUINA PÚBLICA

Folha do TJ tem salário de até R$ 62 mil bruto, além de alguns auxílios - quadro

Rdnews continua série de reportagens com análise dos salários pagos nas repartições públicas de MT

Selo Estado e seus Servidores

 

A folha de pagamentos do Tribunal de Justiça tem servidores que recebem até R$ 62 mil brutos, incluindo salários, direitos trabalhistas em atraso e outros benefícios. Além disso, os trabalhadores do Judiciário têm direito a benefícios como auxílio alimentação, saúde e creche, reajustados anualmente.

O dá continuidade à série “Estado e seus servidores”, na qual são levantados os custos das folhas de pagamento dos diversos entes da administração pública em Mato Grosso. Os valores constam no Portal da Transparência do TJ referentes às folhas de novembro e dezembro de 2018 e janeiro de 2019.

Em dezembro, a servidora Abia Rodrigues Souza Costa consta com R$ 62,5 mil brutos na folha de pagamento. Analista judiciária do departamento financeiro, ela recebeu R$ 15,6 mil de salário, R$ 13,7 mil de vantagens pessoais, R$ 1,9 mil de indenizações, e ainda R$ 31,2 mil de vantagens eventuais. Com os descontos, o rendimento líquido foi de R$ 48,8 mil.

O maior pagamento de janeiro foi destinado à servidora Eva da Guia Magalhães Silva, gestora do serviço de operações bancárias. Dos R$ 54,1 mil destinados a ela, sem considerar os descontos de Imposto de Renda e Previdência, apenas R$ 18 mil foram referentes ao salário. R$ 9,8 mil de vantagens pessoais, R$ 1,9 mil de indenizações, e R$ 24,3 mil de vantagens eventuais se somam para que se chegue ao valor total.

Já no mês de novembro, Luis Claudio de Castro Sodré recebeu R$ 51,8 mil brutos, com rendimento líquido de R$ 41,2 mil. O salário base do técnico do departamento de depósitos judiciais, de R$ 6,8 mil, foi acrescentado a R$ 21,2 mil de vantagens pessoais, R$ 1,9 mil de indenizações e ainda R$ 21,8 mil de vantagens eventuais.

O presidente do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Mato Grosso (Sinjusmat), Rosenwal Rodrigues, explicou que um grupo de 600 servidores do TJ possui direitos acumulados por funções comissionadas que foram incorporadas ao salário.

“Na época, em 1990 mais ou menos, daria o direito de acumular o cargo que ganhava a maior. Quando se chega a esse montante, de R$ 60 mil por exemplo, ele está recebendo diferença de URV, até 30 mil, férias, licença prêmio, e outros direitos. Dá um acumulo geral e as pessoas assustam”, disse. “Mas é que hoje o Tribunal está colocando em dia as contas com servidores e magistrados”, ressaltou.

Rodinei Crescêncio/Arte/Rdnews

Quadro salarios TJ

Quadro com 10 maiores salários brutos nos meses de novembro, dezembro e janeiro; no TJ, servidores ainda ganham diversos auxílios, como alimentação

RGA

Na segunda (18), o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Carlos Alberto da Rocha, determinou o pagamento de 3,43% referentes à Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores.

Em janeiro, ensaiou-se na Assembleia uma proposta para unificar a RGA de todos os poderes em Mato Grosso. Depois de contestações do Judiciário, do Ministério Público e outros Poderes e órgãos constitucionais, a proposta foi retirada. Hoje, os trabalhadores do Executivo, incluindo os aposentados, têm tido salários escalonados, enquanto outros poderes recebem os salários em dia e reajustes normais.

“A gente fica chateado de ver outros servidores públicos nessa situação [de escalonamento de salários]. Eles tiveram um realinhamento que vai ter reflexo até 2021. O Judiciário não teve esse mesmo aumento”, lembrou Rosenwal.

“Mas é uma matéria inconstitucional. Imagine você... Então não há diferença entre os poderes. É um poder único? Não. Cada Poder tem seu orçamento e vai trabalhar dentro das suas necessidades. Como pode o Mauro chegar e falar que não vai dar RGA para o Judiciário? Quem administra o orçamento de cada um dos Poderes é o chefe daquele Poder”, avaliou.

Ele defendeu a existência dos auxílios. O Tribunal de Justiça paga R$ 1,1 mil de auxílio alimentação, R$ 800 de auxílio saúde, e R$ 450 de auxílio creche.

Em janeiro, a Assembleia aprovou uma mudança na Lei Orgânica do TJ que mudou o trâmite para aprovação de reajustes nos valores pagos por alimentação, saúde e creche. Agora, a mudança no valor deve ser aprovada pelo Conselho da Magistratura, formado pelo presidente, vice-presidente e corregedor-geral do Tribunal de Justiça e não mais passará pelo crivo dos deputados.

“Foram três auxílios que nós estávamos há mais de 20 anos tentando conseguir. O auxilio alimentação começou em R$ 100,00. Ele só foi sendo reajustado de acordo com o aumento da receita do Estado”, defendeu o presidente do sindicato.

Postar um novo comentário

Comentários (15)

  • Márcio | Terça-Feira, 26 de Fevereiro de 2019, 10h47
    1
    0

    E pq não determinam o pagamento das cartas de crédito dos servidores do executivo? Tbm tem direito. Ganharam na justiça, mas não recebem. Só enrolação

  • Veber | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 17h42
    8
    0

    Quando irá acabar a imoralidade desses privilégios em nosso país? Até quando teremos de conviver com a desfaçatez dessas "elites" que usam os impostos pagos por todos nós para enriquecer? Até quando?

  • diego | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 16h47
    5
    0

    Luis Claudio não é o vereador? recebe do TJ e da CAMARA?

  • Leandro | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 14h52
    14
    2

    Auxílio alimentação? Auxílio saúde? Auxílio creche? Que palhaçadas são essas? Vermes malditos

  • John Nilsson | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 10h40
    8
    9

    Muito triste essa encenação de parte dos servidores do executivo que ao invés de lutarem pelos seus direitos assim como os do judiciário, faz é ficar com INVEJA, partem para a agressividade sem limites. Isso não leva a lugar nenhum. Use desse espaço para tecer comentários produtivos e construtivos. Usem a ideia. Não sejam alienados. Abram a mente, vamos racionar mais. Fica a dica.

  • Eloisa | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 10h05
    8
    0

    Acho até graça, cada um ganha o quanto puder. Mato Grosso é um Estado rico, a nossa AL e o Executivo são sempre exercidos por gente privilegiada que vai também favorecer privilegiados. Não há novidade nisso. mas como quebraram o Estado agora é salve-se quem puder, e os perdedores claro, serão os barnabés.

  • Crítico | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 10h01
    10
    0

    Farra com dinheiro público. Órgão que deveria dar exemplo.

  • Alcides | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 09h57
    16
    1

    O que tem de parentes de juízes e desembargadores no Judiciário de MT não está em Gibi algum. Aliás, a alta sociedade também se faz presente lá, não é por acaso.

  • Joao Paulo | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 09h32
    11
    1

    Num tem q ter auxilio nenhum!

  • João Paulo Dias | Segunda-Feira, 25 de Fevereiro de 2019, 08h17
    8
    1

    Me chamou a atenção essa familia Sogno Pereira, algo estranho ai, em todos os meses um deles está entre os 6 e em 1 dos meses aparece o irmão, kd o ministério público?

Matéria(s) relacionada(s):

Prefeitos e dinheiro público com shows

marquinhos do dede curtinha   Algumas prefeitos estão aproveitando datas comemorativas, como o aniversário de seus municípios, para promover farra artística com dinheiro público. Em Paranatinga, por exemplo, o prefeito Marquinhos do Dedé (foto) autorizou gastar R$ 115 mil em dois shows dentro da...

Possível duelo entre Pátio e Sachetti

adilton sachetti curtinha   Em 2008, Adilton Sachetti (foto) era prefeito de Rondonópolis e, com a máquina a seu favor, tentou a reeleição e, mesmo assim, foi derrotado por Zé do Pátio. No próximo ano, 12 anos depois, os dois devem se enfrentar de novo nas urnas. Agora em posições...

Situação de emergência na MT-100

As péssimas condições de trafegabilidade da MT-100, agravadas por ingerências e irresponsabilidade de empreiteiras que fizeram obras pela metade, levaram o governo estadual a decretar situação de emergência no trecho entre Torixoréu e Pontal do Araguaia e sob interferência da Defesa Civil. Com isso, está sendo possível executar obras paliativas sem licitação, uma forma de amenizar o transtorno,...

Após governador, prefeito vai à Bolívia

francis maris curtinha   Duas semanas depois do governador Mauro e dois secretários terem ido à Bolívia tratar da comercialização do gás e do fornecimento de ureia para MT, o prefeito de Cáceres Francis Maris (foto) e sua vice Eliene Liberato vão fazer igual. Ambos ficarão 10 dias em...

Articulação rumo ao Palácio Alencastro

cidinho curtinha   Continua repercutindo nos meios sociais, políticos e empresariais a festa do ano realizada em Cuiabá, na última quarta, pelo ex-senador Cidinho (foto). Para comemorar o cinquentenário e Bodas de Prata com a esposa Marli Becker, ele recebeu mil convidados, desde grandes empresários do PIB...

Câmara, Misael, corte de VI e pepino

misael galvao curtinha   Sobrou para o presidente da Câmara de Cuiabá, Misael Galvão (foto), o pepino de providenciar o corte de uma fatia generosa da VI dos vereadores por Cuiabá. Isso porque, o Supremo decidiu que os parlamentares poderão receber, a título de reembolso, até 60%  dos...

ENQUETE

Tramita na Câmara Federal o projeto 832/2019, do deputado José Medeiros, requentando uma proposta de 2007 do então deputado Jair Bolsonaro, propondo extinguir o Exame da Ordem como exigência para inscrição na OAB e, assim, poder exercer a profissão. O que você acha disso?

Concordo - esse Exame tem de acabar

Discordo - bacharel precisa, sim, se submeter ao Exame

Sei lá!

Não se trata de pesquisa eleitoral, mas de um mero levantamento de opiniões de leitores do RDNews e do Blog do Romilson, com participação espontânea dos internautas. Resultado sem valor científico.